×
Por
Reuters
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
3 de jul de 2020
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Naomi Campbell vê Black Lives Matter alterando as indústrias da moda e da beleza

Por
Reuters
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
3 de jul de 2020

Em entrevista à Reuters, a modelo britânica, Naomi Campbell, disse que os protestos contra o racismo irão gerar mudanças as indústrias da moda e da beleza, criando oportunidades de emprego e produtos que atendam um número maior de consumidores.


Naomi Campbell no Festival de Cannes, em 2018 - Foto: Shutterstock - Reuters


O mundo da moda tem sido criticado por sua falta de diversidade, mas algumas empresas já estão fazendo mudanças, uma vez que os protestos contra o racismo sistêmico, provocados pela morte de negros pela polícia nos Estados Unidos, trouxeram à tona questões relacionadas à raça.

Campbell, que durante seus 34 anos de carreira foi a primeira modelo negra a aparecer nas capas de revistas como Vogue e Time, disse acreditar que deve haver mais oportunidades para os negros como designers, estilistas e maquiadores. “Agora o mundo inteiro está na mesma página. As vozes estão sendo ouvidas...e vejo isso com otimismo. Conseguiremos nossa mudança ”, disse ela.

A modelo também disse que as empresas provavelmente expandirão sua gama de cosméticos para atender mais tons de pele. “Nós gastamos muito dinheiro. Somos grandes consumidores ”, disse ela, referindo-se às oportunidades para as empresas.

No início deste mês, a Band-Aid, de propriedade da Johnson & Johnson, anunciou que lançaria uma variedade de curativos para combinar com uma diversos tons de pele.

Naomi Campbell, que há dois anos disse à Reuters que a revista Vogue deveria lançar uma edição africana, também adiantou que “entendeu que a Conde Nast está trabalhando para lançar uma Vogue Africa”. Citando conversas com pessoas que trabalham para a Condé Nast, ela disse que estava sendo "analisado para ser desenvolvido" antes do assassinato de George Floyd pela polícia desencadear protestos em todo o mundo.

A Condé Nast disse que não comenta futuros empreendimentos comerciais, mas trabalha continuamente na expansão de suas marcas globalmente.

© Thomson Reuters 2021 Todos os direitos reservados.