×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
29 de jul. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Kering: Gucci abranda e Saint Laurent registra boom no primeiro semestre

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
29 de jul. de 2022

Kering publicou resultados mais do que satisfatórios com lucros recorde no semestre. O grupo de luxo registrou um lucro líquido de 1,988 bilhão de euros (+34%) e um volume de negócios de 9,93 bilhões de euros (+23%). Destaque para o ótimo desempenho das suas "pequenas" marcas, lideradas pela Saint Laurent, enquanto a Gucci, que gera metade das suas vendas, continuou a ter um desempenho inferior nos primeiros seis meses do ano.


A nova campanha Gucci Attache, fotografada por Max Siedentopf - Gucci

 
A marca emblemática do grupo tem sido fortemente penalizada por restrições sanitárias e problemas logísticos na China, onde está altamente exposta – segundo os analistas, gera quase 35% das suas vendas. Atingiu 5,17 bilhões de euros no dia 30 de junho com um aumento de 15% nos dados publicados, mas apenas 8% numa base comparável. O aumento foi também de 8% na sua rede varejista, correspondendo a 91% do total de vendas. Este abrandamento ocorreu em particular no segundo trimestre, com um crescimento equivalente a 4% (após um salto de 13,4% no primeiro trimestre), e apenas 2% no canal de vendas diretas, enquanto as vendas por atacada saltaram 21% durante o mesmo período.
 
Como o CFO Jean-Marc Duplaix lembrou aos analistas durante uma teleconferência, entre abril e maio, 30% das lojas do grupo na China permaneceram fechadas, resultando num declínio de 30%-35% nas vendas no país durante o trimestre. Laurent Cathala foi nomeado, em abril, diretor do mercado chinês e está agora plenamente operacional na China.

A Gucci conseguiu compensar o declínio na China com o crescimento das vendas na sua própria rede na Europa Ocidental, Japão e América do Norte, enquanto "as tendências se apresentaram também muito dinâmicas no Sudeste Asiático", observou a Kering no seu comunicado.
 
A empresa continuou a elevar o nível da sua oferta, com mais produtos e artigos de couro de luxo, bem como a sua imagem, multiplicando as iniciativas junto dos seus clientes. Mas esta é uma estratégia a longo prazo e o aumento dos investimentos, particularmente em Marketing, bem como a queda nas vendas na China, tiveram impacto na atual margem operacional da Gucci, que se situa em 36,5% em comparação com 37,8% no primeiro semestre de 2021.
 

Saint Laurent para o outono-inverno 2022/2023 - © PixelFormula


As outras maisons do grupo foram muito bem, com a Saint Laurent na liderança, registrando um volume de negócios de 1,48 bilhão de euros (+42% em dados publicados, +34% em uma base comparável) e uma margem operacional, que "bateu um recorde de um primeiro semestre", a 29,6%, mais 3,3 pontos em comparação com o mesmo período do ano anterior. Em outras palavras, a marca confirmou o seu potencial e deverá atingir a meta de 5 bilhões de euros a médio prazo, como espera o grupo de François-Henri Pinault.
 
As vendas de varejo no segundo trimestre aumentaram 35% numa base comparável (+40% em dados publicados) graças aos clientes locais na Europa Ocidental, onde o volume de negócios da marca parisiense, ainda pouco presente na China, mais do que duplicou. A América do Norte e o Japão apresentaram excelentes resultados, a Ásia permaneceu estável, enquanto que todas as categorias de produtos cresceram mais de 30%, de acordo com o grupo. A rede atacadista, que entrou em fase de racionalização, cresceu 10% em uma base comparável graças a um nível muito elevado de encomendas.
 
A Bottega Veneta, que se encontra em plena fase de recuperação, continua a satisfazer o grupo com vendas de 834 milhões de euros (+18% em dados publicados, +13% em uma base comparável). Durante o primeiro semestre do ano, o seu lucro operacional recorrente foi de 168 milhões de euros e a margem operacional recorrente aumentou acentuadamente para 20%, de acordo com a Kering. O reposicionamento da empresa para um segmento de ponta atemporal na moda e desejável está dando frutos. Mesmo que a racionalização da sua rede de varejistas tenha afetado as vendas por atacado com uma queda de 15% nas vendas no segundo trimestre.
 
As outras maisons, incluindo a Balenciaga e Alexander McQueen, viram o seu volume de negócios aproximar-se dos 2 bilhões de euros, + 32% no dia 30 de junho (+29% em uma base comparável). "A Balenciaga e Alexander McQueen continuaram a sua trajetória de crescimento muito forte. A Brioni confirmou a força do seu ressalto", observou a Kering.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.