×
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
10 de mar. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Hugo Boss volta aos níveis pré-Covid em 2021, com crescimento de 43%

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
10 de mar. de 2022

Com um crescimento de 43% nas vendas, o grupo Hugo Boss registrou 2,786 bilhões de euros em faturamento em 2021. Um resultado quase equivalente ao de seu exercício de 2019. Como parte de seu plano "Claim 5", o grupo alemão, proprietário das marcas Hugo e Boss, espera atingir 4 bilhões em vendas até o final de seu ano fiscal de 2025.


Boss


A Europa continua sendo o principal mercado do grupo, com 1,742 bilhão de euros em vendas (+42% em relação a 2020). As Américas registraram 543 milhões de euros (+77%) e a Ásia-Pacífico 423 milhões de euros (+23%). O negócio de licenciamento totalizou 77 milhões de euros (+20%).

A moda masculina da Boss continua sendo o motor de crescimento do grupo, com vendas de 1,181 bilhão de euros, +43% em comparação com 2020; a moda feminina Bossa cresceu 46%, mas suas vendas foram limitadas a 192 milhões de euros; e, por fim, a marca Hugo saltou 45% para 413 milhões de euros, +6% a mais que em 2019.

O EBIT da empresa "melhorou significativamente" para 228 milhões de euros, ante um prejuízo de 236 milhões no ano anterior.

As vendas online atingiram 20% do volume de negócios total (sendo 26% na Europa) pela primeira vez no ano passado, tendo aumentado 85% em relação ao exercício de 2019.

Para o ano em curso, a empresa espera que as vendas atinjam 3,1 a 3,2 bilhões de euros - o que significaria um aumento de 10 a 15%. O EBIT deverá situar-se no intervalo de 250 a 285 milhões de euros.


Lojas fechadas na Rússia



A guerra na Ucrânia liderada pela Rússia deve impactar na atividade do grupo, mas a reação comercial permanecerá "mínima", segundo o CEO Daniel Grieder. "Fechamos nossas 28 lojas nesta região, mas continuamos pagando os salários de nossos quase 200 funcionários lá. Para o grupo, isso representa cerca de 3% do faturamento. Esperamos encontrar rapidamente a paz e a liberdade de que todos precisamos".

Os investidores da empresa - que inclui o grupo britânico Frasers, que nos últimos dias aumentou sua participação - esperam que a Hugo Boss possa repetir sua conquista de 2021 de superar suas metas de vendas e lucros para todo o ano.

Questionado sobre este aumento de capital, Daniel Grieder esclareceu a relação entre o grupo britânico e a empresa alemã: "Seu aumento de capital é puramente financeiro, eles não têm intenção de ir mais longe. Por outro lado, estamos discutindo sobre possíveis projetos comerciais".

O crescimento das vendas das marcas nas várias regiões deve-se a "uma notável melhora no humor dos consumidores globais a partir do segundo trimestre". Além disso, a execução bem-sucedida de várias iniciativas sob sua estratégia de crescimento CLAIM 5 "também acelerou o desempenho dos negócios no segundo semestre".

A empresa continuará investindo na digitalização de seu modelo de negócios e na modernização de sua rede de lojas. Assim, pretende implantar seu novo conceito de loja em mais de 100 pontos de venda durante o ano. A abertura de uma flagship store na Oxford Street, em Londres, no segundo trimestre “será um marco particularmente significativo".

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.