H&M vê seu lucro crescer 3,4% em seu primeiro trimestre fiscal

A cadeia têxtil sueca Hennes & Mauritz (H&M) obteve um lucro líquido atribuído de 2.457 bilhões de coroas suecas (862.8 milhões de reais) no primeiro trimestre do seu exercício fiscal, que transcorreu entre dezembro de 2016 e fevereiro de 2017, o que representa um crescimento de 3,4% em relação ao mesmo período do exercício anterior.

H&M prevê abrir durante 2017 suas primeiras lojas no Cazaquistão, Colômbia, Islândia, Vietnã e Geórgia.​ - Archivo

A companhia escandinava apontou que seus resultados do primeiro trimestre se viram negativamente afetados por um crescimento das vendas inferior ao previsto, assim como por maiores descontos.
 
O volume de negócios da H&M entre dezembro de 2016 e fevereiro de 2017 ascendeu a um total de 54.369 milhões de coroas suecas (19.092 bilhões de reais), ou 7,4% mais que no mesmo período do exercício anterior.
 
A H&M contava a 28 de fevereiro com um total de 4.393 lojas, depois de ter levado a cabo 68 aberturas e encerrado 26 estabelecimentos, das quais 169 lojas se localizam na Espanha, onde a companhia sueca faturou no primeiro trimestre 1.882 milhões de coroas, 2,8% mais que um ano antes.
 
"Para os varejistas de moda em geral, as condições de mercado foram muito difíceis em muitos dos nossos grandes mercados do centro e sul da Europa, assim como nos Estados Unidos, e isso se refletiu em nossas vendas", declarou Karl-Johan Persson, CEO da H&M.
 
Neste sentido, o executivo apontou que, para enfrentar as rápidas mudanças no setor, a companhia necessita de ser mais flexível e mais rápida em seus processos de trabalho, incluindo a compra e distribuição das coleções.

"Estamos investindo de forma significativa em nossa cadeia de abastecimento, assim como em novas soluções logísticas com maiores níveis de automatização, mas também na otimização dos nossos prazos de entrega", acrescentou Persson.
 
Por outro lado, a H&M tem previsto abrir durante 2017 suas primeiras lojas no Cazaquistão, Colômbia, Islândia, Vietnã e Geórgia., assim como lançar em meados de 2017 seus serviços "on-line" em seis novos mercados (Turquia, Taiwan, Hong Kong, Macau, Singapura e Malásia).
 
A cadeia têxtil sueca espera encerrar o exercício com um crescimento líquido de 430 novas lojas, das quais a maior parte será de lojas H&M e entre 70 e 80 abrirão sob as marcas COS, & Other Stories, Monki, Weekday e ARKET.
 
H&M Home manterá seu ritmo de expansão com a soma de 60 novos estabelecimentos em 2017. Além disso, a companhia prevê inaugurar em 2018 suas primeiras lojas independentes da H&M Home.
 
"A otimização do nosso portfólio de lojas também continua, particularmente naqueles mercados que não funcionaram suficientemente bem", apontou o CEO da H&M, referindo-se à possibilidade de fechamento de lojas, ampliação da sua superfície de venda e reformas.
 
Além disso, Persson anunciou que a cadeia têxtil sueca se encontra imersa no processo de desenvolvimento de uma nova e melhorada versão das suas lojas H&M "com uma nova aparência visual".

Traduzido por Anderson Alexandre Da Silva

Copyright © 2019 Europa Press. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos aqui apresentados sem o prévio e expresso consentimento.

Moda - Pronto-a-vestirModa - AcessóriosModa - CalçadosModa - DiversosDistribuição
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER