×
891
Fashion Jobs
STUDIO Z
Coordenador de Planejamento Comercial
Efetivo - CLT · FLORIANÓPOLIS
GRUPO MEIA SOLA
Gerente de Marketing
Efetivo - CLT · FORTALEZA
GRUPO BOTICARIO
Executivo de Vendas ii (São Paulo)
Efetivo - CLT · São Paulo
LULITEX COM IMP EXP LTDA
Auxiliar Comercial
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas Pleno - Treinamento e Desenvolvimento
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas - Assistente Social
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - Quem Disse, Berenice?
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
CAMICADO
Supervisor de Vendas e Operação de Loja - Brasília
Efetivo - CLT · Brasília
RENNER
Encarregado de Logistica E-Commerce
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - o Boticário
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
GRUPO BOTICARIO
Product Owner E-Comm
Efetivo - CLT · Curitiba
IBRANDS
Líder de Logística
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Analista Gestão de Riscos Csc pl
Efetivo - CLT · Curitiba
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral
RENNER
Supervisor de Vendas | Rio Verde
Efetivo - CLT · Rio Verde
RENNER
Supervisor de Vendas| Imperial Shopping - Imperatriz ma
Efetivo - CLT · Imperatriz
RENNER
Supervisor de Vendas| Shopping Golden Calhau - São Luís
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| São Luís Shopping
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| Natal Shopping
Efetivo - CLT · Natal
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral

Lucro da Aeffe registra queda nos nove primeiros meses do ano

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
today 13 de nov de 2019
Tempo de leitura
access_time 3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

A Aeffe desacelerou nos primeiros nove meses de 2019. As vendas do grupo de moda italiano, penalizado por um contexto econômico complicado, diminuíram, especialmente no segmento de prêt-à-porter, enquanto os custos e investimentos aumentaram. Apenas a Moschino registrou crescimento, ao contrário das marcas Alberta Ferretti e Philosophy, que observaram queda, e da Pollini, que permaneceu estável. Assim, entre janeiro e setembro, o volume de negócios da empresa aumentou 1,7% para 269 milhões de euros (um aumento de 1,4% à taxa de câmbio constante).


A Moschino foi a locomotiva da Aeffe. - © PixelFormula


Quanto aos principais indicadores da empresa, que também detém a licença das coleções de Jeremy Scott e Cédric Charlier, estes também tiveram queda. A Aeffe informou que obteve resultados mistos no setor de vestuário, cujas vendas - que representaram 68% do faturamento total - diminuíram 1,3%, enquanto as da divisão de artigos de couro e calçados aumentaram 9,1%, especialmente graças ao êxito dos acessórios Moschino, o verdadeiro motor da Aeffe, responsável por 74% das vendas totais da empresa.
 
Essa queda nas vendas foi acompanhada por um aumento nos custos de produção, marketing, pesquisa e desenvolvimento, mas também pela contratação de "profissionais estratégicos, com o objetivo de promover a atratividade e diferenciação das marcas do grupo", explicou a companhia em comunicado. Os investimentos para continuar promovendo seu posicionamento e garantir uma visibilidade justa também aumentaram, assim como os recursos necessários para reforçar o comércio eletrônico.

O lucro líquido do grupo caiu 16,7%, para 13,4 milhões de euros, excluindo os efeitos decorrentes do IFRS 16. Aplicando o IFRS 16, o lucro foi de 13,2 milhões de euros. O lucro operacional bruto (Ebitda) foi de 46,1 milhões de euros, ou 33,8 milhões de euros excluindo o IFRS 16, um aumento de 24% em comparação aos primeiros nove meses de 2018, mas uma queda de 8,8% comparando os dados sem esse impacto contábil.
 
Com 199,4 milhões de euros de faturamento, a Moschino registrou um aumento de 4,8% nas vendas à taxa de câmbio constante nos primeiros nove meses do ano, enquanto as vendas de Alberta Ferretti despencaram 16,6%, as da linha jovem Philosophy by Lorenzo Serafini diminuíram 3% e as da divisão de licenças caíram 10,3%.

Apesar desses resultados, o presidente executivo da empresa, Massimo Ferretti, se mostrou otimista: "Em um contexto de mercado incerto, caracterizado pela turbulência em países significativos para nós, estamos avaliando positivamente os resultados dos primeiros nove meses, considerando que o plano de investimentos realizado no ano passado nas áreas de pesquisa e desenvolvimento, produção e marketing ajudarão a fortalecer o posicionamento estratégico de nossas marcas internacionalmente”.

A Itália, principal mercado do grupo sediado em San Giovanni in Marignano, perto de Rimini, com uma participação de 46,5%, continuou enfrentando queda nas vendas (-2,9%), enquanto os mercados de exportação mais importantes da Aeffe cresceram: Europa, excluindo Itália (+ 2,2%), Ásia e resto do mundo (+ 9,9%), representando respectivamente 23% e 25% das vendas. A Grande China (+8%) e a Coréia do Sul (+ 35%) foram particularmente dinâmicas; os Estados Unidos, que representou apenas 5% das vendas, permaneceu estável (+ 0,4%).

Em 30 de setembro, a Aeffe contava com 63 lojas próprias e 176 franquias, com o varejo contribuindo com 27% da receita do grupo, com um crescimento de 8,8% no período.
 

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.