×
532
Fashion Jobs
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas Pleno - Treinamento e Desenvolvimento
Efetivo - CLT · Guaramirim
CAMICADO
Supervisor de Vendas e Operação de Loja - Brasília
Efetivo - CLT · Brasília
RENNER
Encarregado de Logistica E-Commerce
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
GRUPO BOTICARIO
Analista Gestão de Riscos Csc pl
Efetivo - CLT · Curitiba
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral
RENNER
Supervisor de Vendas| Imperial Shopping - Imperatriz ma
Efetivo - CLT · Imperatriz
RENNER
Supervisor de Vendas| Shopping Golden Calhau - São Luís
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| São Luís Shopping
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| Natal Shopping
Efetivo - CLT · Natal
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral
RENNER
Supervisor de Vendas| Imperial Shopping - Imperatriz ma
Efetivo - CLT · Imperatriz
RENNER
Supervisor de Vendas| Shopping Golden Calhau - São Luís
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| São Luís Shopping
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| Natal Shopping
Efetivo - CLT · Natal
RENNER
Executivo Comercial
Efetivo - CLT · Porto Alegre
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Cidade de São Paulo
Efetivo - CLT · São Paulo
VIVARA
Aprendiz Comercial - Center Shopping Uberlândia
Efetivo - CLT · Uberlândia
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Del Rey
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Uberaba
Efetivo - CLT · Uberaba
RENNER
Buyer (Fashion Buyer)
Efetivo - CLT · Porto Alegre
RENNER
Supervisor de Vendas
Efetivo - CLT · Sumaré
RENNER
Supervisor Comercial de Operações de Varejo
Efetivo - CLT · São Paulo

Gigantes globais da moda estão preocupados com a proibição de venda de gado para abate na Índia

Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
today 31 de mai de 2017
Tempo de leitura
access_time 3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Exportadores indianos estão se manifestando para garantir que clientes globais como Zara e Giorgio Armani recebam suas mercadorias, apesar da repressão por parte do governo da Índia contra o abate de gado, que está ameaçando a lucrativa indústria do couro no país.


Armani Privé - Primavera/ Verão 2017 - Alta Costura - Paris - © PixelFormula


O governo indiano anunciou, na semana passada, a proibição da venda de gado para o abate, medida que surpreendeu as grandes marcas da moda que gastam bilhões de dólares por ano em couro proveniente da Índia, para fabricar sapatos, bolsas e casacos.

"Eles nos ligando e escrevendo e-mails perguntando quais serão as conseqüências e não sei o que responder", disse Mohammad Zia Nafees, cuja empresa com sede em Kolkata vende couro para sapatos à Zara e Marks & Spencer.

A nova controversa medida bloqueia o fornecimento de carne bovina e couro indiano a grupos industriais.  Alguns estados, onde o abate de vacas é permitido, prometeram lutar contra a decisão.

A Índia é o segundo maior produtor mundial de calçados e roupas de couro e, no ano passado, vendeu 13 bilhões de dólares em produtos para metade dos clientes no exterior. Segundo grupos industriais, estes clientes estão bastante descontentes com a nova medida.

“A minha família tem trabalhado com marcas como Radley e Armani nas últimas décadas e agora elas estão nos perguntando se conseguiremos cumprir com nossos compromissos", disse Imran Ahmed Khan, do Council for Leather Exports, à AFP.

“No momento, a indústria está em pânico. É como se tivéssemos recebido uma sentença de morte com o governo de Modi."

As vacas são consideradas sagradas pelos hindus e a nova proibição foi justificada para evitar a crueldade contra os animais. 

Mas os críticos acusaram o partido nacionalista Bharatiya Janata (BJP) de seguir uma linha religiosa muito dura.

O BJP vem pressionando para obter proteções mais fortes para as vacas durante a liderança do Primeiro-ministro, Narendra Modi. Houve um aumento nos ataques dos vigilantes contra criadores de gado desde que Modi assumiu o cargo em 2014.

Industriais disseram que o recente decreto vai contra o objetivo de Modi de criar empregos e atrair investimentos estrangeiros, e que as empresas compradoras de couro indiano podem trocar de fornecedor caso o decreto não seja revogado.

Os vizinhos Bangladesh e Paquistão, ambos principais produtores de vestuário, são em sua maioria muçulmanos, mas não vêm problema no abate de vacas.

A indústria espera que a decisão (que afeta não apenas as vacas, mas o comércio de touros, boi, búfalos, bezerros e camelos) seja revista ou alterada para excluir búfalos, um animal que não é considerado sagrado, mas valorizado por seu couro.

O abate de vacas, bem como a posse ou o consumo de carne bovina, é proibido na maior parte da Índia. Alguns estados prevêem prisão perpétua em caso de infrações.

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.