Givaudan investe 20 milhões de francos suíços em Grasse

Zurique, 13 de novembro de 2018 (AFP) - O grupo suíço Givaudan, líder mundial em fragrâncias e sabores, a anunciou na terça-feira (12) um investimento de 20 milhões de francos suíços (17,6 milhões de euros) em sua instalação em Grasse, adquirida com a compra da empresa francesa Expressions Parfumées em junho.


Archives AFP

O investimento visa expandir e modernizar os laboratórios de pesquisa, bem como os equipamentos de produção com a ajuda de novos sistemas robóticos e de digitalização, disse o grupo suíço em um comunicado. Segundo a empresa, este trabalho deve ser concluído no primeiro semestre de 2020.

A Givaudan pretende, portanto, fortalecer as capacidades das instalações em Grasse para apoiar o crescimento da empresa cuja compra foi concluída em junho. "Um trimestre depois de sua aquisição definitiva, a Expressions Parfumées já está produzindo resultados muito promissores", disse Maurizio Volpi, presidente da divisão de perfumes, citado no comunicado.

Fundada em 1982, a Expressions Parfumées é especializada em composições naturais de perfumes e conta com uma variedade de perfumes concebidos para se adaptarem a qualquer produção biológica.

A Givaudan, que produz fragrâncias para os principais nomes da perfumaria, como Dior, Paco Rabanne e Prada, se fortaleceu na França este ano com a compra da Expressions Parfumées em junho, seguida pela Naturex em setembro.

Esta segunda aquisição, concluída no final de uma oferta pública de aquisição em duas fases, lhe permitiu completar a sua gama de extratos vegetais e ingredientes naturais, utilizados nos setores da alimentação e bebidas, bem como da saúde, nutrição e cosméticos.

Com sede em Vernier, na região de Genebra, a Givaudan é ativa em perfumes, perfumaria fina, mas também na produção de aromas para produtos de lavanderia e higiene, alimentos e bebidas.

Traduzido por Novello Dariella

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.

PerfumesIndústriaNegócios
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER