×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
24 de nov. de 2022
Tempo de leitura
6 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Gucci confirma saída de Alessandro Michele

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
24 de nov. de 2022

A lua de mel acabou entre a Gucci e o seu diretor artístico Alessandro Michele. O designer italiano deixa a maison de luxo, anuncia a Kering, proprietária da marca italiana. "Há momentos em que os caminhos se separam por causa das diferentes perspectivas de cada um. Hoje, termina para mim uma viagem extraordinária que durou mais de 20 anos, numa empresa à qual consagrei incansavelmente o meu amor e a minha paixão criativa. Durante este longo período, a Gucci foi a minha casa, a minha família adotiva. A esta família ampliada, a todas as pessoas que a têm cuidado e apoiado, estendo os meus sinceros agradecimentos e abraço-as do fundo do meu coração", explicou o diretor criativo em declaração enviada na quarta-feira (23 de novembro) pelo grupo de luxo.


Um dos primeiros looks da Gucci de sucesso assinados por Alessandro Michele - PixelFormula


O designer agradeceu às equipes da Gucci, mas também apresentou uma mensagem sob a forma de uma ode à criatividade. "Ao seu lado, eu desejei, sonhei, imaginei. Sem eles, nada que eu tivesse construído teria sido possível. A eles, dirijo os meus mais sinceros desejos: que continuem a ser alimentados pelos sonhos, o material delicado e impalpável que faz a vida valer a pena. Que continuem a ser alimentados por imaginações poéticas e inclusivas, permanecendo fiéis aos seus valores. Que vivam sempre pelas suas paixões, movidos pelo vento da liberdade". Esta declaração confirma a informação divulgada pela imprensa comercial americana divulgada pela manhã.

"Tive a oportunidade de me encontrar com Alessandro no final de 2014. Desde então, temos tido o prazer de trabalhar em estreita colaboração, uma vez que a Gucci traçou o seu rumo para o sucesso nos últimos oito anos", disse Marco Bizzarri, CEO da Gucci, na mesma declaração. "Gostaria de lhe agradecer pelos seus 20 anos de dedicação à Gucci, bem como pela sua visão, dedicação e amor incondicional por esta Maison excepcional como Diretor Criativo".  

Há algum tempo havia questionamentos se o designer romano deveria permanecer no seu posto, uma vez que as vendas caíram significativamente desde o início do ano. Um problema a ser resolvido rapidamente para a empresa de François-Henri Pinault, que depende fortemente da sua marca estrela.

No entanto, o patrão do gigante de luxo francês também elogiou o trabalho do designer italiano: "O caminho que a Gucci e Alessandro percorreram juntos nos últimos anos é único, e continuará a ser um momento extraordinário na história da maison. Estou grato a Alessandro pelo seu envolvimento pessoal nesta aventura. A sua paixão, imaginação, criatividade e cultura ajudaram a recolocar a Gucci no mapa onde pertence. Desejo-lhe as maiores felicidades para o resto da sua viagem criativa".  

Por enquanto, a Kering e a Gucci declaram que o estúdio criativo da marca atuará como responsável interino da direção criativa até que uma nova organização seja anunciada.


Alessandro Michele no seu último desfile da Gucci em setembro - © PixelFormula


A Gucci, a força motriz por rás da Kering, atingiu vendas de 9,73 bmilhões de euros em 2021, mais 31%, representando mais de metade do volume de negócios do grupo e três quartos do seu lucro operacional. No terceiro trimestre, registou um crescimento orgânico de 9% contra +4% no segundo trimestre (+18% em dados publicados), e 8% nos primeiros nove meses do ano para 7,75 mil milhões. Na altura da publicação destes resultados em outubro, a direção tinha repetido em uníssono que a recuperação estava em curso, mas que se tratava de uma estratégia a médio e longo prazo. Obviamente, a Kering preferiu optar por uma mudança radical.
 
Com a chegada de Alessandro Michele e do CEO Marco Bizzarri ao leme em 2015, a maison experimentou um salto fantástico até 2019, antes de marcar o tempo devido à forte exposição do coronavírus COVID-19 e da Gucci na China. Mas a sua desaceleração acelerou desde o início de 2022, enquanto outras maisons de luxo registravam um crescimento recorde. 

Com a sua eclética e abundante moda, misturando géneros e influências entre excentricidade e peças mais clássicas, o designer tinha conseguido criar uma nova dinâmica em torno da maison histórica, que estava perdendo dinamismo na altura, criando um forte zumbido à sua volta. O seu sucesso imediato foi acompanhado por uma estratégia de criação de um universo único e reconhecível em torno do seu estilo, que foi enriquecido por pequenos toques ao longo das estações do ano.

Esta mesma estética proposta de estação para estação parece ter esgotado durante o último ano e parece menos desejável hoje em dia.
 
Luca Solca da Bernstein não hesita em qualificar esta partida como uma "muito boa notícia", mesmo correndo o risco de fazer o preço das ações da Kering vacilar. O analista acredita que "a Gucci sofre de cansaço da marca, uma vez que Alessandro Michele tem vindo a repetir o mesmo do mesmo repetidamente nos últimos sete anos", o que acabou por aborrecer os consumidores que compraram massivamente os produtos da marca desde a chegada do designer, nomeadamente os chineses. "Isto não surpreende. Para acelerar novamente, a Gucci precisa abrir um novo capítulo criativo. O que – com toda a probabilidade – só pode ser feito com nova energia e talento criativo", afirma no respectivo comunicado.
 

O mais recente desfile de moda sob o tema 'gêmeos' de Alessandro Michele foi um grande sucesso - © PixelFormula


Os analistas da RBC fizeram eco deste ponto de vista. "Após sete anos ao leme do motor criativo da Gucci, pode muito bem ser tempo para uma mudança, e parece haver um consenso entre os investidores institucionais de que é necessária uma nova abordagem para reavivar a marca", dizem, observando que "globalmente, a noção de uma mudança de direção criativa na Gucci é suscetível de ser vista positivamente".
 
Nos últimos meses, a Gucci sofreu um recrutamento significativo com a nomeação na primavera passada de Laurent Cathala como diretor de negócios de moda na Grande China, e Maria Cristina Lomanto como vice-presidente executiva, diretora geral da marca. Benjamim Cercio acaba de ser nomeado diretor de Comunicações Globais, enquanto Robert Triefus foi promovido a diretor geral da Gucci Vault e Metaverse Ventures.
 
Mais importante ainda, foi criado o cargo de diretor de Studio, que foi atribuído a um dos designers seniores da Gucci, cujo nome não foi divulgado. A sua missão é supervisionar a equipe de design, dando apoio ao diretor artístico. Uma posição que se pode revelar estratégica a partir de agora para assegurar a transição ou, porque não, para lhe suceder. Um pouco como o que aconteceu na Bottega Veneta, outra marca da Kering, com Matthieu Blazy substituindo Daniel Lee na queda, quando este foi demitido há apenas um ano. Ou mesmo na Gucci, quando Alessandro Michele, que estava na maison desde 2002, tornando-se o braço direito de Frida Giannini a partir de 2011, se viu catapultado para a direção criativa de um dia para o outro.

Ao abrir os horizontes da marca em direção a uma moda de gênero e inclusiva, Alessandro Michele ajudou notavelmente a rejuvenescer a clientela nos últimos anos. Formado na Accademia Alta Moda - Scuola di Moda a Roma, o designer de 50 anos começou na Les Copains, onde rapidamente se mudou para acessórios. No final dos anos 90, juntou-se à Fendi, onde ainda segue esta categoria de produtos e trabalha ao lado de Karl Lagerfeld, que na altura desenhava as coleções de roupas femininas. Em 2002, Tom Ford convidou-o a integrar a Gucci para trabalhar em acessórios, onde subiu nas fileiras para se tornar diretor criativo associado da diretora artística Frida Giannini. Tornou-se também diretor artístico da fábrica de porcelana Ginori fundada em 1735, que foi adquirida pela Kering em 2013.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.