×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
3 de out. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Hermès celebra o retorno da vida ao ar livre

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
3 de out. de 2022

Para o próximo verão, a mulher Hermès sonha com grandes espaços ao ar livre. Ela quer voltar a conectar-se com a natureza e respirar fundo, pronta para embarcar em grandes desafios esportivos. Para acomodar os seus desejos pós-COVID-19, depois de dois anos de pandemia, o enorme salão do Tennis Club de Paris, que acolheu o desfile para a primavera-verão 2023 da maison de luxo parisiense, no sábado (1 de outubro), foi transformado num deserto com tapete de areia sedosa e grande duna central com cores variáveis.


A capa Hermès foi inspirada em uma tenda - PixelFormula


Acompanhados por uma trilha sonora eletrônica, num clima de rave party no meio do deserto californiano, as modelos desfilaram em trajes simples e práticos de cores terrosas (bege, laranja, castanho, caramelo). Estão como que suspensas sem peso em sapatos com uma sola oca feita de uma placa de carbono, o que lhes dá uma sensação de leveza e flutuação. Estes modelos, assinados pelo designer de calçado Pierre Hardy, um colaborador de longa data da maison, lembram as sandálias elevadas japonesas.
 
Casacos, bermudas de cintura alta, calças, hoodies, parkas, blusões, gabardinas... o guarda-roupa, cortado de diferentes peles, de pele de bezerro lisa a pele de borrego e pele de bezerro de dupla face com efeito camurça, e de tecidos técnicos resistentes e impermeáveis, é composto por peças de vestuário práticas e utilitárias num espírito de caminhadas e de campismo na natureza selvagem. Assim, o colete de couro integra uma mochila nas costas, as cavas dos tops interiores  muito largas como as dos moletons esportivos, os bolsos são decorados com uma fivela de metal que recorda o mundo da escalada, tal como os cordões náuticos ou de Rapel, que assumem o guarda-roupa.

Por vezes são amarrados à cintura como um cinto. Outras vezes, são inseridos em ilhós de metal, orlando as pernas de um macacão de terracota de Siena, ou em laços de tecido para compor um vestido longo escalonado em três partes de algodão branco ou seda. Como a diretora artística Nadège Vanhee-Cybulski explicou à margem do desfile, estas cordas "são usadas para segurar, bainha e criar volumes. São como eixos com os quais podemos drapear".
 
Um acessório que reforça a afirmação da designer de moda francesa, que diz ter sido inspirada pelo trekking e caminhadas com "um lado utilitário esportivo, bem como por elementos das tendas e mochilas". Esta ideia da tenda, que pode ser montada e desmontada, percorre toda a coleção através do uso de lacagem. Aqui, uma saia é levantada por dois cordões que se cruzam sobre o peito para caírem pendurados atrás do pescoço. Acolá, permitem que uma saia ou calças largas sejam ligadas a uma camisa curta, deixando a cintura descoberta.
 

Hermès para a primavera-verão 2023 - PixelFormula


Por vezes o cordão é substituído por um fecho, que corre ao longo da cintura de certos vestidos bascos, para revelar um lado, acrescentando um toque sexy ao conjunto: "A funcionalidade pode ser chata, e é por isso que eu também queria trazer desejabilidade", diz ainda a designer de Seclin.
 
Para este regresso ao grande ar livre, Nadège Vanhee-Cybulski idealizou uma coleção claramente concebida para o ar livre, "com um lado protetor e ao mesmo tempo em harmonia com a natureza", prossegue, salientando: "Roupa de segunda pele que comunica com o mundo à nossa volta".

Uma sensação sugerida em particular pela paleta, que ocupa toda a gama desde o sol até ao último brilho vermelho antes do anoitecer, tal como aquele encarnado pelo véu preto brilhante que se sobrepõe a certas peças de vestuário vermelhas, escurecendo-as delicadamente.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.