×
905
Fashion Jobs
CAEDU
Gerente de Grupo Produto - Infantil
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Supervisor de Vendas - Barueri
Efetivo - CLT · Barueri
STUDIO Z
Coordenador de Planejamento Comercial
Efetivo - CLT · FLORIANÓPOLIS
GRUPO MEIA SOLA
Gerente de Marketing
Efetivo - CLT · FORTALEZA
GRUPO BOTICARIO
Executivo de Vendas ii (São Paulo)
Efetivo - CLT · São Paulo
LULITEX COM IMP EXP LTDA
Auxiliar Comercial
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas Pleno - Treinamento e Desenvolvimento
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas - Assistente Social
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - Quem Disse, Berenice?
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
CAMICADO
Supervisor de Vendas e Operação de Loja - Brasília
Efetivo - CLT · Brasília
RENNER
Encarregado de Logistica E-Commerce
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - o Boticário
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
GRUPO BOTICARIO
Product Owner E-Comm
Efetivo - CLT · Curitiba
IBRANDS
Líder de Logística
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Analista Gestão de Riscos Csc pl
Efetivo - CLT · Curitiba
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral
RENNER
Supervisor de Vendas | Rio Verde
Efetivo - CLT · Rio Verde
RENNER
Supervisor de Vendas| Imperial Shopping - Imperatriz ma
Efetivo - CLT · Imperatriz
RENNER
Supervisor de Vendas| Shopping Golden Calhau - São Luís
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| São Luís Shopping
Efetivo - CLT · São Luís

LVMH oferece mais 1 bilhão de dólares adicionais para adquirir a Tiffany

Por
AFP
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
today 21 de nov de 2019
Tempo de leitura
access_time 2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

A gigante francesa de luxo LVMH, liderada pelo bilionário Bernard Arnault, propõe agora um pouco mais de um bilhão de dólares suplementares para comprar a marca de joalharia americana Tiffany, indicaram à AFP na quarta-feira duas fontes próximas do caso.


LVMH aumenta a sua oferta pela Tiffany - Tiffany


A proprietária das marcas Louis Vuitton e Christian Dior fez uma nova oferta a um preço unitário de cerca de 130 dólares por ação, o que avalia a Tiffany em quase 16 bilhões de dólares, disseram as fontes sob condição de anonimato. Como consequência, a marca de joalharia concordou abrir os seus livros de contas.
 
A 15 de outubro, a LVMH fez uma proposta inicial de 120 dólares por ação para uma transação avaliada em 14,5 bilhões. Esta nova proposta não garante que os dois grupos cheguem a acordo, alertaram as fontes.

Contactadas pela AFP, nem a Tiffany nem a LVMH responderam de imediato.

Em Wall Street, o título da Tiffany saltou 3,58%, para 127,74 dólares, por volta das 23h15 GMT, aproximando-se do novo preço proposto pela LVMH.
 
A 8 de novembro, outras fontes familiarizadas com o assunto disseram à AFP que a LVMH planejava fazer um gesto financeiro para ultrapassar a relutância dos líderes da empresa americana, que o grupo francês deseja adicionar ao seu portefólio de marcas prestigiadas e emblemáticas. O conselho de administração da Tiffany estava aberto a uma união entre as duas empresas, mas pediu à LVMH que aumentasse a sua primeira proposta, acrescentaram.

Existe, sublinharam, vontade de ambos os lados para concretizar esta transação, que permitiria à LVMH colocar a mão num dos poucos grupos de luxo americanos, conhecido pelos seus diamantes e anéis de noivado e cuja flagship store está situada ao lado da Trump Tower na Quinta Avenida, em Nova Iorque.
 
Alguns especialistas acreditam que a aquisição do grupo americano enriqueceria a divisão relógios e joias LVMH, que já inclui, entre outras, as marcas Bulgari, Chaumet, Tag Heuer e Hublot, permitindo-lhe competir com a Richemont (Cartier e Van Cleef & Arpels) e fortalecer-se no mercado americano, o segundo maior contribuinte para o volume de negócios.

Outros argumentam que o crescimento da Tiffany nos últimos anos é lento em comparação com os seus concorrentes, tornando-a uma presa vulnerável num setor do luxo dominado pela corrida pelo tamanho e por grandes manobras.

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.