Inditex fatura 2.4 bilhões em nove meses, um aumento de 4,1%

O grupo galego alcançou um lucro líquido de 2.4 bilhões de euros nos primeiros nove meses do seu exercício fiscal (fevereiro a outubro), mais 4,1% do que um ano antes, enquanto as suas vendas recuperaram 3% e totalizaram 18.4 bilhões, informou hoje a empresa.


Inditex ganha 2.4 bilhões em nove meses - Inditex

O resultado operacional bruto (EBITDA) subiu quase 3%, para 3.9 bilhões, enquanto as vendas a taxas de câmbio constantes recuperaram 7%, informou hoje o grupo, detalhando que o impacto das moedas subtraiu 4,3 pontos ao crescimento do negócio e que, em termos comparáveis (mesmas lojas), as vendas aumentaram em todas as áreas geográficas nas quais opera.
 
Embora em termos absolutos o lucro e a faturação tenham registado recordes, em valores relativos (comparação ano a ano), a evolução do resultado líquido foi a pior para o período desde 2014 (quando em nove meses subiu 0,7%) e a faturação registou o menor aumento desde que está cotada em bolsa e publica contas (2001).

No entanto, a empresa sublinhou que a sua margem bruta - a diferença entre o preço sem IVA de um produto e o seu custo de produção e que, portanto, mede o lucro que uma empresa obtém pelo mesmo - ficou em 58%, 56 pontos base a mais do que um ano antes.
 
Para o presidente da Inditex, Pablo Isla, as contas são resultado "tanto da força do modelo, que continua a crescer estruturalmente de maneira sólida em todos os mercados, como do impulso contínuo da plataforma integrada, com uma constante atualização e modernização da rede global de lojas e online”.

"Estes resultados refletem um bom desempenho do modelo de negócio da Inditex", acrescentou o diretor de Relações com Investidores, Marcos López, que sublinhou que a decisão "de não participar no ambiente promocional que ocorreu no setor a partir do mês de setembro" lhes permitiu aumentar a margem bruta em 108 pontos base no período.

As vendas comparáveis (lojas físicas e online que estão abertas há mais de um ano) entre agosto e novembro (mês da "Black Friday") aumentaram 3% após um início positivo de campanha, um setembro extraordinariamente quente e um crescimento nas vendas apenas entre outubro e novembro de 5%.

"A Inditex mantém as suas expectativas de crescimento nas mesmas lojas e de margem bruta para o segundo semestre de 2018", revelou López, que lembrou que até setembro as vendas de vestuário caíram 5,9% em Espanha, 14,4% em França, 10,4% na Alemanha, 6,3% em Itália e 1,2% no Reino Unido.
 
Atualização da rede de distribuição

Quanto à rede de vendas, entre fevereiro e outubro, o maior grupo têxtil do mundo abriu lojas em 51 mercados e no final do período operava 7.442 estabelecimentos, mais 20 do que no final de julho. No encerramento dos primeiros nove meses do seu ano fiscal, a Inditex operava 7.442 lojas em 96 mercados.

O grupo galego destacou que a política de atualização permanente do modelo integrado continua a bom ritmo, incluindo a abertura de lojas em 51 mercados durante os primeiros nove meses do ano e a incorporação da mais recente tecnologia orientada para a ecoeficiência e, especialmente, para o atendimento ao cliente, tanto em novas lojas como em ampliações e renovações.

Ao mesmo tempo que atualizou o seu site e a sua aplicação com novidades importantes, a Zara instalou sete novos Pontos Automatizados de Recolha de Pedidos Online em outras tantas lojas em Milão (Itália), Bilbau (Espanha), Amsterdão (Holanda), Glasgow, Liverpool e Leicester (Reino Unido) e na renovada Zara Haussmann, em Paris, cujas portas reabrirão amanhã.

A Inditex sublinhou que todas as marcas protagonizaram aberturas significativas, ampliações e renovações de lojas em todas as áreas geográficas, bem como a absorção de unidades mais antigas.

Desta forma, continua com a política de atualização permanente e integração de lojas, para incorporar as mais recentes tecnologias e alcançar a objetivo de que todas sejam ecoeficientes até 2020. Na China, 100% do parque de lojas já é ecoeficiente
 
Em novembro, a Zara, a marca líder do grupo, lançou a venda online em 106 mercados através de um site global e, desde então, as suas coleções estão disponíveis em 202 mercados através de lojas físicas e/ou internet.
 
O objetivo da empresa é que todas as suas marcas vendam através da internet em todo o mundo em 2020.
 
A redação com com EFE / EuropaPress

Traduzido por Estela Ataíde

© EFE 2019. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos dos serviços Efe, sem prévio e expresso consentimento da Agência EFE S.A.

Moda - DiversosNegócios
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER