Lululemon duplica lucro no segundo trimestre graças ao aumento das vendas online na China

A fabricante canadense de roupa esportiva Lululemon Athletica divulgou na quinta-feira os seus lucros no segundo trimestre, que quase duplicaram face ao ano anterior, superando as previsões, impulsionados pelo forte crescimento das vendas online, especialmente na China.

A empresa planeia abrir site de e-commerce na Coreia do Sul e Japão ainda este ano - Lululemon

As vendas comparáveis na Ásia cresceram 55% desde o ano passado, e o negócio eletrônico da empresa cresceu mais de 200% na China, disse aos analistas o diretor de operações Stuart Haseldenn numa teleconferência. Algo que contribuiu para um aumento de 48% nas vendas online e um aumento de 25% nas receitas.

"Temos um grande oportunidade internacional, sobretudo na Ásia", explica Calvin McDonald, nomeado diretor executivo da empresa de Vancouver este mês. "A equipe acredita que é um potencial de crescimento desproporcional para este negócio e esta marca."

As ações subiram 7,6%, para 147,26 dólares por ação nas negociações after-hours em Nova Iorque, superando o recorde intradiário obtido esta semana. Na quinta-feira, caíram 1,2%, encerrando a 137 dólares.

A Lululemon, que popularizou a roupa athleisure transformando em moda mainstream a cara roupa feminina de ioga, está a ampliar as suas operações online a nível nacional e internacionalmente para superar as vendas fracas nas lojas físicas, numa altura em que os consumidores estão a optar por fazer compras online.

Haselden explicou que a empresa planeja abrir lojas online na Coreia do Sul e no Japão ainda este ano.

A empresa divulgou um lucro líquido de 95,8 milhões de dólares, ou 71 cêntimos por ação, no período de três meses encerrado a 29 de julho, em comparação com as previsões de 66,5 milhões de dólares dos analistas, 49 cêntimos por ação, acima dos 48,7 milhões do ano anterior.

Espera-se que os lucros do terceiro trimestre se situem entre 65 e 67 cêntimos por ação, com uma receita entre 720 e 730 milhões de dólares, como declarou a empresa num comunicado, face a 56 cêntimos de lucro ajustado por ação com receita de 619 milhões de dólares no ano passado.

O relatório de resultados de quinta-feira foi o primeiro de McDonald, que está no cargo desde 20 de agosto, tendo chegado à empresa vindo da cadeia de lojas de cosméticos Sephora, pertencente ao grupo LVMH, onde liderava a divisão das Américas.

A Lululemon estava sem CEO desde que Laurent Potdevin renunciou ao cargo em fevereiro, por não cumprir os padrões de conduta da empresa.

Traduzido por Estela Ataíde

© Thomson Reuters 2018 Todos os direitos reservados.

EsporteNegócios
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER