×
Publicidade
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
19 de out. de 2021
Tempo de leitura
5 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Festival de Hyères 2021 homenageia artista britânico Ifeanyi Okwuadi

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
19 de out. de 2021

A 36.ª edição do Hyères International Fashion and Photography Festival terminou no domingo (17 de outubro) com o anúncio dos resultados na Villa Noailles, frente a um público numeroso. O concurso de moda destacou mais do que nunca, este ano, a grande atenção dada pelos jovens designers ao desenvolvimento sustentável com propostas e abordagens originais, as quais foram notavelmente recompensadas. O designer britânico Ifeanyi Okwuadi foi agraciado com o grande prêmio do júri da Première Vision, presidido por Louise Trotter, com uma coleção de roupa masculina muito procurada.


Look assinado pelo vencedor Ifeanyi Okwuadi - ph Etienne Tordoir/Catwalkpictures.com


Filho de mãe da Serra Leoa e de pai nigeriano, natural de Londres, o estilista de 27 anos seduziu o júri com uma coleção sofisticada que revisitava os códigos do vestuário tradicional masculino, inserindo referências à moda infantil, tais como calções curtos, malha com um decote em V trançado com ganchos de fio amarelo e rosa néon, ou pequenos carros de brinquedo em alfinetes. 

Ao desenvolver a sua coleção, o designer inspirou-se no campo de mulheres Greenham Common, em Berkshire (Inglaterra), que foi criado em 1981 para protestar pacificamente contra a instalação de mísseis nucleares. O decote das camisas é assim alargado na frente, recordando o gesto da polícia puxando manifestantes pelas suas roupas. Um casaco tem pontos de malha apertados na frente, ecoando a trama das barreiras, enquanto no interior é utilizada uma trama mais macia e protetora.

Os seus trajes são todos muito trabalhados à frente, com apenas o forro e a estrutura interna da peça de vestuário aparecendo nas costas. "Quero que as pessoas vejam a parte de trás do vestuário, os materiais, as costuras, a qualidade. Trata-se de honestidade", explica Okwuadi, enfatizando a sua paixão pela investigação e narração de histórias.

Depois de se formar na Universidade Ravensbourne em Londres, Okwuadi optou por treinar a profissão diretamente com os alfaiates de Savile Row, trabalhando durante três anos no Cad e Dandy, antes de voltar a estudar na Central Saint Martins para um mestrado em Moda Masculina. "Estou concentrado na alfaiataria", diz o jovem, que quer "fazer ouvir a sua voz, levar o seu trabalho ao público através da sua própria marca, enquanto trabalha para uma maison".

O grande prêmio do júri de acessórios de moda, liderado este ano por Christian Louboutin, foi atribuído à designer joalheira Capucine Huguet de 25 anos, pela sua coleção de joias criativas inspiradas na emergência climática. Partiu do estudo dos glaciares do Ártico, há dois anos, e criou uma coleção de anéis centrados no gelo derretido, inspirados por exemplo por icebergs ou na forma de flocos de neve.

Formada na Haute École de Joaillerie em Paris, estudou na Cartier e na Van Cleef & Arpels, enquanto se especializou com um mestrado na Central Saint Martins School em Londres. Para Huguet, a joalheria é uma forma de expressar a sua própria personalidade e pode também representar um valor ambiental.


Criação de Capucine Huguet - ph Margaux Salarino Villa Noailles


O prémio Hermès Fashion Accessories, promovido pela marca desde o ano passado, foi atribuído a Yann Tosser-Roussey de 30 anos. Este engenheiro francês que trabalhou no Estúdio Berçot e para grandes maisons de moda como a Kenzo lançou a sua marca Roussey há um ano, um interessante projeto de joalheria em 3D. Outra entusiasta da joalheria, a japonesa Rayna Amuro, ganhou o prêmio do público com as suas delicadas criações em prata e vime.

O festival, fundado e dirigido por Jean-Pierre Blanc e presidido por Pascale Mussard, também atribuiu a Elina Silina de 33 anos o prêmio Chloé na categoria Moda. A designer, de Riga, na Letónia, distinguiu-se pelas suas experiências de tricotar com peças feitas de crochê, retomando as habilidades transmitidas pela mãe e avó, enquanto brincava com a tensão dos nós e as diferentes escalas, ou mesmo com a mistura de fios, para reinventar uma nova forma de tricotar.

O prêmio "le 19M" Métiers d'Art, lançado pela Chanel em 2019, foi atribuído a Rukpong Raimaturapong de 31 anos da Tailândia, que deslumbrou com o seu trabalho virtuoso sobre cores e seda. Formado em Arte Visual e Design Gráfico, o jovem tinha até agora deixado de lado a moda, a sua paixão secreta. Fez a sua estreia em Hyères.

Pela primeira vez este ano, o concurso de moda incluiu um novo prêmio dedicado à sustentabilidade, o "prêmio de coleção ecológica Mercedes-Benz", atribuído a Sofia Ilmonen da Finlândia, de 34 anos. Formada pela Universidade Aalto em Helsínquia, a estilista desenvolveu um conceito de moda circular, fazendo os seus modelos (vestidos longos e românticos) a partir de quadrados de tecido que podem ser montados e desmontados conforme as necessidades.

Ornados de galões de passamanaria, os quadrados podem ser montados graças a mini botões. Também equipados com cordas, permitem que a silhueta seja mais ou menos apertada de acordo com os seus desejos. Tudo isto pode ser feito diretamente pelo cliente graças a um padrão e instruções muito precisas.


Cerimônia de entrega de prèmios, na Villa Noailles, no domingo - ph Dominique Muret


O prémio público da cidade de Hyères foi atribuído a Adeline Rappaz da Suíça, que causou uma forte impressão com a sua exuberante coleção com um espírito punk-baroco, em que as roupas foram inteiramente concebidas a partir de materiais reciclados, cada uma com uma história.

Para a sessão de fotografia, o júri, presidido por Dominique Issermann, atribuiu o seu grande prêmio a Emma Charrin & Olivier Muller e o prêmio americano Vintage a Sergei Pavlov, que também venceu o prêmio do público.

Esta 36.ª edição do Festival Hyères marcou um retorno à normalidade após um ano e meio de pandemia. Mesmo que a participação fosse inferior, tanto o público como os profissionais do setor estavam presentes, assistindo em número aos diferentes eventos organizados em torno do evento. Devido às grandes obras planejadas na Villa Noailles, no próximo ano o festival voltará a ser realizado em meados de outubro.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.