×
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
21 de jan. de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Indústria de perfumes enfrenta novos desafios

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
21 de jan. de 2020

Em 10 de dezembro de 2019, a Fragrance Foundation France (FFF), a associação que rege e promove o setor de fragrâncias na França, nomeou um novo conselho de administração* por um período de dois anos, e renovou o mandato de Philippe Ughetto, seu presidente desde 2012.

Para entender melhor quais são novos desafios da indústria de fragrâncias, o FashionNetwork.com entrevistou o veterano da indústria, Philippe Ughetto, vice-presidente da Doro, uma empresa especializada em embalagens de luxo para os setores de perfumaria e cosméticos. A perfumaria, aliás, é uma grande fonte de renda para as empresas de cosméticos: em 2018, apenas as vendas de fragrâncias representaram mais de dois terços da receita de 3 bilhões de euros gerada na França pelo canal de perfumaria seletiva (fonte: NPD).


Philippe Ughetto, presidente da Fragrance Foundation France - FFF - FFF


Nos últimos anos, a indústria de fragrâncias, como a de cosméticos, teve que se reestruturar, à medida que emergiram novos players e foram realizadas grandes fusões e aquisições. A onda de aquisições feitas este ano pelo especialista em fragrâncias e perfumes Givaudan é, segundo Ughetto, uma das indicações mais claras desse padrão. A mais nova aquisição do grupo suíço foi a divisão de cosméticos da empresa italiana Indena, especializada em ingredientes ativos derivados de plantas.

Assim como as indústrias de alimentos e de cuidados pessoais, o setor de perfumes está cada vez mais interessado em usar ingredientes naturais, para responder às novas expectativas dos apaixonados por fragrâncias. "Existem desafios reais relacionados ao consumo sustentável, e a indústria de fragrâncias como um todo agora está envolvida no desenvolvimento de produtos  ecológicos", diz Ughetto.

A associação que ele lidera tem cerca de 50 membros de marcas como Guerlain, Yves Rocher e L'Oréal Luxe; produtores de fragrâncias como Givaudan e Firmenich; e empresas de distribuição. No ano passado, para incentivar seus membros a se tornarem mais ecológicos e sustentáveis, a FFF organizou uma conferência sobre perfumes naturais com a Cosmebio, a associação de produtores de cosméticos naturais e orgânicos. No entanto, embora o número de marcas de perfumes certificadas como "naturais" tenha se multiplicado nos últimos anos, se tornar ecológico continua sendo um verdadeiro desafio para a indústria de fragrâncias.

"Existem muitos obstáculos técnicos, e os limites da perfumaria sustentável ainda precisam ser definidos", diz Ughetto. Outra área que o setor precisa dominar é a tecnologia digital, um desafio ainda mais maior, pois a abordagem do setor permanece tradicional. “O uso de dados digitais e IA são questões altamente debatidas no setor, especialmente no varejo. Estas tecnologias jogaram luz no comportamento do consumidor e abriram o caminho para a criação de perfumes personalizados. No entanto, aqui também as restrições tecnológicas diferem de outras indústrias, embora tenham sido feitos progressos recentemente”, diz Ughetto.

Embora os robôs ainda não tenham substituído o perfumista na criação de perfumes, o uso de ferramentas de IA está bem estabelecido no setor. A Symrise e a IBM desenvolveram a Philyra, uma ferramenta de IA capaz de gerar composições olfativas específicas, analisando mais de 1,9 milhão de formulações existentes. A escola de perfumaria da Givaudan criou o Carto: um computador vinculado a um robô capaz de desenvolver um perfume criado por designers de fragrâncias usando touch screen.

*O novo conselho é composto por:
Philippe Ughetto (Doro), presidente
Nathalie Helloin-Kamel (Takasago), vice-presidente
Victoria Rongier (Interparfums), secretária geral
Michaël Betito (Symrise), tesoureiro

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.