×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
15 de abr. de 2022
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

LVMH: quais as perspectivas na China para a moda e artigos de couro?

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
15 de abr. de 2022

Afetada por um forte ressurgimento dos casos de COVID-19, a China está a ser observada de perto por observadores de luxo neste primeiro trimestre. O país representa o segundo mercado mais importante para a LVMH logo após os Estados Unidos. Com as suas várias cidades confinadas, incluindo a área metropolitana de Xangai e os seus 25 milhões de habitantes, a situação na região tem tido um impacto de facto nas vendas locais do grupo francês. Os gestores do grupo estão, no entanto, confiantes.


Foto de Xangai divulgada pela Louis Vuitton durante seu desfile em novembro - louisvuitton.com

 
A divisão de flagships da gigante de luxo registrou vendas no primeiro trimestre de 9,12 bilhões de euros, um aumento de 35% (+30% de crescimento orgânico) em comparação com o primeiro trimestre de 2022, impulsionado pela Louis Vuitton e Dior. De um ponto de vista geográfico, a empresa registrou um aumento de 8% na Ásia, excluindo o Japão (+30% no Japão) durante os primeiros três meses do ano. Quanto à divisão "moda e marroquinaria", a tendência é ligeiramente superior a 10%, como sugeriu o CFO Jean-Jacques Guiony durante uma videoconferência com analistas, com a Europa em cerca de +50% e os Estados Unidos em +30%, reconhecendo que houve "um impacto no negócio".
 
"A situação na China está mudando muito rapidamente. O que é verdade hoje pode não ser amanhã. Estamos obviamente sujeitos a confinamentos em algumas cidades, incluindo Xangai e, em menor escala, Shenzhen. Embora algumas cidades não estejam confinadas, o tráfego está em baixo porque as pessoas viajam e movimentam-se menos do que o habitual. É claro que isto teve algum impacto, um impacto bastante recente que não se vê nos números", observa, lembrando-nos ao mesmo tempo que isso não é novidade.

O grupo de luxo já foi confrontado com este tipo de confinamento na China há dois anos. Mas a situação não é tão dramática como era na altura. "As autoridades chinesas demonstraram a sua capacidade de tomar medidas muito fortes e extensivas para conter a pandemia num prazo muito curto. No caso de Xangai, parece que a contenção foi relaxada muito rapidamente", continua, apontando para outra lição chave da experiência de 2020.
 
"Apesar do impacto a curto prazo, a contenção não amorteceu a força da procura. Uma vez resolvidas as contingências, vemos os consumidores voltarem às lojas como faziam antes. Podemos ser afetados a curto prazo, mas não temos preocupações quanto às consequências desta situação a médio e longo prazo. Estamos razoavelmente confiantes", acrescenta, apostando numa rápida recuperação do mercado. Deve também notar-se que as maiores vendas das maisons de moda do grupo são partilhadas entre Xangai e Pequim, seguidas por cerca de 20 outras cidades.

China destinada a tornar-se o primeiro mercado mundial para os produtos de luxo



O grupo está decidido a dar continuidade ao seu desenvolvimento na China, destinada a tornar-se o principal mercado mundial de bens de luxo. Está presente no país há 30 anos e pretende permanecer lá por muito tempo. "No que diz respeito às cidades de nível 3 e 4, incluindo as maiores, nem todas têm centros comerciais de luxo que possam acomodar marcas de topo de gama. Portanto, faz mais sentido disponibilizar produtos online, especialmente à medida que os chineses se deslocam de uma cidade para outra. Mas com o tempo, isto vai mudar", explica o diretor financeiro. Atualmente presente em 20 a 25 cidades chinesas de nível 1 e 2 com as lojas emblemáticas das suas maiores marcas, a LVMH pretende expandir-se gradualmente para o território.
 
No entanto, o objetivo não é cobrir todas as principais cidades. "Isso seria inconcebível porque são muitos", sublinha o gestor. Especialmente porque a distribuição online é extremamente importante na China e pode compensar a ausência de lojas físicas. Jean-Jacques Guiony destacou o acordo que acaba de ser assinado entre a Bulgari e a Tmall, a plataforma de topo de gama da gigante chinesa Alibaba que é parceira da luso-britânica Farfetch. "Este será o primeiro verdadeiro shop-in-shop operado e totalmente controlado pela Bulgari, em termos de sortimento, pagamento, e também de dados. Consideramos que este é um grande resultado. Nos permitirá ter uma presença significativa no Tmall, mantendo-se ao mesmo tempo alinhada com os nossos princípios de varejo. Não queremos fazer online o que não fazemos offline".
 
Finalmente, quanto à chamada política de "prosperidade comum", lançada em 2021 pelo presidente chinês, Xi Jinping, para reduzir o fosso entre ricos e pobres e promover uma maior partilha da riqueza, não parece ter qualquer impacto no luxo, e em particular nas maisons da LVMH. Como o CFO nos lembrou, "a maior parte do nosso negócio não é com pessoas muito ricas, mas com clientes ricos". 

"O único impacto que temos tido na China é o que está relacionado com a pandemia", conclui.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.