×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
21 de set. de 2021
Tempo de leitura
6 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

London Fashion Week: Simone Rocha, Roksanda, Paul & Joe e Osman

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
21 de set. de 2021

O último dia de grandes desfiles da London Fashion Week, na segunda-feira (20 de setembro), ficou marcado por um passeio final pela capital, desde o Hyde Park ao ar livre até à igreja de East End com paradas em Mayfair, incluindo em um clube e um restaurante conceitual. Assistimos a quatro desfiles físicos: Simone Rocha, Roksanda, Paul & Joe e Osman. 


Look de Simone Rocha para a primavera-verão 2022 - Go Runway


Simone Rocha:  romantismo experimental


 
Podemos considerar uma façanha a apresentação de Simone Rocha de ascendência luso-macaense, numa igreja medieval, com uma coleção definidora nesta primeira estação adequada ao pós-lockdown na London Fashion Week.

Simone funde todos os seus acessórios de mão e flores técnicas numa bela exibição de romantismo experimental e exuberante.
 
Os vestidos quase que cresciam por baixo de casacos e gabardinas, enquanto Rocha adicionava um elemento fresco e organicamente desconstruído ao seu DNA. Mais dramaticamente com vestidos de cetim, que emergiam de casacos de sarja manchados.
 
Encenada na igreja de São Bartolomeu (St. Bartholomew), a cena das núpcias finais em "Four Weddings and a Funeral" (Quatro Casamentos e um Funeral), e um cenário adequado para as referências frequentemente religiosas na coleção – como colarinhos de reverendo com vieira, ou hábito de freira transformado em algo maravilhosamente novo.
 
O gosto de Rocha por tiras entrelaçadas de cetim, pérolas de tamanho exagerado e coral bordado foi apreciado em vestidos góticos dramáticos com quantidades significativas de tule e chiffon.
 
"Dormir em pé, ser mãe, vestido de comunhão, embelezado, angustiado", lia-se nas notas do programa da jovem mãe, Simone Rocha, que decidiu fechar os bastidores, respeitando as medidas sanitárias. 
 
Após 18 meses em que todos foram obrigados a abrandar e a repensar quem eram e para onde queriam ir, foi impressionante testemunhar a poética proposta de vida de Simone Rocha vivida graciosamente em bordado inglês, brocado e couro.
 
A designer também foi suficientemente corajosa para correr muitos riscos – exibir um elefantino perfecto sobre uma camisa de choupo de algodão com gola puritana e um vestido curto e enfeitado com bordado inglês. O mesmo corte usado em meias de tornozelo enfiadas em plataformas modernistas, que, por sua vez, tinham padrões bordados. De fato, quase isolada entre os designers indie londrinos, Rocha construiu um grande negócio de calçados, e a sua gama de sapatilhas bordadas (inspiradas nas de ballet) – rematadas por pérolas – garante que a divisão irá acelerar.
 
Todo o conjunto, fez a designer ganhar uma enorme explosão de aplausos no final; perante uma audiência em que todos usavam máscaras. Ao contrário, infelizmente, da maioria dos desfiles em Londres nesta temporada.
 

Roksanda: performance artística e citações de Joan Didion



Roksanda: a gravidade desafiando a moda no Hyde Park, e a moda balética desta estação Roksanda, que regressou ao Serpentine Pavilion, para apresentar a sua coleção para a primavera-verão 2022.


Look Roksanda da coleção de primavera-verão 2022 - Roksanda

 
Este ano foi tudo revelado dentro da instalação arquitetônica, a partir da prática contra espacial baseada em Joanesburgo. O seu diretor, Sumayya Vally, é o arquiteto mais jovem a ser comissionado por este programa anual e o resultado foi uma montagem em cinza-claro e cru, referenciando edifícios atuais e demolidos em Londres, incluindo elementos decorativos de mesquitas, livrarias e clubes de dança.
 
Embora o resultado final tenha sido como roupa – uma série de abstrações derreteu, emendou e sobrepôs-se em roupas quase rodopiantes. A gravidade desafiando formas feitas através da colagem de tecidos e do endurecimento de bainhas e aros de modo a que os vestidos se curvassem e se arqueassem para cima e as golas se estendessem para fora dos ombros.
 
Muitos deles foram usados pelo grupo de dança numa obra de arte performativa do seu velho amigo Holly Blakely. Os próprios movimentos de dança ajudavam as roupas a ganharem vida – como uma dúzia de modelos e como muitos artistas perambulavam pelo espaço, ocasionalmente fazendo uma pirueta junto a um convidado.
 
Mesmo que o seu look mais belo fossem capas de chuva em material transparente pintado com manchas selvagens e até citações do livro de ensaios de Joan Didion intitulado "Slouching Towards Bethlehem" (Desleixo Rumo a Belém). 
 

Paul & Joe: La Mode Parisienne em Mayfair



Uma entrada triunfal na London Fashion Week por Paul & Joe, cuja enérgica estilista francesa Sophie Mechaly sempre foi uma boa-anglófila.


Look Paul & Joe da coleção para a primavera-verão 2022 - Godfrey Deeny/FashionNetwork.com


Apresentado no meio de retratos reais e óleos de cavalheiros íntegros dentro da Dartmouth House. Um pouco excêntrico para o cenário do desfile de uma marca francesa, a Dartmouth House é um clube da English-Speaking Union em Mayfair.
 
Um bando de personalidades locais – Lady Mary Charteris, Greta Bellamacina, Betty Bachz, Grace Chatto, Sam Rollinson, Dylan Weller, Juan Milan, Kyle De'Volle, Nell Tiger Free e Tigerlily Taylor – sentaram-se na primeira fila.
 
Mechaly referenciou imagens infantis por todo o lado – com o item-chave, o vestido de boneca na pradaria ou flores alpinas. A cada segundo surgia uma modelo com meias pelo joelho, flores ou plataformas Pinball Wizard. O seu casting despreocupado desfilava pelo interior do jardim interior de pedra, com vestidos cor-de-rosa esvoaçantes e mangas de flores cortadas ou blazers de riscas florais frescas.
 
Por vezes parecia Miss Havisham em "Tess of the D'Urbervilles" de grandes vestidos estampados com flores secas e desbotadas. Antes de a estilista mudar subitamente de roupa para calças de crochê lederhosen, cardigans e calças quentes; ou soutiens combinando com pequenas flores.
 
Apoiada por uma trilha sonora de rock e pop hits franceses, incluindo France Gall e Jane Birkin, Mechaly também deu uma grande reviravolta pela prática cosplay japonesa, na maquiagem de um olho.
 
"Fui criada para ser uma grande admiradora de Londres, por isso apresentar aqui a coleção é uma grande alegria pessoal. Meu pai costumava nos levar anualmente às compras ao Harrods, quando eu era uma jovem, as minhas opções estéticas passaram por uma família profissional bastante londrina", sorriu Mechaly nos bastidores, com um enxame de fãs reunidos à sua volta. 
 

Osman: biodegradável chique em pasta de madeira


 
Osman Yousefzada não dá ponto sem nó quando se trata do ambiente, baseando a sua última coleção em Tencel, um filamento formado a partir de pasta de madeira que leva a uma impressionantes proporções e punch.


Look Osman da coleção para a primavera-verão 2022 - Go Runway


Produzido pelo grupo Lenzing, o tecido Tencel revelou-se surpreendentemente flexível, apresentado em camisas de seda leves de papel ou em organzas tecidas à mão.
 
Osman intitulou a coleção de "What Happened to Last Season’s Clothes" (O que Aconteceu ao Vestuário da Época Passada), numa reflexão pós-COVID sobre o excesso.
 
O resultado foram capas azuis diáfanas para a meia-noite; túnicas de sarja Tencel com faixas de cristal; blusas inspiradas na série "Game of Thrones" usadas com bermudas ciclistas e calças de renda, combinadas com camisas de lenço preso por medalhão volumoso.
 
O seu momento mais divino: o encontro de um jovem em terno rematado por cadarço de renda com uma hospedeira de bordo dos Emirados. Com um elenco vestido de tal forma que a seu tempo teria sido chamado de travestido, mas hoje em dia é referido como não binário.
 
Tudo bastante picante, assim como o cocktail servido no local, um gigantesco restaurante sueco chamado Amazonica em Berkeley Square.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.