×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
24 de mai de 2021
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Frasers estaria interessada em adquirir a Hugo Boss

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
24 de mai de 2021

Estaria o grupo britânico Frasers prestes a fazer uma oferta multimilionária pela Hugo Boss? Alguns investidores da marca alemã parecem certamente pensar assim, e as ações de empresa dispararam na sexta-feira (21) devido a especulação de que a Frasers - que já detém mais de 15% das ações da empresa de luxo - quer assumir o controle.


Boss


O aumento de 7% no preço das ações elevou o valor da Hugo Boss para cerca de 3,2 bmilhões de euros. Isso aconteceu após o Telegraph reportar que a Frasers, que havia afirmado anteriormente que pretendia ser um “acionista solidário” da Hugo Boss, estaria interessada na empresa. Supostamente, o grupo britânico teria comprado mais ações da empresa alemã nos últimos meses, o que poderia fazer parte da sua estratégia mais ampla para “elevar” a sua oferta.
 
A Frasers tem igualmente uma participação significativa na especialista em couro de alta qualidade Mulberry e tem trabalhado arduamente para expandir os seus negócios de alta gama, nomeadamente através da abertura de novas lojas próprias para a sua cadeia Flannels.

Proprietário da Sports Direct, da Jack Wills e da House of Fraser, o grupo britânico não tem se limitado a adquirir ações em empresas de luxo, e possui também uma participação considerável no Studio Retail.

A empresa tem uma longa história de compra estratégica de ações sem tentar assumir o controle dos negócios nos quais investe. Isso não significa, no entanto, que esse movimento esteja fora de questão. Algo comprovado pela sua longa - e, por fim, mal sucedida - tentativa de assumir o controle da Debenhams (tendo começado pela compra de uma participação minoritária).
 
Se a Frasers quiser efetivamente comprar a Hugo Boss, ela pode não estar sozinha nessa intenção. No mês passado, as ações da empresa subiram igualmente após informações de que a LVMH também estaria interessada.

Nem a Frasers nem a Hugo Boss comentaram a afirmações do Telegraph.
 
Enquanto isso, a Hugo Boss avança com o seu plano de recuperação e terá, em breve, um novo CEO no comando. O seu novo líder, Daniel Grieder, que assume funções no próximo mês, quer mais do que duplicar as receitas em cinco anos, adiantou na sexta-feira a Manager Magazin.
 
Segundo o antigo líder da Tommy Hilfiger, não há motivos para a Hugo Boss não ser capaz de imitar as conquistas da Hilfiger.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.