×
166
Fashion Jobs
PUMA
IT Infrastructure Specialist
Efetivo - CLT · São Paulo
PUMA
E-Commerce Content Specialist
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Analista de Produtos Financeiros pl
Efetivo - CLT · São Paulo
PUMA
Key Account Manager
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Analista CRM pl - Segmentação
Efetivo - CLT · São Paulo
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Cidade de São Paulo
Efetivo - CLT · São Paulo
VIVARA
Aprendiz Comercial - Center Shopping Uberlândia
Efetivo - CLT · Uberlândia
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Del Rey
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Uberaba
Efetivo - CLT · Uberaba
AMARO
Compliance Analyst
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
CAEDU
Analista de Atração e Seleção jr
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Jovem Aprendiz
Efetivo - CLT · Cajamar
AMARO
Gerente de Loja Campinas
Efetivo - CLT · Campinas
AMARO
Gerente de Loja Porto Alegre
Efetivo - CLT · Porto Alegre
AMARO
People Operations Lead
Efetivo - CLT · São Paulo
L'OREAL GROUP
Analista de Laboratório (Hair da)
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
L'OREAL GROUP
Operações - Analista de Transporte Outbound
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
L'OREAL GROUP
Coordenador de Jbp - Divisão Grande Público
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
L'OREAL GROUP
Analista de Laboratório (Fotoproteção)
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
MARISOL
Assistente Administrativo - Comunicação Interna
Efetivo - CLT · Jaraguá do Sul
MARISOL
Vendedor (a) Responsável - Alexânia
Efetivo - CLT · Alexânia
MARISOL
Auxiliar de Loja - Porto Belo
Efetivo - CLT · Porto Belo
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
9 de dez de 2020
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Luxo: China representará mais de 60% do mercado mundial no curto prazo

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
9 de dez de 2020

A pandemia mudou radicalmente a geografia do luxo. De mercado importante, a China passou a se tornar indispensável, beneficiada, em particular, pela velocidade para impedir o avanço da Covid-19. O país, sem dúvida, continuará mantendo esse papel importante no futuro, mesmo quando o vírus estiver sob controle e todas as regiões do mundo alcançarem a tão esperada volta à normalidade. Essa tendência já é conhecida, mas aparece de forma significativa e impressionante nas últimas pesquisas publicadas pela Jefferies.


O shopping center International Plaza em Wuhan recebeu a exposição “See LV”, da Louis Vuitton. - Louis Vuitton

 
Segundo estimativas do escritório de pesquisas do banco de investimento americano, os gastos dos chineses com artigos de luxo fez um boom este ano, logo após a primeira onda da pandemia, passando a representar 80-85% do mercado mundial em 2020, em comparação com 38-39% em 2019. Um número, que se deve à rápida recuperação após o confinamento no país, que não foi afetado por uma segunda onda da pandemia, ao contrário do resto do mundo, e pelas restrições de viagens, o que levou os consumidores chineses a fazer compras no mercado interno.

“Nos próximos cinco anos, esperamos uma ligeira queda deste nível de 80%, mas é claro que não voltaremos ao nível de 38% de 2019. Os gastos com luxo na China continuarão representando entre 55 e 60% do mercado total", diz Flavio Cereda-Parini, diretor-gerente de private equity da Jefferies. “Na realidade, essa tendência já estava prevista em um período de cinco anos, mas com a Covid-19, ela acelerou em poucos meses”.

Essas previsões divergem um pouco das divulgadas recentemente no relatório anual de 2020 da Bain & Company sobre o mercado de luxo, que espera que o consumo interno alcance 26-28% do mercado global de luxo em 2025, em comparação com 11% em 2019 e 20% em 2020.


Gastos com luxo na China. - Jefferies


 A China Continental foi a única região que apresentou crescimento este ano. Segundo a empresa, houve um aumento de 45% nos gastos com luxo à taxa de câmbio atual, atingindo 44 bilhões de euros, via consumo local, com um boom em todos os canais de vendas, categorias de produtos, faixas de preços e entre todas as gerações de compradores. A taxa de crescimento anual das compras de luxo na China foi de 18% em 2010, 37% em 2019 e 46-47% em 2020, segundo dados da Jefferies.

De acordo com a Bain & Company, em 2019, os chineses responderam por 33% das compras de luxo no mundo (na China e fora de suas fronteiras) em 2019. Uma participação que irá aumentar para 46-48% em 2025. Para 2021, a empresa prevê crescimento de 20% nas compras, “graças ao retomada parcial das viagens internacionais, mas também graças à chegada de novos consumidores neste segmento e ao bom dinamismo por parte das mulheres”.

Segundo a Jefferies, os gastos dos chineses com turismo de luxo, que representavam 51% do mercado de luxo na Europa e se mantiveram em 13% em 2020 (graças aos dois primeiros meses do ano), devem voltar a um nível em torno de 40% em cinco anos. Os chineses, em particular, gastaram quase 1 bilhão de euros em artigos de luxo em 1995, 6,5 bilhões dez anos depois, 78 bilhões em 2015, e devem gastar 165 bilhões em 2025.


Evolução das compras de luxo por nacionalidade e região. - Bain & Company

 
Os analistas de ambas as empresas ressaltaram mais uma vez que "o crescimento será impulsionado mais do que nunca pela China no futuro". Eles também estimam que os consumidores asiáticos serão responsáveis ​​por 70% das compras de luxo em todo o mundo até 2025.
 
“Nesse contexto, ou você se limita a ser uma marca de nicho, ou você é obrigado a atrair o consumidor chinês”, resumiu Flávio Cereda-Parini. “Dado que este crescimento será atingindo principalmente no mercado interno chinês, cabe às marcas reforçar a sua presença na região, em particular no digital, escolhendo os sites e meios de comunicação locais certos, e isto com uma certa agressividade. As marcas devem ir atrás do consumidor chinês. Do contrário, não vão crescer”, concluiu.
 
Os gigantes do luxo já estão agindo nesse sentido. Como a Louis Vuitton, que escolheu a cidade chinesa de Wuhan como a primeira parada em uma turnê ao redor do mundo para sua nova exposição itinerante “See LV”, que oferece uma jornada imersiva por 160 anos de história da marca. Uma bela operação de sedução na cidade simbólica, onde eclodiu a epidemia de Covid-19, para se aproximar dos cobiçados consumidores chineses.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.