×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
27 de set. de 2021
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Marni oferece a Milão um grande momento de moda e comunhão

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
27 de set. de 2021

Estar unidos, todos juntos, no mesmo impulso criativo. Este é o projeto louco que Francesco Risso conseguiu realizar na Milano Fashion Week de sábado (25 de setembro) com um desfile memorável, oferecendo a Milão um grande momento de emoção, comunhão e acima de tudo de moda. Para este regresso físico à passarela, o diretor artístico da marca italiana de luxo fundada em 1994 quis quebrar os códigos e eliminar as barreiras, vestindo todos com Marni... Uma aposta de sucesso!


Look para o próximo verão - Marni



Além dos modelos, colaboradores da maison, técnicos e costureiras, mas também os artistas que participaram do desfile, e ainda os convidados especiais, estrelas e amigos da marca, sem esquecer os jornalistas, todos usavam casacos, calças ou sobretudos de algodão, recuperados dos estoques da Marni e cada um repintado à mão com grandes riscas verticais coloridas. Cada peça ostentando uma grande etiqueta bordada a vermelho com a inscrição "Marniphermalia".

O rosto de cada convidado estava também meio coberto por um lenço com riscas, para esconder a máscara sanitária e sobretudo para imitar todas as pessoas presentes, integrando-se assim em uma única e mesma comunidade. A fim de montar esta enorme máquina, os quase 500 convidados-participantes foram convidados alguns dias antes do desfile para a sala de exposições do grupo OTB para uma sessão de adaptação.

No sábado à noite, todos se encontraram num teatro circular construído com tábuas de madeira, como uma jangada improvisada. A passarela nada mais era do que o caminho em espiral que conduzia os modelos num círculo contínuo ao longo das arquibancadas de baixo para cima, no meio de espectadores vestidos de riscas tal como eles. Os músicos com os seus instrumentos na mão foram os primeiros a descer das bancadas e a tomar os seus lugares na arena, seguidos pelos coralistas, que ficaram no meio da audiência em vários pontos da sala.


O estilista Francesco Risso - Marni


Este movimento circular continuou naturalmente com a entrada dos modelos, integrados num elenco muito diversificado de mulheres e homens de todas as idades, tamanhos e origens. Todos caminharam para cima e para baixo na passarela central e depois para trás e para a frente sem parar. Entre eles, desfilava Francesco Risso camuflado, incógnito, envolto numa espécie de mantilha enorme com tiras finas e felpuda arrastando pelo chão, que pisava com os pés descalços. Alguns rostos conhecidas também foram vistos, como o rapper italiano Ghali, de ascendência tunisiana.

O designer escolheu dois temas principais para esta coleção "renascentista" dedicada à primavera-verão 2022: "riscas que se multiplicam por todo o lado, dão sentido, ligam" e margaridas, que "surgem de uma forma resiliente para desligar e voltar a ligar". Por isso, havia muitas grandes riscas pop e gráficas, em ternos de dois tons a preto e branco, mas também amarelo, azul, branco, vermelho, etc. Estas riscas bicolores foram encontradas, em particular, em construções em espiral, como se o tecido estivesse enrolado em volta do corpo em um vestido apertado ou, pelo contrário, desenrolado.

Francesco Risso reinterpreta o casaco do marinheiro, transformado numa grande túnica-poncho azul e branco a partir de grandes tiras de tecido de riscas costuradas juntas. As margaridas recordam também a iconografia divertida dos anos 70, num espírito que é ao mesmo tempo de "paz e amor" e havaiano. São exibidos em roupas em formato gigante, ou em pequenos padrões brancos dispersos em calças ou corpos desnudos com maiôs.

Também são montados um a um, em cores diferentes, para formar saias ou minivestidos. Uma margarida maxi branca é aplicada na frente de um fato pijama de seda em riscas laranjas douradas e de marinha. Os sapatos são o acessório mais desejável da estação. São todos tecidos e pintados (meias inclusive), reproduzindo a identidade dos modelos clássicos das grandes marcas, desde mocassins com correntes à tênis de lona preta com laços brancos.


Explosão de alegria e emoção no fim do desfile - Marni


Alguns momentos de pura emoção pontuam a performance dirigida por Francesco Risso (diretor criativo da Marni desde 2016) e Babak Radboy (artista e designer de Nova York, diretor criativo da suntuosa revista de arte Bidoun, centrada no Médio Oriente, e da marca Telfar). Tais como quando o poeta performer californiano Mykki Blanco leva o microfone para recitar um dos seus textos, ou quando a cantora afroamericana Zsela canta uma melancolia, quase uma canção espiritual, do compositor afro-inglês Dev Hynes radicado em Nova York, que prepara a música para o show, acompanhado pelas vozes quentes dos membros do coro espalhados pela sala.

Uma última volta ao palco e os aplausos são esmagadores. Modelos e público aplaudem em uníssono e reúnem-se no centro do palco para se abraçar e se beijar. A emoção é palpável. Não queremos que isto acabe. O público fica nas bancadas, ainda assustado e abalado com o que acabou de experimentar.

Após um ano e meio de pandemia, esta experiência coletiva, em que todos puderam participar no projeto, dá um novo significado à moda. Embora a maioria das maisons tenham retomado o habitual desfile de moda como se nada tivesse acontecido, Francesco Risso parece ser o único a ter mudado a sua abordagem e a propor uma nova forma de pensar.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.