×
Por
Reuters
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
25 de jul. de 2022
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Luxo francês deverá se beneficiar das compras dos turistas na Europa

Por
Reuters
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
25 de jul. de 2022

A febre de compras turísticas na Europa deverá impulsionar as vendas trimestrais dos grupos de luxo franceses LVMH, Kering (proprietária da Gucci) e Hermès e compensar as falhas do mercado chinês relacionadas ao prolongamento das restrições sanitárias contra a Covid-19.



As casas de moda francesas e italianas beneficiaram de uma forte demanda por marcas de criadores após a pandemia, com os compradores ainda dispostos a gastar as economias feitas durante os confinamentos, apesar dos solavancos nas bolsas de valores e do aumento dos preços.

"Os consumidores americanos viajam para a Europa como se fosse o fim do mundo", declarou Mario Ortelli, da consultora de fusões e aquisições do setor do luxo Ortelli & Co, prevendo que a tendência aumentará as vendas do setor no continente.

Os investidores estarão atentos a sinais de diminuição do apetite por marcas de criadores, bem como planos para novos aumentos de preços das empresas de bens de luxo, que visam proteger as margens.

Luca Solca, analista da Bernstein, que espera que essa "normalização" comece no segundo semestre de 2022, disse por seu lado: "Continuamos a notar uma demanda superdimensionada por produtos premium no mercado à medida que consumidores de todas as nacionalidades emergem da pandemia (como se fosse a última vez). Isso ainda não normalizou."

Os fechamentos na China poderão, no entanto, obscurecer ainda mais os resultados. As vendas do setor no país caíram quase 40% no trimestre, segundo estimativas do Barclays, que prevê um crescimento orgânico nas vendas globais de cerca de 11%, metade do trimestre anterior.

As preocupações com as perspcetivas na China foram reacendidas a 15 de julho, quando os resultados das marcas Burberry e Richemont mostraram que as vendas caíram mais de 30% devido às restrições relacionadas com a Covid-19, num momento em que o país divulgou dados fracos do PIB do segundo trimestre.

A força do mercado americano também será monitorizada de perto para detectar qualquer sinal de fraqueza. Os Estados Unidos ultrapassaram a Europa como o maior mercado do luxo no ano passado e estão atraindo um fluxo de investimento em novas lojas com marcas europeias.

As estimativas de vendas do UBS para o segundo trimestre indicam um crescimento de 17% para a LVMH, 12% para a Kering e 16% para a Hermès.

A LVMH publicará os seus resultados do primeiro semestre em 26 de julho, a Kering no dia 27 de julho e a Hermès em 29 de julho.

© Thomson Reuters 2022 Todos os direitos reservados.