×
1 053
Fashion Jobs
GRUPO BOTICARIO
Pessoa Coordenador(a) de Compras de Eventos
Efetivo · São José dos Pinhais
RENNER
Product Owner (po) - Omnichannel
Efetivo · São Paulo
FARFETCH
Product Manager (Ecommerce Experience) - Farfetch Platform Solutions
Efetivo · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Especialista ii Treinamento Comercial Venda Direta - Franschising
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Pessoa Compradora de Projetos Júnior - Híbrida - PR
Efetivo · São José dos Pinhais
GRUPO BOTICARIO
Especialista i - Inteligência Comercial
Efetivo · São Paulo
MARISOL
Analista de CRM - São Paulo
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Gerente sr Comercial Lojas Boti (Nordeste)
Efetivo · Brasília
RENNER
Content & Performance Manager
Efetivo · São Paulo
VIVARA
Analista de Compliance Senior
Efetivo · São Paulo
MARISOL
Analista de CRM
Efetivo · Jaraguá do Sul
VIVARA
Analista de CRM sr
Efetivo · São Paulo
RENNER
Product Owner (po) | Marketplace – Onboarding de Sellers
Efetivo · São Paulo
RENNER
Product Owner (po) | Marketplace - Atendimento e Pós-Vendas
Efetivo · São Paulo
PUMA
Retail District Manager
Efetivo · São Paulo
RENNER
Coordenador de CRM
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Pessoa Consultora de Vendas - o Boticário (Zona Oeste)
Efetivo · Rio de Janeiro
GRUPO BOTICARIO
Analista ii - Supply Chain - Camaçari
Efetivo · Camaçari
GRUPO BOTICARIO
Analista de Planejamento e Demanda i
Efetivo · Curitiba
GRUPO BOTICARIO
Analista de Embalagem Iii
Efetivo · São José dos Pinhais
GRUPO BOTICARIO
Especialista i - Inteligência e Performance em Suprimentos
Efetivo · São José dos Pinhais
GRUPO BOTICARIO
Analista de Embalagem ii
Efetivo · São Paulo
Por
AFP
Publicado em
9 de nov. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

LVMH vai poder instalar seu centro de pesquisa próximo ao Polytechnique em Saclay

Por
AFP
Publicado em
9 de nov. de 2022

O grupo de luxo LVMH vai poder instalar seu novo centro de pesquisa no planalto de Saclay (Essonne), perto da escola de engenharia Polytechnique, apesar dos protestos de vários estudantes.


O parque de inovação e pesquisa, estabelecido em terras pertencentes ao estabelecimento de desenvolvimento público Paris-Saclay. - Site de Polytechnique


O conselho de administração da Polytechnique validou por 19 votos a favor, 4 contra e uma abstenção a venda de terrenos perto da sua escola à LVMH.

O projeto, denominado LVMH Gaia, vai reunir 300 pesquisadores numa área de 22.500 metros quadrados, segundo a LVMH, que pretende investir mais de 100 milhões de euros no futuro edifício.

O centro de pesquisa dedicado ao "luxo sustentável e digital" do grupo de Bernard Arnault, que é ex-estudante da universidade, prevê investir 2 milhões de euros por ano durante cinco anos em parcerias de pesquisa com a Polytechnique, apelidada de X.

O terreno, localizado dentro do parque de inovação do Institut Polytechnique de Paris (que reúne cinco escolas, incluindo a Ecole Polytechnique), pertence ao estabelecimento público de desenvolvimento de Paris-Saclay (EPAPS). Sendo o lote escolhido pela LVMH próximo à escola de engenharia, esta última tinha veto até 2025.

Desde o seu anúncio oficial há alguns meses, vários alunos e ex-alunos da Polytechnique manifestaram a sua oposição ao projeto, em particular através de um coletivo chamado "Polytechnique não está à venda!". Este último pede que o edifício da LVMH seja construído fora do campus e que o terreno na zona nordeste do campus, incluindo o cobiçado pela LVMH, seja realocado para uso do Institut Polytechnique de Paris.

Uma coluna publicada no jornal Le Monde no início de setembro assinada por 73 ex-alunos evocava um "projeto deletério", que "trabalha em problemas técnicos muito distantes dos temas de pesquisa da escola: substituição de plásticos por alternativas mais ecológicas em embalagens de perfumes, desenvolvimento de algoritmos de recomendação que mais performantes para aumentar a quantidade de produtos vendidos, etc".

"Este não é o fim da mobilização"



Os signatários acusaram o grupo de Bernard Arnault de querer "cimentar a respeitabilidade artificial na questão ambiental e garantir acesso privilegiado aos alunos no campus, enquanto os benefícios para a escola seriam mínimos, tanto financeiramente quanto cientificamente".

Matthieu Lequesne, porta-voz de "Polytechnique não está à venda!", estima para a AFP que quatro votos contra e uma abstenção em um conselho de administração "que sempre vota por unanimidade" é um forte sinal de "oposição". "A última vez que houve tanta oposição foi em 2016", disse ele. "Não é o fim da mobilização", assegura, "a maioria dos usuários do campus são contra este projeto".

Nada certifica, no entanto, que a LVMH irá adquirir o terreno, segundo o porta-voz do coletivo. O diretor de estratégia do grupo de luxo, Jean Baptiste Voisin, deixou em dúvida nesta segunda-feira em Les Echos.

Se a diretoria da Polytechnique não se opuser à compra do terreno pela LVMH, "teremos a oportunidade de comprá-lo, mas não é certo que o faremos. É apenas uma opção de localização entre muitas outras na região parisiense, e estamos estudando todos elas", declarou o Sr. Voisin, também secretário-geral da associação de ex-alunos da Polytechnique. O projeto é "completamente transponível", segundo ele, "você leva de helicóptero, deixa onde quiser".

Em janeiro, o grupo TotalEnergies havia desistido de instalar seu novo centro de Pesquisa e Desenvolvimento em um terreno também localizado próximo à École Polytechnique após a mobilização de professores e alunos contrários ao projeto.

Por Katell PRIGENT
Paris, 8 de novembro de 2022 (AFP)

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.