×
Por
AFP
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
27 de jan. de 2021
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

LVMH exibe "confiança cautelosa" após limitar o declínio das vendas em 2020

Por
AFP
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
27 de jan. de 2021

A gigante mundial do luxo LVMH limitou a queda nas vendas no ano passado apesar da pandemia e disse estar abordando 2021 com uma "confiança cautelosa" devido ao contexto "que permanece incerto".


Louis Vuitton - primavera-verão 2021 - Moda Feminina - Paris - © PixelFormula


Em 2020, o faturamento do grupo francês foi de 44,6 bilhões de euros, uma queda de 17%, segundo um comunicado divulgado na terça-feira (26). O lucro líquido caiu -34%, para 4,7 bilhões de euros. A líder mundial do luxo sofreu um “impacto da crise na evolução das vendas em todo o mundo, embora com um segundo semestre marcado por uma forte recuperação na Ásia, com um crescimento de dois dígitos, e uma melhoria das tendências nos Estados Unidos e Japão".

Sem revelar números exatos, a LVMH indicou ainda ter registrado uma “forte aceleração das vendas online, compensando parcialmente o fechamento das lojas ao longo de vários meses”. O CEO Bernard Arnault elogiou a "notável resistência face à crise sanitária sem precedentes que está atravessando o mundo”.

É com uma “confiança cautelosa” que a LVMH afirma abordar 2021, considerando-se “forte na grande capacidade de resposta de suas equipes, em seu espírito empreendedor e na boa distribuição entre os seus diferentes negócios e as áreas geográficas onde opera”.

Assim como em 2019, quando registrou um ano recorde, o grupo que conta com cerca de 75 marcas (entre as quais Louis Vuitton, Dior, Guerlain, Fendi, Dom Pérignon e Bulgari) viu suas performances impulsionadas pela sua divisão principal de Moda e Artigos de Couro, cujas vendas caíram apenas 3% em 2020. Já na Distribuição Seletiva (Sephora, DFS), o segundo ramo de atividade do grupo, as vendas recuaram 30%.

A divisão de Vinhos e Bebidas viu a sua atividade diminuir 14%. "O conhaque Hennessy registrou uma forte recuperação desde junho, impulsionada especialmente pela demanda nos Estados Unidos", indicou a empresa.

Em relação ao champanhe - a LVMH é proprietária, entre outras, da Dom Pérignon, Moët & Chandon, Mercier, Krug, Ruinart e Veuve Clicquot -, “após uma queda significativa de volumes no segundo trimestre, o negócio registou uma melhoria nas tendências no segundo semestre, principalmente nos Estados Unidos".

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.