×
Por
Reuters
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
19 de ago de 2019
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Levis e Wrangler prometem proteger as mulheres que fazem jeans contra abuso sexual

Por
Reuters
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
19 de ago de 2019

Três grandes marcas dos Estados Unidos prometeram reprimir os abusos nas fábricas de Lesoto, que produzem seus jeans, depois que uma investigação descobriu que as mulheres eram forçadas a ter relações sexuais para manter seus empregos.

Levi Strauss & Co, Kontoor Brands - proprietária das marcas de jeans Wrangler e Lee - e The Children’s Place assinaram acordos para acabar com o assédio sexual em cinco fábricas do pequeno país da África do Sul, onde cerca de 10 mil mulheres produzem suas roupas.



"Estes acordos inovadores são um exemplo para o resto da indústria de vestuário de como lidar com assédio e abuso", disse Rola Abimourched, diretora de programa sênior do Consórcio de Direitos dos Trabalhadores (WRC), que descobriu os abusos.

A fabricação de roupas - com foco em denim para exportação - cresceu e o setor se tornou o maior empregador formal no país da África do Sul, que tem cerca de 2 milhões de habitantes, nas últimas décadas, proporcionando empregos para cerca de 40.000 pessoas.

A WRC descobriu que as mulheres eram coagidas regularmente a ter relações sexuais com os supervisores para obter ou manter seus empregos em três fábricas de jeans de propriedade da fabricante global Nien Hsing Textile, do Taiwan.A Nien Hsing Textile emprega um quarto da mão-de-obra total de vestuário da pequena nação africana.

“Todas as mulheres do meu departamento tiveram relações sexuais com o supervisor. Para as mulheres, trata-se de sobrevivência e nada mais”, afirmou uma funcionária do WRC. "Se você diz não, você não consegue o emprego, ou seu contrato não é renovado”.

Sob um acordo vinculativo assinado pela Nien Hsing, cinco sindicatos e dois grupos de direitos das mulheres, um comitê independente lidará com reclamações, identificando se houve violações e executará medidas de acordo com as leis de Lesoto. Nien Hsing também fornecerá aos membros da sociedade civil, de forma independente, acesso a suas fábricas para entrevistar trabalhadores e orientar os gestores a abster-se de retaliação contra trabalhadoras que apresentem queixas.

"Estamos comprometidos em trabalhar para proteger os direitos dos trabalhadores e promover o bem-estar nas fábricas terceirizadas, de modo que todos os trabalhadores dessas instalações, especialmente as mulheres, se sintam seguros, valorizados e capacitados", disseram os fabricantes de jeans.

"Acreditamos que esse programa multifacetado pode criar mudanças duradouras e melhores ambientes de trabalho nessas fábricas, causando um impacto positivo significativo em toda a força de trabalho".

Caso haja qualquer violação material  do contrato pela Nien Hsing, cada marca compromete-se a reduzir os pedidos de produção até que o fabricante retorne à conformidade.

"Nós nos esforçamos para garantir um local de trabalho seguro para todos os trabalhadores em nossas fábricas e, portanto, estamos totalmente comprometidos em implementar este acordo imediatamente", disse o presidente da Nien Hsing, Richard Chen.

© Thomson Reuters 2021 Todos os direitos reservados.