×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
31 de jan. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Fendi mistura racionalismo romano e alta-costura complicada

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
31 de jan. de 2022

A Fendi realizou, na quinta-feira (27 de janeiro) o seu mais recente desfile de alta-costura no seio da antiga sede da Bolsa de Valores de Paris. Mas enquanto o seu proprietário LVMH continua a prosperar na bolsa de valores francesa, a Fendi não apresentou exatamente uma oferta de alta costura vencedora nesta temporada.

 


Destacando as raízes da marca, o diretor criativo inglês de moda feminina da marca, Kim Jones, pediu à empresa de produção Bureau Betak para construir um conjunto intrigante. Uma série de formas depuradas e geométricas, que imitam a arquitetura racionalista dos anos 30. O mesmo estilo pode ser visto na majestosa sede da Fendi, localizada no Palazzo della Civiltà Italiana, no EUR – um complexo arquitetural e urbanístico localizado no atual quartiere Europa de Roma.
 
Um estilo semelhante entrou nos muitos vestidos de cetim grandiosos da coleção, que apresentavam gravuras arquitetônicas e esculturais de centuriões com a intenção de lavrar os seus campos, ou de santos e matronas sofredores. Alguns destes vestidos funcionaram, mas a maioria não.

Embora houvesse vários arquitetos racionalistas brilhantes, tais como Terragni, Libera ou De Renzi, a arte plástica daquela época evocava muitas das ideias da Itália de Mussolini. Assim, o resultado final sugere figuras pesadas e enfadonhas em roupas concebidas para apoiar um governo autoritário. Se estiver duvidando, então dê uma olhada nas estátuas do complexo esportivo Foro Italico, inaugurado em 1932 como Foro Mussolini, e como propaganda para o regime; ou visite o próprio EUR.
 
Além disso, as roupas não pareciam particularmente novas e muitas vezes até eram bastante pesadas. Raramente vemos a supermodelo romana Mariacarla Boscono (uma das grandes estrelas mundiais das passarelas), que parecia pouco confortável num look. Ela praticamente  desapareceu no enorme volume de um vestido de cetim safira.
 
No entanto, pudemos admirar alguns sucessos comerciais definidos, desde o vestido apertado de cetim cru enfeitado com flores de tecido, até ao brilhante bolero de pêlo com picos nos ombros. Mas não foram suficientes para salvar esta coleção.

A trilha sonora também não ajudou, com base no melancólico single "Emerald Rush" de Jon Hopkins, com ecos ruidosos de música industrial.

A Fendi afirma que o seu crescimento tem acelerado nos últimos anos. No entanto, apesar de ser uma empresa cotada na bolsa, a LVMH não revela as receitas anuais de nenhuma das suas marcas, por isso teremos de acreditar em sua palavra, não é verdade?
 
Ironicamente, o desfile chega 10 dias depois do desfile e coleção verdadeiramente excepcionais de Jones para o homem Dior. Um show também encenado em Paris. Mas enquanto isso, o supremo designer britânico reina como o designer mais influente da moda masculina, esforçando-se ainda para apresentar uma visão linear e coerente para a Fendi.
 
Por mais difícil que seja admitir, se perguntarmos às pessoas mais informadas qual tem sido a melhor coleção oferecida pela Fendi desde que Karl Lagerfeld morreu em fevereiro de 2019, estas provavelmente responderiam que foi o desfile de alta-costura de Silvia Fendi, inspirado na Roma Antiga e encenado dentro do Fórum Romano da Cidade Eterna, realizado imediatamente antes do surto da pandemia.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.