×
Por
AFP
Publicado em
10 de fev de 2016
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Fashion Week masculina de Nova York chega ao fim com uma nota de otimismo

Por
AFP
Publicado em
10 de fev de 2016

A bem jovem Fashion Week masculina de Nova York, nascida em julho, chegou ao seu término na quinta-feira passada à noite com um otimismo depois de quatro dias de desfiles marcados por uma sede de inovação, de abertura e uma certa confiança no futuro.

Stampd - Ouytono-inverno 2017 - Menswear - Nova York - © PixelFormula


A Semana da Moda Masculina americana fechou o baile para a temporada masculina outono-inverno 2017, na esteira de Londres, Milão e Paris. Esta segunda edição de cerca de sessenta espetáculos consagrados ao homem precedeu um pouquinho antes o pontapé inicial, nesta quinta-feira, 11/02, do calendário do prêt-à-porter feminino em Nova York.
 
Levados pela euforia de uma reunião entre os 'insiders' para observar, analisar, criticar ou celebrar as últimas tendências do vestuário masculino, os blogueiros, compradores e outros especialistas do setor exibiram, ao longo dessa curta semana, uma descontração palpável.

"A ambiência estava verdadeiramente 'cool'. O mundo do 'menswear' é descontraído, as pessoas estão contentes de estarem ali", nota Stevie Gatez, estilista, no último dia dos desfiles. Vestido com um casaco três-quartos de lã com estampa de leopardo, uma malha cinza com capuz, um jeans com a barra dobrada, tênis Adidas de cano alto e boné alto e rígido, o jovem blogueiro continua, no entanto, bastante atento às suas peças. Questão de gosto.
 
À vontade e com trajes amplos
 
Nas passarelas, a vez era também de estar à vontade, de curtir o bem-estar com cortes muitas vezes amplos em excesso, calças ou echarpes concebidas com a ideia de libertar um homem ansioso com seu 'look', mas em movimento, seja na Public Shcool, entre os Californianos da Stamp ou na Cwst, Todd Snyder, Michael Kors ou até mesmo na Tommy Hilfiger.

Greg Lauren - Outono-inverno 2017 - Menswear - Nova York - © PixelFormula


Por todos os lados, na Simon Miller, Greg Lauren, Kenneth Ning, o inverno masculino se prepara com materiais suaves, caxemira ou seda para blusões com capuzes e zíperes, lãs finas ou lã retrabalhada mais espessa, náilon. Na Theory, materiais sintéticos inovadores servem para uma concepção "minimalista aliando luxo e tecnologia", explica seu designer Ben Stubbington à AFP.
 
O essencial esta semana era encontrar o justo equilíbrio entre estrutura, conforto e originalidade.

Krammer and Stoudt - Outono-inverno 2017 - Menswear - Nova York - © PixelFormula


"Meu objetivo é ser ao mesmo tempo inovador e clássico", explica Mike Rubin, criador da Krammer & Stoudt, pequena marca quase desconhecida até sua notável apresentação na segunda-feira.
 
Mesmo combate para a Tommy Hilfiger que confiou à AFP que quis "celebrar as peças e os principais estilos" da sua obra, das camisas polo esportivas ao Kway vermelho ou ao costume azul ou Príncipe de Gales, "adaptando-os à idade moderna". Uma camisa polo com mangas longas foi enriquecida com uma gravata integrada, discreta e prática.
 
David Hart, ele também regressou aos clássicos, aqueles dos grandes anos do jazz com blazers com abotoamento cruzado, estampas escocesas, calças capri e meias coloridas, para modernizá-las.

Public School - Outono-inverno 2017 - Menswear - Nova York - © PixelFormula


Nas ruas, telas, blogs, os homens descobriram o gosto da experimentação da alfaiataria e isso pode ser sentido entre os criadores, diz Gatez, que cita "jogos com materiais, o risco assumido com as peles e o veludo, na Gipsy Sport, ou uma inspiração anos 70 com um quê streetwear" na Argentina Lucio Castro.
 
Do CBGB ao ringue de boxe
 
Além dos vestuários, alguns criadores quiseram arrefecer o astral com apresentações fortes. Public School, a grife 'streetwear' do momento, regressou às suas raízes, organizando seu desfile na rua diante de um exército de fãs e blogueiros avisados previamente pelas redes sociais. O artista e criador Greg Lauren, sobrinho de Ralph, mergulhou seus convidados num universo intenso, uma floresta urbana onde manequins com roupas rasgadas lutavam num ringue de boxe, ao lado de dândis do século XIX tirados da alma do artista.
 
John Varvatos se questionou sobre a morte do rock, apresentando sua coleção nas antigas instalações do lendário antro punk CBGD.
 
Vale ressaltar, "vimos mais diversidade na passarela", destaca Gatez, referindo-se em especial ao espetáculo "all black" de David Hart. "Nunca vi tantos manequins negros como esta temporada".
 
No total, para David McLeod, blogueiro do Thedapperdaily.com, esta nova Fashion Week venceu mesmo sua aposta: "Foi uma temporada de sucesso". Até julho.

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.