×
1 088
Fashion Jobs
GRUPO BOTICARIO
Analista de CRM ii – Venda Direta (Afirmativa Para Talentos Diversos)
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Analista fp&a i - Gestão de Verbas Comerciais
Efetivo · São José dos Pinhais
GRUPO BOTICARIO
Pessoa Coordenador(a) de Compras de Eventos
Efetivo · São José dos Pinhais
RENNER
Product Owner (po) - Omnichannel
Efetivo · São Paulo
FARFETCH
Product Manager (Ecommerce Experience) - Farfetch Platform Solutions
Efetivo · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Especialista ii Treinamento Comercial Venda Direta - Franschising
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Pessoa Compradora de Projetos Júnior - Híbrida - PR
Efetivo · São José dos Pinhais
MARISOL
Analista de CRM - São Paulo
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Gerente sr Comercial Lojas Boti (Nordeste)
Efetivo · Brasília
RENNER
Content & Performance Manager
Efetivo · São Paulo
VIVARA
Analista de Compliance Senior
Efetivo · São Paulo
MARISOL
Analista de CRM
Efetivo · Jaraguá do Sul
RENNER
Product Owner (po) | Marketplace – Onboarding de Sellers
Efetivo · São Paulo
RENNER
Product Owner (po) | Marketplace - Atendimento e Pós-Vendas
Efetivo · São Paulo
RENNER
Coordenador de CRM
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Consultor(a) de Vendas - o Boticário (Boulevard Shopping)
Efetivo · Brasília
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Atendimento (Afirmativa Para Talentos Diversos)
Efetivo · Curitiba
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Atendimento (Afirmativa Para Talentos Diversos)
Efetivo · Curitiba
GRUPO LUNELLI
Inspetor(a) de Qualidade - Externo
Efetivo · Guaramirim
VIVARA
Vendedora –Shopping Cidade São Paulo – São Paulo/ sp
Efetivo · São Paulo
MARISOL
Analista de Sistemas - E-Commerce
Efetivo · Jaraguá do Sul
CAEDU
Operador de Loja
Efetivo · Campinas
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
25 de out. de 2022
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Kering luta para reanimar Gucci, que continua com desempenho inferior no terceiro trimestre

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
25 de out. de 2022

A recuperação da Gucci parece estar levando mais tempo do que o esperado. Com um crescimento orgânico de 9% no terceiro trimestre (+18% em dados publicados) e 8% nos primeiros nove meses de 2022, a marca, que gera mais de metade do volume de negócios total da Kering, está claramente atrasada em relação ao desempenho de outras etiquetas da empresa, tais como a Saint Laurent. Mas também em comparação com outros grandes nomes do setor como a Hermès, Louis Vuitton e Dior. A cotação das ações da Kering foi assim punida na bolsa de Paris na sexta-feira (21 de outubro), perdendo até 5% ao meio-dia, no dia seguinte ao da publicação dos resultados trimestrais.
 

O último desfile da Gucci em Milan centrou-se nos gêmeos - © PixelFormula


Avaliando no detalhe, as vendas da Gucci, que atingiram 2,58 bilhões de euros entre julho e setembro, e 7,75 bilhões em nove meses, melhoraram significativamente em comparação com o segundo trimestre, quando tinham crescido organicamente apenas 4%. Como o diretor financeiro da Kering, Jean-Marc Duplaix, salientou numa conferência com analistas, 91% das vendas da marca passam agora pela sua rede de distribuição direta "totalmente exclusiva". Segundo Duplaix, o objetivo de 15 bilhões de euros em vendas com uma margem operacional de 41% para a Gucci a médio prazo continua a ser plausível. "Acreditamos e chegaremos a ela em qualquer caso".

Boa dinâmica na Europa e América do Norte

Na Europa, a empresa italiana continuou a desfrutar de "uma dinâmica muito boa, apoiada tanto por clientes locais como por turistas, particularmente americanos, o que, pelo contrário, pesou sobre os negócios na América do Norte". Na Ásia, assistiu a um forte aumento do volume de negócios no Japão, mas sofreu de "um desempenho contrastado na China continental, que afectou as vendas na região da Ásia-Pacífico, cujas tendências estão no entanto a melhorar fortemente", declarou o grupo no seu comunicado de imprensa.
 
Houve claramente uma melhoria nas vendas da Kering na China, mas como o CFO admitiu, as vendas da Gucci ainda são negativas nesse mercado, onde a sua recuperação será um processo a longo prazo. A maison recrutou Laurent Cathala na primavera passada para dirigir o negócio da moda na Grande China, mas a sua reorganização no país ainda se encontra numa fase de transição. "Laurent Cathala começou em julho. A sua primeira missão foi reunir todas as equipes para avaliar o que precisava de ser feito a curto prazo", diz Jean-Marc Duplaix, acrescentando que o gestor "apresentará em breve o seu plano de ação a longo prazo na China".
 
Entretanto, a estratégia a curto prazo é "um novo impulso dado em termos de energia às equipes locais, trabalho no merchandising, lançamento de novos produtos, ativação de pop-ups e pop-ins, e aumento do investimento em publicidade". Estas atividades serão também acompanhadas pelo regresso da Gucci ao ritmo completo no calendário da moda, sob a supervisão da nova diretora geral da marca, a italiana Maria Cristina Lomanto, com seis coleções a partir de 2023, enquanto que o seu número foi reduzido durante a pandemia.
 

Foco no masculino e na viagem



Para fazer face a esta aceleração, a etiqueta reorganizou e reforçou a sua equipe criativa com a criação do novo cargo de diretor de estúdio, confiado a um membro sênior que trabalhou com Alessandro Michele durante muito tempo. 


Números da Gucci no terceiro trimestre - Kering

 
O diretor artístico da Gucci desde 2015 está na origem do relançamento bem sucedido da marca nos últimos anos, através de um estilo de moda eclética repleto de detalhes, onde eras e gêneros colidem entre a excentricidade e peças mais clássicas. Mas este universo, que é enriquecido ao longo das estações, dando por vezes uma impressão continuada, parece estar esgotar-se e parece menos desejável hoje em dia.

A empresa vai, portanto, reformular a sua oferta, concentrando-se em certas categorias, tais como a masculina e a das viagens/malas, que ainda não expressaram todo o seu potencial. Além disso, o objetivo é concentrar-se em produtos atemporais e na ascensão do mercado. Mas como o diretor financeiro nos lembrou, "esta é uma estratégia a longo prazo".

"Quando se tem uma tal escala de mudança, é preciso ter uma visão a longo prazo. Não vai acontecer de um dia para o outro", continuou, apontando para a enorme dimensão da Gucci, que tem uma estrutura sólida e poderosa através de inúmeras equipes nas diferentes regiões, capazes de retransmitir rápida e eficientemente as diretivas dadas pela sede. "Penso que a organização Gucci é mais madura do que era há alguns anos. Duplicamos o tamanho da Gucci desde 2016. Por outro lado, as mudanças demoram tempo, e se materializarão para além de 2023".
 
Em relação à Rússia, outro mercado em dificuldade, o grupo confirmou que encerrou as suas lojas no país mas continuou a pagar salários e rendas. Não espera regressar a este mercado a curto ou médio prazo e reserva-se o direito de tomar uma decisão.
 
A chave para compreender o futuro da Gucci foi dada pelo seu CEO Marco Bizzarri, no início de setembro, numa entrevista ao jornal italiano Corriere della Sera. "Começou uma nova fase. Com Alessandro Michele, dissemos a nós mesmos que estava na hora de mudar. Precisamos recuperar a nossa parte histórica e icônica. Em tempos de crescimento, o mercado exige novidades, que se limitem ao extravagante. Em tempos de crise é um regresso à tradição. Encontraremos o equilíbrio certo".
 

Copyright © 2023 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.