Nike afirma as suas ambições no esporte feminino com um grande espetáculo

Som e luz, um lugar importante, a presença da imprensa internacional e dos astros do futebol: com um grande espetáculo, a Nike deu o pontapé de partida para o Campeonato do Mundo 2019.


O palco no final do espetáculo da Nike - FNW

Se os homens da equipa francesa foram coroados no ano passado na Rússia, as suas homólogas femininas pretendem lutar pela vitória no Mundial feminino que acontece este verão em França, de 7 de junho a 7 de julho.
 
Por enquanto, as vendas das camisolas e os contratos de patrocínio não são da mesma ordem que os dos homens. Mas, com um desfile forte e ambicioso realizado no recinto do Palais Brongniart a 11 de março, no coração de Paris, a fabricante americana investiu fortemente na apresentação dos equipamentos dos 14 países que veste. Pela primeira vez, a gigante mundial do esporte propôs equipamentos especificamente projetados para as equipas femininas.
 
No espaço central do antigo Palais de la Bourse, um pódio central, circular, encimado por um enorme espelho. Na penumbra, uma música pulsante é gradualmente abafada pelas manifestações dos apoiantes. As galerias laterais banhadas por uma luz laranja apagam-se. E o espetáculo esportivo começa. O discurso é claro: a Nike dirige-se a todas as mulheres. A abordagem é inclusiva, com mulheres de diferentes idades e origens, deficiências ou, correndo o risco de despertar polémicas em França, que usam hijab. A Nike apresentou silhuetas femininas e coloridas, com vestidos na moda, roupas desportivas ou combinações, usando influências de diferentes culturas.

A proposta mudou para o lifestyle, desenhando as suas coleções women e Jordan com uma mistura de peças desportivas e tops ou partes de baixo urbanas, com saias, tops com cortes extra-grandes brincando com o branco, o transparente e um amarelo fluo, mas também cores pastel com tons terrosos, nude ou um jogo de preto e branco. A Nike deu a cada mulher um lugar no pódio rotativo, antes de as jogadoras de cada uma das 14 seleções nacionais, acompanhadas por uma jovem futebolista, entrarem para apresentarem o seu equipamento e fazerem uma pausa no plateau central, elevado a cinco metros do chão para apresentar uma composição gráfica perfeita.


Nike

As camisolas das seleções da Austrália, Brasil, Canadá, Chile, China, Inglaterra, França, Coreia, Holanda, Nova Zelândia, Nigéria, Noruega, África do Sul e Estados Unidos, produzidas em fios feitos de garrafas plásticas recicladas, estiveram, é claro, no centro desta apresentação. "Esperamos que este evento continue a inspirar mais mulheres em todo o mundo a praticar um esporte", disse Sarah Hannah, vice-presidente de marketing global da categoria Women, mas sem dar nenhuma ambição quantificada da vendas de camisolas.
 
Para os equipamentos das jogadoras, a Nike repensou a construção da camisolas e dos calções, trabalhados nos laboratórios de criação do grupo, o Nike Science Lab, e também imaginou novos estampados e detalhes.

Prova do interesse do grupo americano: Mark Parker, o grande chefe, esteve presente no espetáculo. Uma implicação notável, depois de o grupo ter sido atingido, no ano passado, por um escândalo de assédio que afetou muitos dos seus executivos. A limpeza parece ter sido feita e a marca apresentou um anúncio publicitário muito forte sobre o sucesso e a abnegação dos desportistas. Porque, mais do que uma paixão pelo futebol feminino ou uma comunicação sobre a imagem da empresa, é a totalidade da oferta feminina que a Nike quer promover.
 
Em 2015, a Nike fez do segmento feminino um verdadeiro impulsionador de crescimento. Na altura, o diretor-geral da gigante mundial do esporte, Mark Parker, anunciou que o grupo pretendia aumentar o seu volume de negócios realizado com o sexo feminino de 5,7 bilhões para 11 bilhões de dólares até 2020.

E, para conseguir isso, a marca do Swoosh quer aumentar o número de praticantes. "A primeira alavanca para nós passa pelas atletas. Damos-lhes destaque porque as meninas precisam de ter modelos que as façam sonhar em participar no esporte", explica Sarah Hannah. "Por isso, estamos presentes junto das jovens e queremos dar a oportunidade a todas as mulheres de terem acesso ao esporte."

E, além da camisa de futebol, a Nike parece ter escolhido um produto sobre o qual construir este propósito: o sutiã. Representantes da marca explicam ter trabalhado em profundidade para propor cerca de 57 sutiãs diferentes, contra 40 um ano antes. E, para o Campeonato do Mundo, o Fenom Flyknit é o modelo que será apresentado. "Este é o nosso item herói da competição, que será usado pelas jogadoras", sublinha a vice-presidente de marketing global de women.

A primeira camisola a não ser uma roupa masculina de tamanho pequeno data "apenas" de meados dos anos 90. Tratava-se de um equipamento de basquetebol. Desde então, a Nike move-se mais rápido nessa direção. Os equipamentos das futebolistas foram repensadas, mas o lifestyle também está envolvido. A marca desenhou os seus primeiros sneakers exclusivamente para mulheres. Os resultados são muito bons, explicam, e outros modelos virão em breve para enriquecer a gama. 

Traduzido por Estela Ataíde

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

EsporteColeção
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER