×

Lanvin revive arquivos para seu 130º aniversário

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
today 10 de dez de 2019
Tempo de leitura
access_time 3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Aos 130 anos, a Lanvin nunca pareceu tão jovem. Fundada em 1889 em Paris, a Maison de alta-costura mais antiga ainda em atividade dá vida nova aos seus arquivos, revivendo e atualizando alguns de seus modelos do século passado por meio de uma iniciativa original para seu aniversário, que também será comemorado com uma coleção-cápsula e uma exposição em Xangai.


O conjunto "Guilhem" de inspiração Art déco do inverno de 1920. - Lanvin


Diretor artístico da grife desde janeiro, Bruno Sialelli desenhou esta coleção "130th Anniversary" restaurando primeiramente a modernidade de Jeanne Lanvin. Ao mergulhar nos arquivos, ele selecionou três peças excepcionais assinadas pela fundadora da marca, que serão reeditadas em edição limitada.

O conjunto "Guilhem" do inverno de 1920, com sua túnica em crepe georgette com mangas decoradas com apliques geométricos pretos e pequenas pérolas brancas, o vestido preto com babador Art Deco, e a blusa em crepe de seda com lantejoulas douradas, da coleção de verão 1927, serão replicados em 18 cópias, enquanto o casaco bordado "Minuit", da coleção de verão 1936, terá apenas treze exemplares.

Juntamente com essa minicoleção nomeada "Reedition", uma coleção-cápsula desenhada por Bruno Sialelli oferecerá uma série de peças muito atuais, como vestidos de jérsei, camisetas, moletons, tênis, jeans, cachecóis, bolsas, óculos e chapéus, com detalhes e estampas típicos da Lanvin, que marcaram sua história no início do século passado.

Este é o caso do famoso desenho "l’Ange" do final da década de 30. Para cria-lo, a fundadora se inspirou nas obras do Quattrocento de Fra Angelico, no célebre perfume Arpège com a tampa dourada, e no primeiro logotipo "Jeanne Lanvin" com sua escrita cursiva. Também será apresentada uma estampa de inspiração asiática da década de 20.

"No total, 1000 peças de prêt-à-porter e 800 acessórios estarão disponíveis a partir de dezembro nas lojas da China e no site lanvin.com", informou a marca em comunicado. Esta coleção permitirá um mergulho no espírito da Maison com sua estética Art Deco, combinando influências exóticas, etnográficas, religiosas e medievais. É também uma boa maneira de promover sua história e savoir-faire, especialmente na China, mercado no qual a marca deseja se desenvolver com prioridade.


Dois modelos da coleção de aniversário da Lanvin - Lanvin


Propriedade do grupo chinês Fosun desde o início de 2018, a Lanvin, que agora é chefiada por Jean-Philippe Hecquet, pretende realizar 35 a 40% de suas vendas na China. A marca acaba de inaugurar uma loja em Xangai, no centro BFC-Bund Finance Center (sua 7ª boutique na China), onde também será realizada a exposição comemorativa "Dialogues" com a Fondation Fosun, na qual serão apresentados até 9 de fevereiro 75 modelos que mostram a história da grife.

Desde a entrada da Fosun, as equipes de estilo foram reforçadas para dar ênfase também aos acessórios, que devem impulsionar o crescimento da marca e representar quase 50% das vendas em três anos.

A Lanvin possui 26 lojas e é comercializada em 30 países. Seus principais mercados são Estados Unidos, China, Europa, especialmente a França, Itália e Reino Unido, além do Oriente Médio.

Copyright © 2020 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.