×
Por
AFP
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
30 de nov. de 2021
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Herdeiros da Gucci ameaçam filme de Ridley Scott com ação legal

Por
AFP
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
30 de nov. de 2021

Os herdeiros da maison de moda italiana Gucci ameaçaram tomar medidas legais a respeito do novo filme de Ridley Scott "House of Gucci", por representar membros da família como "hooligans".


A carta dos herdeiros diz que a família ficou particularmente ofendida com a representação de Reggiani, "uma mulher condenada por ordenar o assassinato de Maurizio Gucci" - House of Gucci/Instagram


Já se especula que Lady Gaga, protagonista do filhe, pode ganhar um Oscar na categoria de melhor atriz. Gaga representa Patrizia Reggiani, que foi condenada por ter comandado o assassinato do herdeiro da maison de moda Maurizio Gucci (interpretado por Adam Driver), nos anos 90. 

"A família Gucci reserva o direito de tomar todas as iniciativas para proteger o seu nome e imagem, bem como os dos seus entes queridos", disse uma carta assinada pelos herdeiros do fundador Aldo Gucci, publicada pela agência de notícias italiana ANSA.

O filme é dirigido pelo premiado Ridley Scott, responsável por alguns dos filmes mais icônicos dos últimos 40 anos, incluindo "Alien" (1979), "Blade Runner" (1982), "Thelma & Louise" (1991) e "Gladiator" (2000).
 
A carta dos herdeiros diz que a família ficou particularmente ofendida com a representação de Reggiani, "uma mulher condenada por ordenar o assassinato de Maurizio Gucci... como vítima". E queixa-se que Aldo Gucci e familiares foram retratados como "hooligans, ignorantes e insensíveis ao mundo à sua volta".
 
A família Gucci não tem estado envolvida com a maison desde os anos 90. A marca de luxo é atualmente propriedade do grupo francês Kering.

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.