×
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
9 de mai. de 2022
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Natura vive primeiro trimestre complicado

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
9 de mai. de 2022

O grupo brasileiro de beleza Natura &Co, proprietário das marcas Natura, The Body Shop, Aesop e Avon, disse na sexta-feira (6) que seus "resultados do primeiro trimestre foram afetados pela transformação em curso da Avon, o ambiente internacional desafiador e uma base comparável difícil".


The Body Shop - DR

 
No entanto, o grupo “registrou sinais positivos, como a retomada do crescimento da Natura no Brasil, uma nova melhora nos fundamentos da Avon e a continuidade do forte crescimento da Aesop”.

Aesop foi a marca que obteve os melhores resultados: seu lucro líquido aumentou 21,3% em moeda constante (aumento de 9,6% em reais); e todos os mercados registraram crescimento de dois dígitos, liderados pela América do Norte e Ásia-Pacífico. A empresa disse que "registrou um crescimento de vendas consistente acima do das marcas de luxo globais".

No entanto, a margem Ebitda ajustada no primeiro trimestre foi de 21,7%, o que representa uma redução de 500 pontos base em relação ao ano anterior, principalmente devido aos maiores investimentos planejados no espaço digital, nas categorias e áreas geográficas para impulsionar o crescimento sustentável futuro.

The Body Shop teve um desempenho muito mais fraco, com queda de 16% no lucro líquido em moeda constante (-22,9% em reais), "refletindo principalmente a menor renda disponível na Europa e um reequilíbrio esperado do canal, onde a recuperação no varejo foi afetada pela queda no TBS At Home e o e-commerce, depois de bater recordes durante os confinamentos".

A margem Ebitda ajustada da marca no primeiro trimestre foi de 6,4%, o que representa uma queda de 830 pontos base em relação ao primeiro trimestre do ano passado, devido à ausência de auxílios extraordinários do governo em relação à pandemia, o reequilíbrio do mix de canais e a desalavancagem das vendas devido à desaceleração nos principais mercados. No entanto, a margem Ebitda deve se recuperar no segundo semestre.

Como um todo, o grupo registrou lucro líquido consolidado de 8,3 bilhões de reais (1,5 bilhão de euros/1,587 bilhão de dólares), o que representa um decréscimo de 4,6% em moeda constante e de 12,7% em reais. A margem Ebitda ajustada foi de 7,2% (queda de 300 pontos base) devido a uma base comparável muito forte, pois as vendas cresceram 8,1% em moeda constante no primeiro trimestre do ano passado e 25,8% em reais.

O prejuízo líquido foi de 643,1 milhões de reais, muito superior ao do ano anterior, embora o grupo tenha encerrado o trimestre com uma sólida posição de caixa líquido de 4,5 bilhões de reais.

Como mencionado, os resultados de The Body Shop no primeiro trimestre do grupo foram fortemente afetados pelo aumento da inflação que afetou os gastos discricionários nos principais mercados. As pressões de custo na cadeia de suprimentos, os movimentos cambiais desfavoráveis ​​e os primeiros efeitos da guerra na Ucrânia também tiveram um impacto negativo.

A empresa destacou que as decisões estratégicas da Natura &Co relacionadas à transformação da Avon, que incluem a redução do portfólio de produtos e a implantação de um novo modelo comercial, tiveram "alguns indicadores iniciais que já mostram melhorias".

A Natura também afirmou que o aumento das vendas digitais continuou, atingindo 50,8% da receita total, ante 47,7% há um ano e 35% antes da pandemia. Uma tendência impulsionada pelo crescimento contínuo de Natura e Avon.

Se olharmos mais de perto os resultados da Natura e da Avon, vemos que o lucro líquido da Natura&Co na América Latina caiu 2,1% em moeda constante (redução de 8,4% em reais) no primeiro trimestre.

A marca Natura registrou crescimento de 5,3% na América Latina a câmbio constante (redução de 1,9% em reais). O crescimento foi retomado no Brasil (aumento de 3,2% em moeda constante e queda de 3,1% em reais) e a marca Natura "ganhou participação de mercado significativa no trimestre". As vendas de Natura também aumentaram 8% em moeda constante nos mercados latino-americanos hispânicos (contração de 8,7% em reais).

A receita da marca Avon aumentou 11,1% em moeda constante (queda de 16,3% em reais). No Brasil, a receita líquida melhorou sequencialmente a partir do terceiro trimestre de 2021, mas continuou a cair 17%, com vendas de beleza mais limitadas, diminuindo 9,7%. Nos mercados hispânicos, a receita líquida diminuiu 7,9% em moeda constante (queda de 16% em reais).

O lucro líquido de Avon International caiu 10,1% em moeda constante (22,1% em reais), prejudicado pela guerra na Ucrânia, menor renda disponível na Europa devido ao aumento da inflação e menor número de representantes. Isso refletiu uma base like-for-like mais alta no ano passado, quando o canal se beneficiou com os confinamentos e uma otimização deliberada vinculada à implementação do novo modelo de negócios.

Os "fundamentos de negócios da Avon continuaram a melhorar, com produtividade subindo 9,1% e atividade estável" (excluindo Rússia e Ucrânia). A margem Ebitda ajustada do primeiro trimestre foi de 4,4%, um aumento de 0,3 ponto percentual, “uma importante conquista, sustentada por rígida disciplina financeira e economias estruturais derivadas da simplificação do modelo operacional”.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.