×
826
Fashion Jobs
GRUPO BOTICARIO
Consultor Comercial jr
Efetivo - CLT · CURITIBA
GRUPO BOTICARIO
Cientista de Dados CRM vd sr
Efetivo - CLT · Curitiba
RENNER
Gerente de Marketing - Marca e Sustentabilidade
Efetivo - CLT · Porto Alegre
RENNER
Gerente de Marketing e Analytics
Efetivo - CLT · Porto Alegre
AMARO
Tech & Data Business Partner
Efetivo - CLT · São Paulo
CHILLI BEANS
Supervisor de Vendas no Varejo - Chilli Beans
Efetivo - CLT · São Paulo
CAMICADO
Buyer
Efetivo - CLT · São Paulo
CAMICADO
Buyer
Efetivo - CLT · São Paulo
RENNER
Analista de Produto - Licenciados
Efetivo - CLT · Porto Alegre
RENNER
Comprador
Efetivo - CLT · Porto Alegre
AMARO
SEO Analyst
Efetivo - CLT · São Paulo
CAMICADO
Supervisor de Vendas - Tijuca/rj
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
RENNER
Analista de RH - Business Partner
Efetivo - CLT · Porto Alegre
CAMICADO
Supervisor de Vendas e Operação de Loja - Brasília
Efetivo - CLT · Brasília
RENNER
Encarregado de Logistica E-Commerce
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
GRUPO BOTICARIO
Analista Gestão de Riscos Csc pl
Efetivo - CLT · Curitiba
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral
RENNER
Supervisor de Vendas| Imperial Shopping - Imperatriz ma
Efetivo - CLT · Imperatriz
RENNER
Supervisor de Vendas| Shopping Golden Calhau - São Luís
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| São Luís Shopping
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| Natal Shopping
Efetivo - CLT · Natal
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral

LVMH compra Tiffany por 14,7 bilhões de euros

Por
AFP
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
today 25 de nov de 2019
Tempo de leitura
access_time 2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

A LVMH, número um mundial do luxo, anunciou esta segunda-feira a aquisição do grupo de joalharia americano Tiffany por 16,2 bilhões de dólares, a mais importante aquisição da história do grupo do multimilionário Bernard Arnault.


Tiffany


Num comunicado conjunto, os dois grupos indicam que "chegaram a um acordo definitivo para a aquisição da Tiffany pela LVMH a um preço de 135 dólares por ação em numerário. A transação avalia a Tiffany em cerca de 14,7 bilhões de euros, ou 16,2 bilhões de dólares".
 
Na noite de domingo, fontes próximas do assunto haviam indicado que a Tiffany e a LVMH estavam perto de um acordo, após negociações que decorriam desde meados de outubro.

"Temos a ambição de fazer esta marca icônica brilhar com todo o cuidado e determinação que implantámos em todas as casas que se juntaram a nós ao longo da nossa história", comentou Bernard Arnault, citado no comunicado.

A Tiffany é "uma empresa com uma herança e um posicionamento únicos no mundo no mercado da alta joalharia" e "inspira-nos um enorme respeito e admiração”, sublinhou Arnault, acrescentando: “Esperamos permitir-lhe que continue a brilhar no futuro."
 
Para o seu grupo, esta aquisição "vem reforçar a posição da LVMH na alta joalharia e aumentar ainda mais a sua presença nos Estados Unidos”. “A chegada da Tiffany, que se junta às 75 casas do grupo, dará uma nova dimensão à atividade de Relógios e Joalharia", resume o comunicado.

O grupo francês propôs originalmente, a 15 de outubro, 120 dólares por título da Tiffany, conhecida pelos seus anéis de noivado e pelos seus diamantes, antes de elevar essa proposta para cerca de 130 dólares na semana passada. Esta última oferta levou a Tiffany a divulgar as suas contas à LVMH, que por fim decidiu oferecer 135 dólares por ação da Tiffany.
 
No exercício de 2018, o grupo de Bernard Arnault faturou um recorde de 46,8 bilhões de euros em vendas, enquanto o seu lucro líquido totalizou 6,4 bilhões de euros, com uma margem operacional de 21,4%.

Por seu lado, a marca nova-iorquina de joalharia, fundada em 1837, procura há anos modernizar a sua imagem e atrair uma clientela mais jovem. No exercício fiscal encerrado a 31 de julho alcançou um volume de negócios de 4,4 bilhões de dólares, um aumento de 6,5%. No entanto, o seu crescimento é dificultado pelo dólar forte e pela queda nos gastos dos turistas nos Estados Unidos.

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.