×
177
Fashion Jobs
CAEDU
Analista de Controladoria pl
Efetivo - CLT · São Paulo
L'OREAL GROUP
Analista de Business Intelligence Pleno - Divisão Grande Público
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
INTJOBS
Missão Humanitária Internacional de Saúde: Todas as Especialidades
Efetivo - CLT · RIO DE JANEIRO
CAEDU
Analista de Produtos Financeiros pl
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Analista CRM pl - Segmentação
Efetivo - CLT · São Paulo
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Cidade de São Paulo
Efetivo - CLT · São Paulo
VIVARA
Aprendiz Comercial - Center Shopping Uberlândia
Efetivo - CLT · Uberlândia
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Del Rey
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Uberaba
Efetivo - CLT · Uberaba
AMARO
Compliance Analyst
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
CAEDU
Operador de Loja - Intermitente
Efetivo - CLT · São Vicente
CAEDU
Operador de Loja - Intermitente
Efetivo - CLT · Itu
CAEDU
Operador de Loja - Intermitente
Efetivo - CLT · Itapevi
CAEDU
Operador de Loja - Intermitente
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Analista Financeiro jr - Tesouraria
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Analista Financeiro jr - Contas a Pagar
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Analista Detecção de Fraude pl
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Supervisor de Vendas
Efetivo - CLT · Osasco
CAEDU
Operador de Loja - Intermitente
Efetivo - CLT · Osasco
CAEDU
Operador de Loja - Intermitente
Efetivo - CLT · Poá
AMARO
Facilities Lead
Efetivo - CLT · São Paulo
AMARO
Digital Product Analyst
Efetivo - CLT · São Paulo
Por
Reuters
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
29 de out de 2020
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

França e Alemanha anunciam lockdown enquanto segunda onda da Covid-19 varre a Europa

Por
Reuters
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
29 de out de 2020

O presidente francês Emmanuel Macron e a chanceler alemã, Angela Merkel, anunciaram um novo lockdown, enquanto uma segunda onda de infecções por coronavírus ameaça a Europa.


Reuters


Os mercados de ações mundiais foram derrubados em resposta à notícia de que as maiores economias da Europa estão impondo restrições nacionais quase tão severas quanto as que conduziram a economia global deste ano à sua recessão mais profunda em décadas.

“O vírus está circulando a uma velocidade que não era esperada nem mesmo pelas previsões mais pessimistas”, disse Macron em um discurso televisivo. “Como todos os nossos vizinhos, estamos submersos pela aceleração repentina do vírus”. “Estamos todos na mesma posição: invadidos por uma segunda onda que sabemos que será mais difícil, mais mortal do que a primeira”, disse ele. “Decidi que precisamos voltar ao lockdown que parou o vírus.”

De acordo com as novas medidas francesas que entram em vigor na sexta-feira (30), as pessoas serão obrigadas a permanecer em suas casas, exceto para comprar itens essenciais, procurar atendimento médico ou fazer exercícios por até uma hora ao dia. Elas serão autorizados a trabalhar se o empregador considerar que não é possível trabalhar de casa. As escolas permanecerão abertas.

Como nos dias mais sombrios da primavera europeia, quem sair de casa na França agora terá que carregar consigo um documento que justifique sua saída, que pode ser verificado pela polícia.

A Alemanha fechará bares, restaurantes e teatros de 2 a 30 de novembro sob medidas acordadas entre Merkel e chefes de governos regionais. As escolas permanecerão abertas e as lojas poderão operar com limites de acesso.

“Precisamos agir agora”, disse Merkel. “Nosso sistema de saúde ainda pode lidar com esse desafio hoje, mas com essa velocidade de infecções, ele atingirá o limite de sua capacidade em semanas”.

Seu ministro da Fazenda, Olaf Scholz, publicou no Twitter: “Novembro será o mês da verdade. O número crescente de infecções está nos forçando a tomar contramedidas duras para quebrar a segunda onda”.

A França tem registrado mais de 36.000 novos casos por dia. A Alemanha, que foi menos atingida do que seus vizinhos europeus no início deste ano, viu um aumento exponencial nos casos. Nos Estados Unidos, uma nova onda de infecções vem batendo recordes seis dias antes das eleições. O presidente Donald Trump minimizou o vírus e não mostra sinais de que irá cancelar comícios públicos, onde seus apoiadores geralmente se recusam a usar máscaras ou manter uma distância segura.

Os mercados de ações europeus fecharam em seus níveis mais baixos desde o final de maio na quarta-feira (28). Nos Estados Unidos, o S&P 500 caiu 3%.

Em um esforço para reduzir o impacto econômico, a Alemanha irá reservar até 10 bilhões de euros (12 bilhões de dólares) para reembolsar parcialmente as empresas pelas vendas perdidas. A Itália reservou mais de 5 bilhões de euros.

SE ESPERARMOS SERÁ TARDE DEMAIS

Embora os líderes estejam desesperados para evitar o prejuízo dos lockdowns, as novas restrições refletem preocupação com o ritmo galopante da pandemia na Espanha, França,  Alemanha, Rússia, Polônia e Bulgária.

“Se esperarmos até que as unidades de terapia intensiva estejam cheias, será tarde demais”, disse o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, cujo país já acolheu pacientes da vizinha Holanda, onde os hospitais atingiram seus limites.

A vice-primeira-ministra russa, Tatiana Golikova, disse na quarta-feira que os leitos hospitalares atingiram 90% da capacidade em 16 regiões do país, enquanto as autoridades alertaram que mesmo sistemas de saúde bem equipados como os da França e da Suíça podem chegar ao limite em alguns dias.

As esperanças de que novos tratamentos possam conter a disseminação do vírus foram abaladas quando o chefe da força-tarefa de aquisição de vacinas da Grã-Bretanha disse que uma vacina totalmente eficaz pode nunca ser desenvolvida e que as primeiras versões provavelmente serão imperfeitas.

Os números publicados pela Organização Mundial de Saúde na terça-feira (27) mostraram que a Europa reportou 1,3 milhão de novos casos nos últimos sete dias, quase metade dos 2,9 milhões relatados em todo o mundo, com mais de 11.700 mortes, um salto de 37% em relação à semana anterior.

Até agora, mais de 42 milhões de casos e mais de 1,1 milhão de mortes pelo vírus foram registrados em todo o mundo, que foi identificado pela primeira vez na cidade chinesa de Wuhan no final do ano passado.

Governos em toda a Europa têm sido criticados pela falta de coordenação e por não usar o período de trégua nos casos durante o verão para reforçar as defesas, deixando hospitais despreparados.

Desde o fim de semana passado, polícia e manifestantes entraram em confronto repetidamente em cidades italianas de Nápoles a Turim. Proprietários de restaurantes e grupos empresariais têm sido críticos. "Às 18h o transporte público costuma estar lotado. Você se arrisca porque tem que trabalhar. Você usa máscara, álcool gel", disse Elio Venafro após descer de um ônibus no centro de Roma na quarta-feira. "É o novo normal".

© Thomson Reuters 2021 Todos os direitos reservados.