×
162
Fashion Jobs
L'OREAL GROUP
Analista de Business Intelligence Pleno - Divisão Grande Público
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
CAEDU
Analista de Controladoria jr
Efetivo - CLT · São Paulo
INTJOBS
Missão Humanitária Internacional de Saúde: Todas as Especialidades
Efetivo - CLT · RIO DE JANEIRO
CAEDU
Analista de Produtos Financeiros pl
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Analista CRM pl - Segmentação
Efetivo - CLT · São Paulo
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Cidade de São Paulo
Efetivo - CLT · São Paulo
VIVARA
Aprendiz Comercial - Center Shopping Uberlândia
Efetivo - CLT · Uberlândia
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Del Rey
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Uberaba
Efetivo - CLT · Uberaba
AMARO
Compliance Analyst
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
MARISOL
Auxiliar de Estilo
Efetivo - CLT · Jaraguá do Sul
L'OREAL GROUP
Formador(a) Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
MARISOL
Operador Beneficiamento - Acabamento de Malhas
Efetivo - CLT · Jaraguá do Sul
CAEDU
Analista de Atração e Seleção jr
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Jovem Aprendiz
Efetivo - CLT · Cajamar
AMARO
Gerente de Loja Campinas
Efetivo - CLT · Campinas
AMARO
Gerente de Loja Porto Alegre
Efetivo - CLT · Porto Alegre
L'OREAL GROUP
Analista de Laboratório (Hair da)
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
L'OREAL GROUP
Operações - Analista de Transporte Outbound
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
L'OREAL GROUP
Coordenador de Jbp - Divisão Grande Público
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
L'OREAL GROUP
Analista de Laboratório (Fotoproteção)
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
MARISOL
Assistente Administrativo - Comunicação Interna
Efetivo - CLT · Jaraguá do Sul
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
28 de out de 2020
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Gigantes de luxo se recuperam no terceiro trimestre graças à Ásia e aos Estados Unidos

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
28 de out de 2020

Os resultados trimestrais dos gigantes do luxo devolvem a confiança à indústria e ao mercado. Após dois trimestres difíceis, fortemente afetados pela pandemia de COVID-19, Hermès, LVMH e Kering ilustraram a resiliência do setor, com vendas aumentando acentuadamente na China, na América do Norte e na Internet.


Hermèsretomou o crescimento este verão - © PixelFormula


Em particular, a Hermès voltou ao crescimento nos últimos três meses, com vendas de 1,8 bilhão de euros, + 4,2% (+7% à taxas de câmbio constantes), depois de ter registrado queda de 41,5% no segundo trimestre. A Kering registrou vendas de 3,7 bilhões de euros, excedendo as expectativas. As vendas caíram apenas 4,3% (-1,2% em termos comparáveis), em comparação com uma queda de 43% no trimestre anterior.
 
A LVMH teve também um desempenho acima das expectativas dos analistas, com vendas de 11,9 bilhões de euros no terceiro trimestre,  -3% (-7% em uma base orgânica) em comparação com o mesmo período do ano passado, enquanto no segundo trimestre, a queda foi de 38%. Mas, a sua divisão de moda e artigos de couro viu as vendas saltarem 9% (+12% em termos orgânicos) para 5,9 bilhões de euros, ante uma queda de 37% no segundo trimestre.

"A procura por produtos de luxo aumentou significativamente este verão, apesar de viagens intercontinentais praticamente inexistentes", comentou Luca Solca, analista da Bernstein.


As vendas da Guccicaíram em julho e setembro - © PixelFormula


Gucci segue ainda sem recuperação

Segundo alguns especialistas, Dior e Louis Vuitton experimentaram um crescimento ainda maior entre julho e setembro. Este não foi o caso da Gucci, principal marca da Kering, cujas vendas caíram 12,1% (-8,9% em uma base comparável), para 2,09 bilhões de euros, enquanto as da Bottega Veneta aumentaram 17% (+20,7% em uma base comparável), para 332,5 milhões de euros. A Saint Laurent voltou a crescer com um volume de negócios de 510,7 milhões de euros, +0,8% (+3,9% numa base comparável).

Estas comparações destacam o sucesso das marcas de luxo mais icônicas. A Hermès se beneficia de um modelo empresarial que gera algumas das receitas mais previsíveis e do crescimento da margem operacional no setor. Com a sua imagem de marca muito forte e atemporal e produtos que se tornaram clássicos do luxo, ela sempre se mostrou mais resistente em tempos de crise do que os seus concorrentes, como foi o caso entre 2006 e 2008.

A Gucci, por outro lado, que sofreu um boom em vendas nos últimos anos com o diretor artístico Alessandro Michele, está mais ligada à sua imagem criativa. A estética muito particular e reconhecível do designer, que pode ser vista em todos os níveis da maison, gerou uma forte paixão entre os clientes. Certamente, a marca sofreu mais devido à sua maior exposição aos fluxos turísticos. Além disso, os investimentos nela injetados darão frutos a longo prazo.

De um modo geral, os bons resultados do terceiro trimestre foram impulsionados pela recuperação das vendas na Ásia, especialmente na China, onde a Hermès tem uma forte presença. "O setor do luxo está indo muito bem. A esfera asiática é muito poderosa, especialmente na China, onde aqueles que não puderam vir e comprar na Europa ainda compraram localmente", diz Arnaud Cadart, gestor de carteira da Flornoy, citado pela AFP.

Nos últimos três meses, a Hermès continuou desfrutando de um impulso positivo na Ásia, com um salto de 25,2% nas vendas na região da Ásia-Pacífico, excluindo o Japão. A empresa registrou um "desempenho notável na China continental, Coreia, Austrália e Tailândia" e uma recuperação no Japão (+8,1%).


Dior e Louis Vuitton, número 1 em luxo,experimentaram um crescimento ainda maior entre julho e setembro - © PixelFormula


A Kering relatou também um forte crescimento na Ásia, "principalmente na China e Coreia" (+18,5% na Ásia-Pacífico), e especialmente na América do Norte (+44,1%), "apoiado por uma recuperação da demanda local" e "um ambiente de consumo favorável" ligado à repatriação de despesas que os turistas americanos não puderam fazer na Europa e a medidas fiscais tomadas no Atlântico.
 
No terceiro trimestre, a LVMH registrou crescimento de 13% na Ásia, excluindo o Japão. Como destacou Jean-Jacques Guiony, o diretor financeiro do grupo, a demanda interna é muito positiva na China, mas ainda existem sérias barreiras para os consumidores chineses comprarem fora do país.
 
Por fim, para todos, as vendas online aumentaram significativamente. Segundo o diretor financeiro da Hermès, Eric du Halgouët, a loja online do grupo se tornou a principal da maison, com crescimento de quase três dígitos.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.