×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
23 de ago. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Kering pode se diversificar no setor da beleza

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
23 de ago. de 2022

Seria o grupo Kering o próximo player do luxo a gerir diretamente o seu negócio de beleza? "Todas as opções estão em aberto", disse o diretor executivo da holding de luxo, Jean-François Palus, por ocasião da publicação dos resultados semestrais no final de julho, reconhecendo que tal hipótese é inteiramente possível.


Maquiagem da Gucci para o seu desfile de outono-inverno 2022/2023 - gucci.com


Enquanto a Chanel e a Dior já aderiram a esta estratégia há muito tempo, a maioria dos grandes grupos da moda não se aventuraram neste campo, preferindo operar através de licenças, como é o caso da Kering. Mas, nos últimos dois anos, a situação mudou com este mercado muito dinâmico, especialmente para os grandes nomes dos bens de luxo em uma busca constante por novas alavancas de crescimento.
 
Alguns, como a Burberry, tentaram no passado internalizar o seu negócio de beleza antes de desistir; outros, mais recentemente, assumiram um verdadeiro compromisso. Seguindo o exemplo da Hermès em 2020, cuja divisão de Perfumes e Beleza representa agora 4% do volume de negócios total e atingiu 230 milhões de euros no primeiro semestre do ano, saltando 23%; ou como a Dolce & Gabbana, que criou a sua própria estrutura dedicada à beleza no início de 2022.

É claro que o universo da cosmética requer muita perícia e organização. Também requer investimentos significativos e uma certa dose de tomada de riscos. Mas, o mercado pode ser rentável, porque com os seus preços mais acessíveis, os produtos de beleza dirigem-se a um público mais vasto.
 
"Para a beleza, é uma extensão natural do território das nossas marcas. Atualmente, operamos através de um modelo de licenciamento. Mas, o nosso sucesso com a Kering Eyewear mostra que podemos criar muito valor para as marcas, e consequentemente para o grupo, adotando algumas abordagens disruptivas e inovadoras. A beleza é certamente uma área que poderíamos considerar no futuro", disse Jean-François Palus, durante a conferência telefónica com analistas.
 
Começando do zero em 2014, o negócio de óculos do grupo atingiu um volume de negócios de 700 milhões de euros em 2021 e já atingiu 576 milhões de euros no primeiro semestre de 2022, um aumento de 50% numa base reportada e de 26% numa base comparável. Estes são números com os quais a Kering deve certamente ter raciocinado, especialmente porque as suas relações com os seus licenciados de beleza não são as melhores. O grupo opera atualmente sob licença com a Coty americana para a Gucci, Alexander McQueen e Bottega Veneta; com a L'Oréal para a Saint Laurent; e com a Interparfums para a Boucheron.
 
Em 2020, o presidente e CEO da Kering, François-Henri Pinault, queixou-se do lento progresso no desenvolvimento dos cosméticos fabricados sob licença pela sua parceira Coty. "O potencial é enorme. Estamos muito desapontados com a rapidez com que este potencial está a ser explorado", frisou numa conferência de imprensa.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.