L'Occitane: aumento de vendas na China e no Brasil

Para a primeira metade do ano fiscal de 2017-18, encerrado em 30 de setembro, a L'Occitane International registrou um aumento de 1,1% nas vendas, até € 548,2 milhões. O resultado foi principalmente impulsionado por fortes desempenhos nos mercados estrangeiros, especialmente no Brasil e na China.


A seção de presentes na nova flagship da L'Occitane, chamada Sunshine - L'Occitane

No ano fiscal 2016-17, o grupo de cosméticos, que está cotado na bolsa de valores de Hong Kong, já havia registrado crescimento de dois dígitos em ambos os países. Na primeira metade do novo ano fiscal, a receita na China cresceu 22,7%, atingindo 60,041 milhões de euros, graças, nomeadamente, a um salto de três dígitos no T-mall.

No Brasil, a L'Occitane International registrou uma receita de €26.703 milhões, gerada pelas suas 122 lojas (35 das quais apresentam o conceito L'Occitane au Brésil, específico para o Brasil), o que equivale a um aumento de 13,2%. Japão e Hong Kong também contribuíram para o crescimento do grupo, com receitas aumentadas respectivamente de 1,8% e 2,6%.

Na França, após um desempenho fraco no ano fiscal 2016-17, as vendas da L'Occitane International se recuperaram, atingindo € 44.664 milhões (+ 1.1%) nos primeiros seis meses do novo ano fiscal. O grupo escolheu a Champs-Elysées em Paris como a localização da sua próxima flagship, que contará com um novo conceito de varejo em colaboração com o chef de patisserie Pierre Hermé.

Nos primeiros seis meses do ano fiscal atual, o lucro líquido caiu após o que o grupo definiu como um resultado "recorde" em 2016-17 (+ 16,6%). O lucro líquido diminuiu de fato para € 10,7 milhões, ante € 26,4 milhões no mesmo período do ano passado. A L'Occitane International culpou a desaceleração da forte sazonalidade do negócio, em fatores excepcionais e taxas de câmbio desfavoráveis.

 

Traduzido por Isabel Pimentel

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

CosméticaNegócios
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER