×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
23 de set. de 2022
Tempo de leitura
7 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Milano Fashion Week: Emporio Armani, Prada, Max Mara e MM6

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
23 de set. de 2022

Quinta-feira (22 de setembro) marcou um dia de desfiles emocionantes em Milão; com romance na Riviera da Max Mara, o minimalismo da Prada, um show com orquestra na MM6, e muitos aplausos na Emporio Armani dirigidos a Giorgio. Parece que a moda italiana acordou de repente e está de volta com boa saúde.

Emporio Armani: reverência do rei



Este desfile da Emporio Armani teve um dos maiores aplausos de todos os tempos. Com os pés trêmulos, mas radiante e determinado, Armani, de 88 anos, saiu para saudar o clamor do público. Em uma temporada marcada pelo falecimento da Rainha Elizabeth II, é impossível não ficar impressionado com a bravura de Armani, o decano da indústria.


Emporio Armani - primavera-verão 2023 - Womenswear - Milão - © PixelFormula


Giorgio é o último homem ainda persiste, visto que todos os seus grandes rivais na moda ou  venderam suas empresas ou as tornaram públicas. Os aplausos de quinta-feira (22) foram tanto para a notável carreira e vida de Armani, quanto para a coleção. Que, embora errática, teve momentos de verdadeira beleza.

Encenada diante de uma parede de LED e de uma passarela em tons suaves de pôr-do-sol, a Emporio abriu com ternos de linho de ombros macios, blazers e jaquetas bikers, boinas e shanters tradicionais escoceses. É difícil entender por que Armani cobriu calças com saias de chiffon e tule, bem como vestidos de boneca de proporções estranhas com cinturas muito altas.

Inicialmente, a paleta era alegremente não-colorida; em massa, cru, off-white e bege desbotado. E, logo quando se sentiu uma sensação de tédio, de repente o desfile mudou de ritmo com alguns casacos macios de inspiração asiática, dhotis e tanks lindamente estampados com flores tropicais, antes de chegar ao clímax com tops de lantejoulas de cristal combinados com calças de pijama de seda.

Preparando o palco para a saudação de 40 segundos de Armani, na qual ele zombou de si mesmo fingindo cambalear, antes de sair graciosamente, embora tocando cuidadosamente o pano de fundo de LED para se equilibrar.

Aplausos estrondosos acompanharam o rei da moda italiana quando ele deixou seu trono: sua passarela da Via Bergognone.


Prada: Pandemônio por fora, calma por dentro



Nenhum show em Milão atrai tantos seguidores quanto o da Prada, onde milhares de adolescentes se aglomeram para cumprimentar seus ídolos, dentro e fora da sede da marca.

Dezenas de seguranças vestidos de preto escoltaram VIPs que, a julgar pelos fãs, incluíam mais estrelas do K-pop do que a realeza do cinema. No entanto, após um momento de caos absoluto, Miuccia Prada e seu parceiro de design, Raf Simons, entregaram um show verdadeiramente polido.


Prada - primavera-verão 2023 - Milão - DR


O desfile de moda Prada desta estação foi ambientado em frente às paredes imponentes feitas de papel preto com janelas perfuradas, oferecendo vista para o pôr-do-sol, cortesia do diretor dinamarquês Nicolas Winding Refn, cujo filme mais famoso é o "Drive", que conta com o ator canadense Ryan Gosling como protagonista. Mesmo as portas dos quatro diferentes espaços de exposição foram feitas de papel recortado e perfurado.

Um conjunto devidamente austero para um desfile que abriu com meia dúzia de ternos monocromáticos. Este é o minimalismo "by" Prada: trench coats em nylon cinza com leggings de algodão cinza-claro e camisas masculinas. A paleta de cores foi surpreendentemente controlada: pérola, massa, cinza e azul-petróleo.
 
A ideia mais ousada foi um macacão novo, ainda que coberto com uma camisa de alfaiataria e complementado com leggings. 

Para a noite, a proposta foi uma série de vestidos de seda estampados que lembram Rothko e vestidos de festa com comprimento logo abaixo do joelho. E se o tempo esfriar, vários cardigãs muito inteligentes, para serem usados do avesso, com um único botão grande. 

Todo o desfile parecia mostrar apenas um sapato, mas muito bom. Um sapato redondo de salto alto feito em preto chanfrado, limão e laranja suave.

Por outro lado, sua nova bolsa coberta de rosas de pele e feita de couro desgastado deve se tornar um grande sucesso, uma ideia vista também em uma série de vestidos de malha, novamente cobertos com um punhado de rosas de tecido. Embora os momentos chave da coleção tenham sido as saias semitransparentes, e os casacos e vestidos envolventes – nos quais as grandes flores pretas eram muito evidentes.

Talvez já tenhamos assistido a shows mais ousados ​​e arriscados da Prada, mas não se pode deixar de aplaudir a autoridade absoluta destas criações; o genuíno senso de poder e a autoconfiança geral que estas transmitem.

MM6: estrelas de Stravinksy



Uma das marcas que se mostrou em alta em Milão foi a MM6, a linha contemporânea da casa Martin Margiela, que contratou a Orquestra Sinfônica de Milão, composta por 60 músicos, para acompanhar um magnífico desfile realizado no Auditório Fondazione Cariplus

MM6 | Spring Summer 2023 | Full Show


O local era o Largo Gustav Mahler, mas a orquestra abriu com "A Sagração da Primavera", de Stravinsky, uma plataforma perfeita para uma coleção que misturou frisson jovem e conceitualismo peculiar.

A equipe de design entende o DNA de Margiela, desde os tecidos perfurados usados ​​no jeans violeta desbotado, ou nas blusas/vestidos masculinos pretos com corte volumoso, até os blazers brancos alongados.

Também foi vencedora a sensação do inesperado e a justaposição de materiais frequentemente associados à MM6. Use maiôs ou leggings como tops desabotoados, ou virar os suéteres 90 graus para transformá-los em minissaias com zíper. Produzindo jogos visuais muito engenhosos, como a mini bolsa feita com uma sapatilha de balé dobrada.

Também vimos uma sensação de volume artístico. Como em um trench coat oversized de couro preso com um grande cinto de tecido e combinado com leggings de micro malha, terminando em um sapato.

Tudo misturado com ótimas botas/sapatos de nylon, cortesia de uma colaboração com o fabricante de esqui Salomon, que também incluiu vários coletes tecnológicos que serviram como mochilas.

Sob a administração da holding OTB, de Renzo Rosso, a MM6 se tornou uma marca impressionante, já ostentando 29 flagships em todo o mundo, mais da metade delas no Japão. Além disso, a marca é vendida em mais de 500 pontos de venda, desde lojas de departamento a butiques, como o Dover Street Market.

Um sucesso celebrado com este desfile realizado no interior do Auditorium Fondazione Cariplo, elogiado no final por longos aplausos.
 
O Cariplo já foi o maior banco de poupança do mundo, e é bom ver que a instituição economizou parte de seu dinheiro para construir este auditório acusticamente brilhante, com teto de madeira e paredes internas.

Max Mara: deusas em godets



Eileen Gray e Renée Perle, unidas em uma ode à sofisticação da Riviera na impressionante declaração de elegância de Max Mara.


Max Mara - primavera-verão 2023 - Womenswear - Milão - © PixelFormula


O modernismo cerebral de Gray ficou evidente em vestidos perfeitamente cortados e esculpidos, que foram as estrelas da coleção. Muitas vezes referindo-se à lendária villa E 1027 de Eileen localizada em Roquebrune-Cap-Martin, com seu plano simétrico ocasionalmente embelezado com curvas.

Max Mara construiu a reputação de ser o melhor fabricante de casacos da Itália, e é graças à habilidade do diretor criativo Ian Griffiths que agora também é uma referência para grandes vestidos.

Seu material favorito, o linho greggio, sem tingimento, que lembra a estopa e que vimos em magníficas calças de marinheiro evasê com babador na frente; blazers com lapelas oversized; e casacos longos e lânguidos. Embora a grande ideia de Ian tenha sido uma série de vestidos com godê, nos quais o tecido extra, cortado no viés, os fazia ganhar volume com muito capricho.

"Ossie Clark me ensinou tudo o que sei sobre o godê. Ele me ensinou todos os meandros de como fazê-lo e a importância de incluir o tecido extra de corte viés", disse Griffiths, referindo-se ao seu ex-tutor de moda. Antes de apontar um esboço de Clark que estava em seu quadro de inspiração nos bastidores. Várias imagens de dias felizes das décadas de 1920 e 1930, quando artistas como F. ​​Scott Fitzgerald, Picasso, Stravinsky; e musas como Perle, amante do fotógrafo Jacques-Henri Lartigue descobriram a Riviera Francesa.

Tudo rematado por magníficos chapéus. Gigantescos chapéus de palha provençais que se retorciam e enrolavam como se estivessem secos ao sol, combinados com plataformas e enormes cestos de palha. Quase dava para sentir o calor de Saint-Jean-Cap-Ferrat.

A Côte d'Azur pode ser famosa por sua fauna e flora robustas, mas quase não foram apresentadas estampas, exceto as de alguns vestidos, com estampa floral abstrata, todos em misturas de cinza, preto e branco. Embora Ian tenha incluído alguns tons de verão como amarelo, off-white e verde, vistos em um trio de casacos de cashmere maravilhosos sobre maiôs. Também vimos vários tons de azul, como o de um macacão desgastado.
 
Não é à toa que ele intitulou a coleção "The Blue Horizon", um conjunto de moda elegante e fresco que chega em um momento em que tantos outros designers parecem estar se esforçando demais.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.