Nike tem fortes vendas globais e bate estimativas de lucro e receita

A receita e o lucro trimestral da Nike Inc. superaram as estimativas dos analistas, graças à forte demanda em seus mercados internacionais e à iniciativas como a venda direta aos clientes.


Os lucros da Nike superaram as estimativas dos analistas no terceiro trimestre - Nike

As ações do componente da Dow subiram quase 2% no comércio estendido. Eles haviam fechado em baixa de 3% a 64,42 dólares no pregão regular, depois que o investidor William Ackman, da Pershing Square, saiu da empresa com um lucro de cerca de 100 milhões de dólares. As vendas aumentaram 24,3% na China no terceiro trimestre encerrado em 28 de fevereiro, enquanto subiram 19,4% na Europa.

Os mercados internacionais ajudaram a compensar uma queda de 6% nas vendas na América do Norte, onde a Nike está enfrentando uma competição acirrada com a rival Adidas. A receita da região vem diminuindo há três trimestres consecutivos, sendo uma queda de 6% no último. "À medida que encerramos o terceiro trimestre, vemos agora uma reversão significativa da tendência de queda na América do Norte", disse Mark Parker, CEO da empresa, em comunicado.

Em uma call sobre os resultados da empresa, Mark Parker falou sobre as estratégias e inovações futuras, como a parceria com a Amazon e o lançamento de uma linha aprimorada da Nike Air. Parker disse que ele espera aumentar o negócio em "vários bilhões de dólares nos próximos anos”. "A maior escala dessas plataformas criará um impacto maior em nossos negócios no quarto trimestre e além".

No entanto, no trimestre encerrado recentemente, a empresa reportou um prejuízo líquido de 921 milhões de dólares, ou 57 centavos por ação, em comparação com um lucro de 1,14 bilhão de dólares, ou 68 centavos por ação, um ano antes.

A empresa registrou um encargo único de 2 bilhões de dólares no trimestre reportado, relacionado à lei tributária americana recentemente aprovada. Excluindo a cobrança, a empresa ganhou 68 centavos por ação e a receita subiu 6,5% para 8,98 bilhões de dólares. Os analistas esperavam um lucro ajustado de 53 centavos de dólar por ação e uma receita de 8,85 bilhões de dólares, de acordo com a Thomson Reuters I/B/E/S.

Os resultados encerraram uma semana turbulenta para a Nike, que teve a saída de dois de seus principais executivos por má conduta. O presidente da marca Nike, Trevor Edwards, renunciou e foi seguido por Jayme Edwards, vice-presidente de categorias globais, que também deixou a empresa. "Houve uma conduta inconsistente com os princípios da Nike e estamos tomando as medidas apropriadas", declarou um porta-voz da marca. A empresa não abordou esse assunto no comunicado dos resultados. 

Na quinta-feira (22), também foi informado que o investidor William Ackman vendeu sua pequena participação na empresa sediada em Portland, Oregon, nos Estados Unidos. O fundo  do investidor bilionário, Pershing Square Capital Management, teve um lucro de cerca de 100 milhões de dólares quando retirou sua participação de 0,71% na empresa de roupas esportivas, disse na quinta-feira uma fonte com conhecimento sobre o assunto.

Dois meses atrás, o investidor ativista disse à clientes que a Pershing Square adquiriu participação passiva na Nike no final de 2017, quando as ações estavam sendo negociadas a 53 dólares e que a aposta já havia rendido um ganho de 30%. A Nike não comentou sobre a venda da participação em seu release de resultados.

Reportagem adicional de Benjamin Fitzgerald

Traduzido por Novello Dariella

© Thomson Reuters 2018 All rights reserved.

Moda - CalçadosEsporteNegócios
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER