×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
22 de set. de 2022
Tempo de leitura
5 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Milano Fashion Week abre com Fendi, Cavalli e Del Core

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
22 de set. de 2022

A Milano Fashion Week abriu o seu primeiro dia completo de desfiles na quarta-feira (21 de setembro) com poderosas apresentações de Fendi, Cavalli e Del Core. Um dia de abertura onde o bodycon travou um duelo com uma grandeza arrojada e moderna.

Fendi: de volta à virada do século



É preciso entregar os louros a Kim Jones, que em apenas algumas curtas temporadas, estabeleceu um estilo muito claro e moderno para a Fendi, e um senso de coordenação de cores altamente viável.


Fendi - primavera-verão 2023 - Womenswear - Milão - © PixelFormula


Além disso, Kim Jones consegue ser altamente respeitoso com o DNA da Fendi; faz repetições do passado mesmo quando caminha com a marca para a frente. Nesta temporada, referenciou triunfantemente os arquivos da própria maison, nomeadamente jogando com roupas que tinha visto Delfina Delettrez Fendi usar.

"Basicamente, o ponto de partida foi olhar para coleções de 1996 a 2004. É o que Delfina tem usado muito. A roupa antiga da mãe Silvia, tirada do seu guarda-roupa. Parece bom, é fresco e moderno, e é disso que eu gosto", sorriu Jones nos bastidores de um palco cheio.

A sensacional alfaiataria de Jones também ajuda. Ternos impecáveis, cortados do avesso, com lapelas alongadas e feitos à medida em lã cinza fina. Casacos desconstruídos com tiras de cetim, e vários casacos de cetim acabados na parte de trás com cintos Obi com logotipo.

Para noites mais quentes, estilizou modelos de vestidos de crepe tubular adequadamente românticos terminados com listras diagonais estampadas em logo-impressão e hera de tecido bordado. 

A Fendi encenou o seu desfile no seio do seu espaço de exposição de Milão na Via Solari. O pano de fundo foi um andaime construtivista em cal, rosa bombom e azul petróleo. De fato, vimos vários ternos em versões desta última cor: saias de seda a meia perna com tops semitransparentes; sandálias de cunha com guarnições de marta, minis com bolsos cargo e suéteres de caxemira.

O que também foi instrutivo é como Jones está à vontade, referindo-se ao seu antecessor Karl Lagerfeld, mesmo quando dá à Fendi um pontapé muito mais comercial. Tudo usado com muita facilidade pelo melhor casting até agora na temporada de desfiles internacionais. Tudo completado com o cabelo como que de recém-acordadas e batom cor malva.

Embora a paleta de cores tenha esquentado à medida que o desfile avançava. 

"A paleta de cores da Fendi é normalmente bastante natural, e relaciono-o com a família Fendi. Por isso, quis acrescentar brilho e misturá-lo; por isso existem três tons em cada look; por isso harmonizam-se em conjunto", explicou Jones.

De certa forma, foi como uma extensão do que Kim Jones tentou na coleção de moda para o outono-inverno em fevereiro e mesmo na coleção de Alta Costura, em junho. Mas, neste caso, a coleção era muito mais forte.

Jones tem uma grande capacidade de acrescentar muito a um look sem o sobrecarregar. Vimos pelo menos uma dúzia de jovens com duas bolsas, desde bolsas pesadas a pequenas, em crocodilo e clutches com logotipos. Mas deu a impressão de um estilo inteligente.

O que foi mais marcante: a paleta de cores pop, que vimos em todo o lado, em botas de cunha verde lima, correntes de mala de mão, clutches de marta e bolsa de cocktail com encaixes de marta.

Cavalli: grandes felinos em Malibu



Fausto Puglisi produziu moda de fusão com uma mistura ousada de grande glamour de Hollywood, ares régios, peças de vestuário justas e estampas de felinos com a assinatura da Cavalli.


Roberto Cavalli - primavera-verão 2023 - Milão - Roberto Cavalli


Quando a receita funcionou, deu lugar a combinações novas e notáveis, como se o designer das grandes deusas do ecrã, Gilbert Adrian, tivesse encontrado o espírito de Roberto Cavalli. No entanto, este era um Adrian sonhador, que parecia ter fumado algo forte, embora lavado com uns copos de clarinete caros, antes de começar a esboçar e a drapear.

O que mais se destacou foram os vestidos de cocktail em forma de leque com drapeado diabolicamente perfeito; as versões mais ousadas da sociedade de Los Angeles dos anos 30. Ou os casacos moiré a preto e branco com forro de pele de leopardo combinados com flats de estampa de tigre. Uma cruz entre a Sicília e Santa Monica, com uma pitada de Charles James.

Fausto Puglisi também criou algumas saias muito plissadas e bastante arriscadas, e combinou-as com shorts e sutiã em couro. Mas a jovem Cavalli será sempre uma roqueira de coração, corajosa e atrevida o suficiente para aparecer numa peça mini de chita combinada com um soutien de couro branco patenteado, mangas de seda tufada e botas de pirata

Nas notas do programa, Puglisi falou da influência de Hitchcock e do seu assombroso film noir, embora nos bastidores parecesse mais preocupado com as próximas eleições parlamentares italianas, favorecendo a marca de fogo da jornalista e política italiana de extrema-direita, Giorgia Meloni, que apela ao repatriamento forçado de imigrantes e proíbe a adoção de pais homossexuais. Uma posição que não é propriamente popular na comunidade da moda. Ou, pensando bem, em quase nenhuma comunidade.

"Estou cheio de medo destas eleições. Há muita coisa em jogo. É tudo violência, é tudo feitiçaria. Fez-me pensar na Marnie de Hitchcock e lembrou-me dos meus primeiros anos em Nova York, quando conheci Joyce Ma e me falou de Tony Duquette, que se tornou a minha primeira obsessão artística", explicou Fausto após o desfile.

Duquette, o artista americano famoso pelo seu estilo neorrenascentista de Hollywood e decorador por excelência, ficou conhecido por reciclar plantas, cenários e objetos na sua casa única de Los Angeles. Algo como Puglisi e a sua reciclagem de conceitos, embora com novos materiais de moiré e seda, para chocar com uma certa magnificência a esta forma de mash-up.
 

Del Core: alta costura alia-se ao bodycon



A Del Core apresentou uma coleção eclética, mas muito convincente; tão próxima da alta costura como vimos nas temporadas femininas em Milão.


Del Core - primavera-verão 2023 - Milão - Del Core


Uma coleção cheia de contrastes que começa com ternos em jacquard florais cortados com precisão e termina com um par de vestidos de noite deslumbrantes em crochê vermelho; crepe de chiffon ou lantejoulas douradas cortadas em viés, sendo esta última com contas brancas e miçangas.

"Eu estava pensando em emergir no oceano. Gosto muito dessa ideia. Também algo mais fluido, mais fácil, mais leve e explorando uma mulher diversificada", disse o designer Daniel del Core, acrescentando que o look lantejoulado foi concebido para dar a ideia de estar coberto de coral.

A meio do desfile, vimos algumas propostas muito ousadas de ajuste apertado; desde malhas de corpo inteiras cortadas a todo o comprimento, até ternos com calças tipo lápis ou várias calças fabulosas de malha ponto aberto.

"Gosto muito de Helmut Newton e foi por aí que comecei. Uma simplicidade na coleção, com grande nitidez, mas com cores selvagens", sorriu Del Core.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.