×
Por
AFP-Relaxnews
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
23 de nov. de 2021
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Harry Styles, ícone de uma geração desestereotipada

Por
AFP-Relaxnews
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
23 de nov. de 2021

Apesar de não se definir como um ícone da moda, Harry Styles pode se orgulhar de ter contribuído amplamente, em apenas um ano, para democratizar uma moda mais fluida e sem gênero, tornando-se involuntariamente o líder de uma geração que quer acabar com os estereótipos. O ator e cantor britânico está agora consolidando esse status com o lançamento de sua marca de cosméticos vegana e limpa, com produtos voltados para mulheres e homens.



Harry Styles cultiva há anos uma aparência andrógina em tapetes vermelhos, eventos sociais e shows. Mas foi no final de 2020, há apenas um ano, que o astro rompeu definitivamente os códigos de uma moda que sempre se baseou na dualidade homem-mulher, aparecendo na capa da poderosa Vogue com um vestido Gucci. Foi a primeira vez que um homem foi imortalizado na capa da edição americana da famosa revista com um traje até então voltado para as mulheres. Os ditames de gênero foram então abalados.


Acabando com os estereótipos

Como em qualquer (r) evolução, essa cobertura não obteve unanimidade do público, por vezes gerando críticas e insultos, provocando inevitavelmente um debate. Mas Harry Styles foi inegavelmente favorecido por uma geração altamente influente, a Geração Z, que é, mais do que nunca, solidária e até inflexível quando se trata de acabar com tudo aquilo que pode parecer um estereótipo. “Em termos de target de marketing, a Geração Z não se encaixa nas caixinhas, até porque não suporta os estereótipos que lhe são transmitidos pelos mais velhos. Por exemplo, é totalmente alérgica à noção de gênero”, explica Eric Briones, diretor de redação do Journal du Luxe.

Não há dúvida de que o cantor britânico não só entendeu a mensagem desta geração que as marcas lutam para decifrar, mas também - e acima de tudo - optou por abraçá-la. Embaixador da Gucci, Harry Styles não deixa há um ano de cultivar esse gênero fluido da moda sem intenção de provocar ou chocar, apenas o desejo de expressar sua singularidade, sua personalidade, através do que há de mais básico e mais visível, a moda e a beleza.

A sua notoriedade tem crescido de forma constante nos últimos meses, sendo uma das figuras mais influentes do mundo na moda. Em março deste ano, Harry Styles usou um boá no pescoço durante a sua apresentação no Grammy Awards, em Los Angeles, criando um obsessão quase inédita por um acessório até então considerado essencialmente feminino. A plataforma global de pesquisa de moda Lyst observou então um salto de 1.500% nas pesquisas por boas de penas, apenas dois dias após a aparição da cantor britânico no evento musical.

Seu estilo muito pessoal, focado em uma noção essencial em 2021, a autoexapressão, também lhe rendeu o topo do ranking 'The Year in Fashion', elaborado pela plataforma Lyst, alguns meses antes, oferecendo a ele o título de personalidade mais bem-vestida do ano, uma recompensa pelos inúmeros picos de pesquisa gerados pelas roupas usadas em seus videoclipes, ou durante suas saídas públicas.

O cantor também causou furor mais uma vez na capa da DAZED, há poucos dias, posando com uma pantalona e um top recortado em uma motocicleta, e no artigo com um vestido de malha verde e meia-calça de bolinhas, um macacão semitransparente e um casaco acolchoado de grandes dimensões. Um shooting que confirma seu desejo de não se envolver com estereótipos e ditames que, durante meses, parecem se dobrar sob o peso de uma geração mais livre do que nunca. “É engraçado porque não me vejo como um ícone de estilo...mas reunir as pessoas é do que mais me orgulho”, disse Harry Styles à revista de moda. Um bom entendedor!


O poder de uma marca



Harry Styles não pretende baixar a guarda, ao contrário, passando hoje de influenciador a ator de uma moda - e beleza - sem gênero. O astro acaba de apresentar Pleasing, sua primeira empresa - que, certamente, não vai passar por crise alguma - e que assume a forma de uma marca de cosméticos veganos e limpos, para todos. Das cores escolhidas para o site às fotos de campanha e produtos, a inclusão reina. Esmalte, sérum e roller refrescante para olhos e lábios, os primeiros cosméticos da marca são voltados para homens e mulheres.

Mais um passo no desejo de desenhar os contornos de uma sociedade mais inclusiva, que mais une do que divide, e cuja beleza e moda são um dos primeiros espelhos. Além da noção de gênero, trata-se de acabar com uma representação única de feminilidade ou masculinidade, e oferecer a todos o espaço que merecem para se expressar.

Copyright © 2021 AFP-Relaxnews. All rights reserved.