×
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
18 de mar. de 2022
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

McQueen retorna a Nova York

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
18 de mar. de 2022

Sarah Burton quebrou a tradição na noite de terça-feira (15), ao apresentar a sua coleção de outono 2022 para Alexander McQueen em um desfile no Empire State de Nova York.


Alexander McQueen outono-inverno 2022 - Alexander McQueen


"Nova York é emocionante, criativa, rápida. Eu queria ter um ritmo, energia e precisão na alfaiataria e na coloração para ter uma vibração e senso de caráter de propósito com uma enorme personalidade", disse Sarah Burton nos bastidores após o desfile, observando que a Big Apple influenciou sua coleção.

No entanto, ao entrar em seu set no Agger Fish Building, no Brooklyn Navy Yard, os montes de micélio e cobertura vegetal empilhados com mais de 4 metros podem ter sugerido outra realidade: uma abordagem mais crunchy para a coleção. Embora ela tenha concordado, os fungos certamente são tópicos na era da microdosagem; a flora simboliza a conectividade com a comunidade da mesma forma que as árvores são uma comunidade solidária e interativa.

Nesse contexto, Burton se baseou nos temas da mulher McQueen, dando-lhe um toque nova-iorquino único. “Esses vestidos são personagens individuais; da maneira como temos personagens da família McQueen. É como se pudessem existir em Nova York ou em qualquer cidade”, explicou ela.

Para esse fim, o desfile atingiu a nota de tropos aparentemente de Nova York, pelo menos as ideias de McQueen que se espalharam no centro de Nova York nos anos 80. Roupas de couro estilo motociclista, imaginadas na forma de um macacão sem alças ou uma jaqueta peplum de cintura fina, por exemplo. Ou um top de couro tomara-que-caia e um vestido de corte preciso com uma saia maxi.

Vestidos de seda com bustiers exclusivos e muitos babados e saias mais volumosas, que lembravam quando Madonna e Cyndi Lauper reinavam na cidade. Um na cor prata parecia sugerir os dias de fábrica de Andy Warhol; uma malha multicolorida com franjas e bordados tinha uma vibe punk; uma estampa de grafite que, quando combinada com zíperes, dava um ar de Stephen Sprouse, mas feita a partir de uma foto de estúdio.


outono-inverno 2022 - Alexander McQueen


"Foi uma homenagem ao vestido que Shalom Harlow usou no desfile de '13", explicou Burton, referindo-se ao vestido branco que foi pintado com spray por robôs naquele show seminal. "Era uma sombra de uma pessoa se movendo no estúdio então abstraída. Foi feito da mesma forma que as rendas lacadas [vestidos] lembravam as primeiras coleções de Lee. Esses personagens, o antigo e o novo, coexistem juntos."

A vibração da cidade veio através da alfaiataria de precisão, que também soa fiel àquela década impulsionada por Wall Street; cortes e fendas engenhosas e ternos de ombro marcados à la David Byrne lembravam aquela era do poder. As cores amarelo ácido, verde, vermelho brilhante, laranja e azul também exemplificaram o frisson da cidade.

"A paleta de cores veio de olhar para uma foto de cogumelos de micélio - que são muito atuais no momento, obviamente - mas o que eu realmente amo é como as árvores conversam entre si e curam como uma comunidade criativa e trabalham juntas ao mesmo tempo", continuou acrescentando que as cores foram encontradas na natureza.


outono-inverno 2022 - Alexander McQueen


Por mais centrada na cidade que essa coleção tenha sido, o mundo natural não está longe da obra de Burton. Ela observa que 85% das lãs britânicas são sustentáveis e recicladas. Até agora, a marca ainda está usando couro animal, mas disse que está experimentando cogumelos e outros couros sustentáveis. Seguindo o ethos da controladora Kering. Ela ressaltou que a cobertura foi feita a partir de árvores caídas, e os montículos seriam doados para fazendas e projetos de arte.

No entanto, os críticos adoram apontar que realizar viagens para assistir a desfiles não é sustentável. A convicção de Burton de se apresentar em Nova York se deu pelo forte vínculo que ela e a marca têm com a capital da moda dos Estados Unidos.

"Nova York e os Estados Unidos são uma grande parte de McQueen e têm nos apoiado muito. Mostramos aqui Dante (1996), Eye (1999) e Savage Beauty (2011). Faz parte da nossa comunidade criativa; sempre amei as pessoas de Nova York, então é ótimo vir aqui e honrar isso.

A cidade também possui uma infinidade de clientes fiéis. Muitos usaram os vestidos bustiers para a festa pós-show no Boom Boom Room do Standard Hotel. Ver clientes americanos e apresentar a coleção para que tivessem uma experiência foi outro motivo pelo qual Burton decidiu realizar o desfile em Nova York.

A estilista esperava ter sua própria experiência antes de voltar para Londres, um pedido simples, na verdade. Ela esperava conseguir sair para passear.

"A luz em Nova York é limpa e nítida como em nenhum outro lugar. Eu gostaria de ver a luz. Ela é linda aqui."

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.