×
Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
1 de set. de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Neymar e Nike, o fim de uma história de 15 anos

Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
1 de set. de 2020

Ele usava a marca americana desde os 13 anos, antes mesmo de se profissionalizar, mas agora, Neymar se desligou da Nike após quinze anos de de colaboração, um dos maiores contratos de patrocínio da fabricante americana de artigos esportivos.


Neymar, 23 de agosto de 2020 em Lisboa, durante a final da Liga dos Campeões entre PSG e Bayern Munich. - AFP


"Confirmo que Neymar não é mais um atleta Nike", disse Josh Benedek, porta-voz do grupo, em um e-mail à AFP durante a noite de sábado (29), sem fornecer mais detalhes. A mídia afirmou que o atacante do Brasil e do Paris Saint-Germain, de 28 anos, estaria negociando com a rival da Nike, a alemã Puma.

O site brasileiro de notícias UOL argumentou que Neymar e Nike não chegaram a um acordo sobre o valor que o jogador receberia pela renovação de seu contrato. As negociações entre seus agentes e a empresa americana teriam entrado em um impasse há vários meses. De acordo com o jornal Folha de São Paulo, o último contrato assinado por Neymar com a Nike durou onze anos e expirou em 2022, no valor total de 105 milhões de dólares. O camisa 10 da Seleção Brasileira de Futebol continuará vestindo a camisa de sua seleção nacional, ligada à Nike.

A equipe de comunicação de Neymar ainda não respondeu aos pedidos de comentários da AFP e a Puma também não respondeu às perguntas sobre as negociações com o astro.


Marca


A Nike contratou o jogador quando ele tinha apenas 13 anos e ainda não havia feito sua estreia no Santos, o lendário clube do Pelé, no interior de São Paulo. Mas os internautas já comentavam sobre o talento do pré-adolescente, o primeiro exemplo de uma celebridade nascida na era do YouTube.

Neymar, muito além dos campos, onde faz parte do glorioso grupo de brasileiros que vestiram a camisa 10, rapidamente se tornou uma marca, ganhando milhões de dólares e milhões de seguidores nas redes sociais. Sua personalidade é tão fluida quanto seu visual colorido -  roupas e acessórios brilhantes, penteados estudados e muitas tatuagens.

Neymar alimenta seus torcedores como ninguém com suas façanhas no futebol, além de cenas extra-esportivas, imagens de festas e de sua vida particular, principalmente com sua irmã e seu filho ou a ex-namorada, a atriz Bruna Marquezine, passando pelo registro de moda e publicidade.

A revista Forbes, que o classifica como a sétima celebridade mais bem paga do mundo, estima sua receita neste ano será de 95,5 milhões de dólares, incluindo acordos de patrocínio.

Mas a marca Neymar também sofreu alguns contratempos nos últimos anos, como seus problemas fiscais na Espanha, quando jogava pelo FC Barcelona (2013-2017), suas simulações na Copa do Mundo de 2018, que fizeram com que ele fosse ridicularizado pela mídia, e seus repetidos ferimentos no Paris SG, que ofuscaram sua surpreendente transferência no verão europeu de 2017, com um recorde de 222 milhões de euros, e seu nome na Torre Eiffel como um bônus.


Contratempos


Mas também houve acusações de estupro feitas por uma jovem brasileira no ano passado. Na ocasião, a Nike expressou sua "profunda preocupação", antes de assegurar seu apoio ao jogador, quando a polícia brasileira encerrou o processo por falta de provas.

Neymar, que aspirava se tornar o melhor jogador do mundo quando chegou a Paris e assim emergir da sombra do Barcelona de Lionel Messi, teve um papel importante na temporada 2019-2020 e na conquista de grandes títulos nacionais (vitórias no Campeonato da França, Copa da França, Copa da Liga Francesa, e Troféu dos Campeões) e atingiu um nível muito alto na temporada, de acordo com fãs e especialistas de futebol.

Mas dois fatos que o impediram de tirar o máximo proveito da temporada: a pandemia de coronavírus, que afetou a temporada com uma pausa de vários meses, e a perda do título da Liga dos Campeões pelo PSG, que caiu na final para o Bayern de Munique (1-0, o 23 de agosto), após uma partida regular de Neymar.
 

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.