LVMH se projeta no futuro com Hedi Slimane, Kim Jones e Virgil Abloh

A LVMH não perdeu tempo. Em algumas semanas, o grupo de luxo liderado por Bernard Arnault anunciou de uma vez só três importantes nomeações para a direção artística de suas três marcas emblemáticas, Dior, Louis Vuitton e Céline, pegando todos de surpresa. A mais recente, a de Virgil Abloh à frente das coleções masculinas da Louis Vuitton, promete grandes mudanças para a maison.


Virgil Abloh, durante o seu último desfile para a Off-White, em março - © PixelFormula

Com a chegada de Hedi Slimane na Céline e Kim Jones na Dior Homme, o grupo parece estar entrando em uma nova fase. Um pouco como a de seu rival, Kering, três anos atrás, quando este nomeou Alessandro Michele e Demna Gavsalia à frente da Gucci e da Balenciaga, respectivamente, o que levou as marcas à um crescimento meteórico. A LVMH, cujas marcas Dior, Louis Vuitton e Céline já apresentam resultados substanciais, está fortalecendo seus ativos mais dinâmicos e implementando uma nova estratégia para acelerar o ritmo.

Como isso, a nomeação de Virgil Abloh parece ser a mais significativa. Se Hedi Slimane traz consigo a cultura da imagem, o designer americano de origem ganense, assessor criativo do rapper Kanye West, vai levar o grupo ao universo digital. Ele é, de fato, o primeiro designer impulsionado pelo mundo digital a assumir a direção artística de uma marca histórica.

"Minha marca começou nas ruas e becos da internet", disse Virgil Abloh em uma entrevista recente ao jornal britânico, The Guardian. Hoje, o estilista tem 1,6 milhão de seguidores no Instagram, e sua marca, a Off-White, tem 3,1 milhões. Uma proeza para a grife fundada em 2014, que até agora apresentou apenas uma dúzia de coleções e é considerada hoje uma das mais cool do mundo.

“Ele construiu sua marca e sua reputação 100% no digital. Ele é muito impressionante, com muita energia, velocidade, inteligência e uma forte presença. Ele não tem medo de trabalhar duro. Sua nomeação é uma grande jogada tática da LVMH. De qualquer forma, é muito empolgante porque Virgil Abloh gosta de criar surpresas e a expectativa para a Louis Vuitton é grande", comentou um profissional do meio.


Ver o desfile
Off White - outono-inverno 2018 - Moda Masculina - Paris - © PixelFormula

Hands-on, o designer que é engenheiro e arquiteto de formação, está sempre viajando, pulando de uma colaboração para outra (com marcas como Jimmy Choo, Levi's, Moncler, Nike, entre outras), e seu ponto forte é sua maneira de extrair sua inspiração de diferentes setores, da música à arte ou à literatura, enquanto se relaciona com seu público, que é essencialmente composto por pessoas nascidas após os anos 80.

Fortemente inserido na cultura atual com um grande conhecimento de seu mercado, como ilustram as referências e citações utilizadas em suas últimas coleções, e sua maneira de misturar as tendência do momento, o estilista de 37 anos tem o perfil ideal para criar pontes entre os códigos clássicos e contemporâneos.

"Sua criatividade inata e abordagem vanguardista o tornaram indispensável, não só na moda, mas também na cultura popular. Sua sensibilidade ao luxo e know-how serão decisivos para criar as coleções masculinas da Louis Vuitton do futuro.”, destacou o CEO da Louis Vuitton, Michael Burke, que acompanha o trabalho de Virgil Abloh há 12 anos.

Com sua moda de alta-costura e urbana, o estilista-DJ não deixará de surpreender, dando sequencia e fortalecendo o toque de luxo urbano inserido na Louis Vuitton Men por seu antecessor, Kim Jones, cuja colaboração com a marca cult de Nova York, Supreme, conquistou um sucesso sem precedentes no ano passado.

Enquanto aposta em um novo nome para a Louis Vuitton, a LVMH aposta também no talentoso designer britânico Kim Jones, agora no comando da Dior Homme, a marca mais prestigiosa do grupo, que ele poderá evoluir com maestria.

Quanto à isto, o gigante do luxo exibe um certo pragmatismo. Na verdade, o grupo se concentrou em três nomes que ele conhece. Além de Kim Jones, Virgil Abloh foi um dos finalistas do Prêmio LVMH em 2015, e ele conheceu o CEO da Louis Vuitton, Michael Burke, durante uma colaboração em 2006, quando este liderava a Fendi. Em seu Instagram, o filho de Bernard Arnault, Alexandre, por sua vez, publicou uma foto ao lado do designer com a seguinte legenda: "orgulhoso de receber esse grande amigo e talento no grupo” ao anunciar uma iminente colaboração entre a Off-White e a Rimowa.

Quanto à Hedi Slimane, este já trabalhou na Dior Homme com sucesso no passado. Além disso, o grupo apostou nele para garantir a recuperação da Céline após a saída de Phoebe Philo e, sobretudo, para liderar o lançamento da primeira coleção masculina da marca, além da alta-costura e perfumaria. Mais uma vez, uma revolução parece garantida!

Três escolhas bem ponderadas, portanto, com homens experientes que saberão lidar com o legado e a tradição, enquanto trazem um novo fôlego e adicionam à Louis Vuitton e à Dior o toque certo de streetwear e uma abordagem digital para aproximar as duas maisons históricas dos cobiçados Millennials.

Traduzido por Novello Dariella

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Luxo - Pronto-a-vestirLuxo - DiversosCriaçãoNegócios
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER