×
Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
13 de jan. de 2022
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Meta-works: universo online se torna laboratório para produtos da vida real

Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
13 de jan. de 2022

Plataformas online precursoras da visão metaverso para o futuro da internet já estão servindo como laboratórios para desenvolver produtos destinados à venda na vida real.

De tênis desenhados no mundo virtual, mas produzidos no real, à designers que visualizam roupas em avatares antes de produzi-las, a barreira entre o digital e o tangível está diminuindo.


O designer francês de alta costura, Julien Fournie, está entre aqueles que veem o universo online como um laboratório para produtos que podem ser fabricados no mundo real - AFP


"Na vida real, é extremamente caro fazer qualquer produto", diz o estilista francês Julien Fournie, que administra sua marca homônima. O online é "um lugar onde é possível testar algo virtualmente e recriar uma conexão extremamente precisa com a experiência da vida real", acrescenta.

O desejo por bens virtuais ocorre em meio a previsões de que o metaverso - uma versão de realidade virtual da internet - acabará substituindo a web de hoje. Nos últimos meses, um número crescente de marcas tem tentado marcar presença em plataformas que estão em alta, como Roblox e Fortnite, por medo de perder uma grande transformação tecnológica e social.

A forma como os usuários interagem com os produtos online - o que eles procuram e o que ignoram - oferece uma oportunidade de risco relativamente baixo e baixo custo para as empresas desenvolverem produtos. Isso faz parte de uma tendência subjacente de explorar dados coletados online "para desenvolver melhores coleções e fazer melhores previsões", diz Achim Berg, sócio da consultoria McKinsey & Company.

A pandemia de coronavírus ajudou a diminuir a distância entre o virtual e o real, levando muitos designers a criar em três dimensões, na falta de poder se encontrar fisicamente, acrescenta o consultor.


Oportunidade para jovens designers



No final de fevereiro de 2021, o estúdio RTFKT, juntamente com o artista de Seattle FEWOCiOUS, lançaram uma edição limitada de 621 pares de tênis virtuais por meio de NFT – itens digitais que podem ser comprados e vendidos usando a tecnologia blockchain. Um aspecto da operação era combinar cada par digital vendido naquele dia com sapatos tangíveis, que cada comprador poderia adquirir seis semanas depois.

"Acreditamos que o vínculo emocional com objetos físicos ainda é importante e pode aumentar o apego" aos produtos digitais, disse ao The Wall Street Journal Benoit Pagotto, um dos fundadores do RTFKT, que foi adquirido pela gigante Nike em dezembro do ano passado.

O aplicativo Aglet, que mistura tênis virtuais e de realidade aumentada, criou seus calçados Telga, assim como grandes nomes como Adidas e Reebok. Agora planeja fabricar tênis de verdade, de acordo com o CEO da empresa, Ryan David Mullins, que observa que o primeiro lote de 500 pares já foi vendido antes mesmo do início da produção.

"Uma vez que você pode quantificar a demanda nessas plataformas, fica muito mais fácil construir o canal no mundo físico para fabricação", diz Mullins. A empresa está começando a trabalhar com designers mais jovens, para quem o custo de entrada para construir sua própria marca física pode ser um pouco alto demais. "Mas começar a criar virtualmente é muito mais fácil", diz.

Outra variação do crescimento online é a plataforma de moda de luxo Farfetch, que lançou em agosto do ano passado uma fórmula que permite que as pessoas façam a pré-encomenda de itens Balenciaga, Off-White ou Dolce & Gabbana que são apenas digitais.

O site colaborou com o estúdio DressX, que cria roupas virtuais, para obter a renderização o mais convincente possível. As peças são então fabricadas na oficina apenas de acordo com as pré-encomendas, uma configuração que é especialmente atrativa para marcas de alta qualidade e não para gigantes do vestuário. Essa maneira de trabalhar também pode ajudar a evitar a superprodução e mercadorias não vendidas, que se tornaram uma preocupação pelos custos ambientais associados.

Nem todos, porém, estão convencidos da visão de tornar o digital em tangível. "Peças digitais podem ser usadas, coletadas e comercializadas no metaverso, então não há necessidade de contrapartes físicas", diz a marca de moda virtual, The Fabricant.

A empresa holandesa ainda vê a permeabilidade entre os dois mundos como algo bom quando as pessoas optam por "trazer a estética do mundo virtual para suas vidas físicas". "No fim, trata-se de conveniência", diz Berg, o consultor. "Se é desejável naquele espaço (virtual), por que não seria desejável em outro espaço?".

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.