×
Por
AFP
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
17 de fev. de 2021
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Kering limita queda nas vendas em 2020 e prepara sua recuperação

Por
AFP
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
17 de fev. de 2021

O grupo de luxo francês Kering, proprietário das marcas Gucci, Yves Saint Laurent e Bottega Veneta, limitou a queda nas vendas e na rentabilidade em 2020 graças à recuperação da atividade na Ásia e na América do Norte.


Gucci


“Em um ano de convulsões, a Kering demonstrou uma grande resiliência e uma agilidade notável”, declarou François-Henri Pinault, CEO do grupo, citado em um comunicado divulgado na quarta-feira (17). “Saímos da crise fortalecidos e prontos para começar a recuperação.”
 
O volume de negócios do grupo foi de 13,1 bilhões de euros, uma queda de 17,5% em relação ao ano anterior, redução semelhante à sofrida pela gigante mundial LVMH. No total, a Kering manteve em 2020 um lucro de 2,15 bilhões de euros.

Após um início de ano marcado pelo fechamento de lojas e pela interrupção do fluxo de turistas, "as tendências melhoraram no segundo semestre" devido à “ boa dinâmica na Ásia-Pacífico e na América do Norte" e ainda à "aceleração muito forte, de quase 70%, do comércio eletrônico", ressaltou o diretor financeiro Jean-Marc Duplaix durante uma teleconferência.
 
Apesar do grupo de luxo não revelar suas previsões financeiras para 2021, este acredita que, “embora o contexto atual ainda seja marcado por muitas incertezas, a crise não colocou em xeque os motores estruturais do crescimento do mercado mundial do luxo, e confirmou plenamente a relevância da sua estratégia".

A Gucci, sua principal marca, que havia se aproximado dos 10 bilhões de euros em vendas em 2019, viu sua atividade cair 22,7%, para 7,4 bilhões. A  Yves Saint Laurent (1,7 bilhão de euros em vendas, -14,9%) voltou a crescer no segundo semestre do ano, graças aos mercados da Ásia-Pacífico, América do Norte e Japão. A Bottega Veneta, por sua vez, foi uma das poucas a registrar crescimento ao longo do ano, com um aumento de 3,7% nas vendas, para 1,2 bilhão de euros.

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.