×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
21 de fev. de 2022
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Hermès, vítima do próprio sucesso?

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
21 de fev. de 2022

A Hermès registrou um ano recorde em 2021 com um crescimento de 41,8% para 8,9 bilhões de euros, uma margem de exploração excepcional de 39,3% e um lucro líquido de 2,4 bilhões de euros, que subiu 76,5% (+60% em dois anos). Como resumiu o gerente do grupo de luxo, Axel Dumas, "após 185 anos de história, tivemos o melhor ano da empresa com um aumento de +33% em comparação com o período antes da pandemia de COVID-19". 


A bolsa Birkin, um dos modelos icônicos da Hermès - © Elisa Valenzuela


Apesar disso, estratégia de crescimento orgânico da empresa, baseada na altíssima qualidade dos seus produtos e na produção amplamente integrada, que está no centro do seu sucesso, abrandou paradoxalmente a Hermès perante uma procura crescente que a empresa não foi capaz de satisfazer plenamente. No quarto trimestre, as vendas ascenderam a 2,3 bilhões de euros, "apenas" 11% a taxas de câmbio constantes em comparação com 2020 (+13,3% em dados publicados) e 28,4% em dois anos.

Em particular, os artigos de couro e selaria, que representam quase metade das receitas do grupo, caíram 5,4% (-3,3% nos dados publicados) nos últimos três meses de 2021, em comparação com 2020, enquanto cresciam 11,2% em comparação com o mesmo período em 2019. Em conferência com analistas por ocasião da publicação dos resultados anuais, Axel Dumas reconheceu que houveram dificuldades abrandamentos no ano passado devido à situação sanitária, recordando ao mesmo tempo que o couro da Hermès "é 100% feito na França. Mas o dinamismo da produção permitiu-nos aumentar em 23% em dois anos", salientou.

As vendas de artigos de couro aumentaram 29% ao longo de um ano.

Crescimento em todas as categorias



Para 2022, a Hermès prevê um crescimento de volume entre 6% e 7% para artigos de couro, ao qual se acrescentarão aumentos de preços. O CEO sublinhou a boa dinâmica de todas as categorias de produtos. "O que é novo neste período de crise é que todas as linhas de negócio tiveram uma procura absolutamente incrível, enquanto que no passado era o couro que absorvia os choques em tempos de crise", com o grupo vendendo todas as suas ações.

A relojoaria, com +73% e +77% em dois anos, e vestuário e acessórios (+59% e +44% em dois anos) registrou um crescimento sem precedentes, tal como seda e têxteis (+49% e +15% em dois anos), perfumes e beleza (47% e +19% em dois anos) e em particular os outros ofícios com joias e artigos para casa (+73% e +77% em dois anos).

Para acompanhar este desenvolvimento, a Hermès tem continuado a investir fortemente. "Nunca deixamos de investir nas nossas instalações de produção, mesmo no início da crise", observou o CEO da Hermès International. O esforço tem sido particularmente intenso em termos de estrutura e mão-de-obra (169 milhões de euros investidos em 2021). O objetivo do grupo é abrir uma loja de artigos de couro a cada 12-18 meses.


O volume de negócios e o lucro saltaram em 2021 - Hermès


Em 2021, duas novas oficinas de artigos de couro foram inauguradas na França, elevando o número total para 19. A primeira foi em Montereau (Seine-et-Marne) em junho, seguida de uma segunda em Guyenne (Gironde) em setembro. A fábrica de artigos de couro em Louviers (Eure) deverá abrir em 2022, seguida por Sormonne (Ardennes) em 2023 e por um novo local em Riom (Puy-de-Dôme) em 2024.

O recrutamento também tem acelerado a uma taxa de mil postos de trabalho preenchidos por ano. Como resultado, mais de 1.000 novos empregados irão juntar-se à Hermès em 2021. No final de dezembro, a empresa tinha 17.595 empregados, incluindo 10.969 na França. Esta mão-de-obra, no centro da estratégia da Hermès, está no centro das atenções da direção, como Axel Dumas ilustrou ao revelar que todos os artesãos e vendedores receberam um aumento bruto de 100 euros por mês na França, e que foi pago um bônus de 3.000 euros a cada empregado do grupo a nível mundial, em um montante total de cerca de 70 milhões de euros. "Cerca de 70% dos nossos empregados possuem ações da Hermès. Desde que assumi, fizemos planos de ações gratuitas, o que nos permitiu distribuir quase 800 milhões de euros de ações aos empregados", disse.

Outro fator que levou a um ligeiro abrandamento no final do ano está ligado a um aumento de preços mais baixo por parte da Hermès em comparação com os seus concorrentes. "Os nossos produtos são certamente caros, mas não caros", observou o responsável pelo grupo. "Não utilizamos os preços para aumentar as vendas. Existe uma autenticidade real por trás dos nossos produtos e uma confiança do cliente que eu não gostaria de quebrar. É todo o apelo da maison que funciona".

 "Na Hermès, estabelecemos os nossos preços principalmente de acordo com aumentos nos custos de fabricação", continuou, salientando que a Hermès pratica "uma estratégia de crescimento orgânico. Está talvez menos concentrada no crescimento do perímetro e no crescimento dos preços, com exceção dos aumentos ligados ao aumento dos custos de produção. Isto é algo sobre o qual somos bastante rigorosos em comparação com algumas práticas da indústria. Por conseguinte, estamos aumentando os nossos preços em cerca de 3%, que é a nossa inflação anual de custos. Este ano, ficou em torno de 3,5%". 
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.