×
891
Fashion Jobs
STUDIO Z
Coordenador de Planejamento Comercial
Efetivo - CLT · FLORIANÓPOLIS
GRUPO MEIA SOLA
Gerente de Marketing
Efetivo - CLT · FORTALEZA
GRUPO BOTICARIO
Executivo de Vendas ii (São Paulo)
Efetivo - CLT · São Paulo
LULITEX COM IMP EXP LTDA
Auxiliar Comercial
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas Pleno - Treinamento e Desenvolvimento
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas - Assistente Social
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - Quem Disse, Berenice?
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
CAMICADO
Supervisor de Vendas e Operação de Loja - Brasília
Efetivo - CLT · Brasília
RENNER
Encarregado de Logistica E-Commerce
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - o Boticário
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
GRUPO BOTICARIO
Product Owner E-Comm
Efetivo - CLT · Curitiba
IBRANDS
Líder de Logística
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Analista Gestão de Riscos Csc pl
Efetivo - CLT · Curitiba
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral
RENNER
Supervisor de Vendas | Rio Verde
Efetivo - CLT · Rio Verde
RENNER
Supervisor de Vendas| Imperial Shopping - Imperatriz ma
Efetivo - CLT · Imperatriz
RENNER
Supervisor de Vendas| Shopping Golden Calhau - São Luís
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| São Luís Shopping
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| Natal Shopping
Efetivo - CLT · Natal
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral

Mundial esvazia lojas e amarela perspectivas para o Varejo de Moda

Por
Europa Press
Publicado em
today 8 de jul de 2014
Tempo de leitura
access_time 3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

São Paulo (Reuters/EP) – Enquanto bares e supermercados comemoram o salto do movimento com a Copa do Mundo, varejistas de moda fecham suas lojas mais cedo nos dias de jogos e veem a permanência do Brasil no torneio esfriar o ímpeto de consumidores já receosos em colocar a mão no bolso.

A avaliação é de representantes e analistas do setor, que lembram que, diante de um cenário macroeconômico mais fraco, essas empresas são especialmente prejudicadas pelo fato de venderem produtos como roupas e sapatos, cuja compra é facilmente adiável – especialmente quando as preocupações se voltam para o que acontece dentro das quatro linhas.

Varejista de moda não veem a hora do término do Mundial. Apreensão se dá pelo fato de todas as atenções estarem voltadas ao torneio de futebol. Foto: DR


Antes mesmo do início da Copa do Mundo, a Cia Hering já havia afirmado enxergar "incertezas" com o evento, enquanto a Lojas Renner disse estar preparada para um menor ritmo de vendas no trimestre em função do número de feriados com a competição.

Membro do Conselho Diretor da Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX), Marciel Costa afirmou que nem o Dia dos Namorados, considerada a terceira melhor data em faturamento para o comércio, passou incólume ao efeito Copa.

"O Dia dos Namorados, uma data forte para o varejo de moda, coincidiu com a abertura da competição, fazendo com que os shoppings ficassem literalmente vazios", disse.

O impacto, segundo Costa, foi estendido por feriados decretados em cidades sede nos dias de jogos e pela série de dispensas antecipadas concedidas por empregadores quando a seleção entrou em campo.

"Em dias de jogos, o movimento de consumidores nos shopping centers fica reduzido a 30% de um dia normal de vendas", afirmou.

A presença do Brasil entre os finalistas do torneio prolongou esse efeito, segundo o presidente do Sindicato dos Lojistas do Comércio de São Paulo, Ruy Nazarian, acrescentando que há um "estado de feriado" mesmo quando não há partidas na agenda.

"O setor de moda está torcendo para a Copa passar", disse. "A expectativa, a ansiedade das pessoas fica direcionada para os jogos. Tudo que se consome é em torno da Copa, que também acontece em um momento não muito favorável economicamente."

De acordo com um investidor do setor, que pediu anonimato, as varejistas de moda devem registrar, em média, uma queda de 20% nas vendas de junho. "Quando você considera os poucos dias 'úteis', o que sobrou para vender foi pouco tempo. Isto somou-se ao mau humor que vinha desde o pós-Carnaval com a economia de um modo geral", disse.

Em junho, o Índice de Confiança do Consumidor caiu 8,3% ante igual período do ano passado, segundo dados da Fundação Getulio Vargas, refletindo a menor disposição do brasileiro para gastar diante da inflação e dos juros altos, que encarecem a tomada de crédito.

Apenas os varejistas ligados ao evento esportivo têm o que comemorar durante o Mundial FIFA 2014. Foto: DR


E as vendas a prazo mantiveram a tendência de baixa vista nos últimos quatro meses e recuaram 2,06% em relação a junho de 2013, segundo indicador do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

"Depois de um desempenho fraco no primeiro trimestre em vendas nas mesmas lojas (que consideram estabelecimentos abertos há pelo menos um ano), esperamos que o segundo trimestre continue devagar devido à menor demanda por produtos discricionários, juros altos, inflação, mais o impacto negativo da Copa do Mundo neste ano", disse o Citi, em relatório sobre o varejo de moda assinado pela analista Renata Coutinho.

Questionadas pela Reuters sobre o impacto efetivo da Copa nas vendas até o momento, as varejistas têxteis de capital aberto Lojas Marisa, Lojas Renner e Cia Hering não quiseram se pronunciar. A Riachuelo não respondeu ao pedido por comentários.

Copyright © 2019 Europa Press. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos aqui apresentados sem o prévio e expresso consentimento.