Farfetch vê vendas subirem apesar de lucros continuarem distantes

O final de 2018 e início de 2019 foram extremamente agitados na Farfetch, com a sua entrada em bolsa, muitas iniciativas de produtos, desenvolvimentos tecnológicos, aquisições e muito mais. Mas, como terá tudo isso alimentado aquilo que realmente importa, os resultados da empresa?


José Neves, fundador eCEO daFarfetch

Os gastos dos clientes estão aumentando, mas a Farfetch continua deficitária e não há indícios de quando os lucros chegarão, embora a empresa não esteja preocupada, pois tudo parece estar correrendo de acordo com o planeado.
 
Na noite de quarta-feira, a empresa informou que o seu valor bruto de mercadoria (GMV) subiu 44%, para 415 milhões de dólares (371 milhões de euros) no primeiro trimestre (janeiro a março), e o crescimento chegou a 50% em moeda neutra. A empresa gerou 1,53 bilhão de dólares (1,37 bilhão de euros) em GMV nos últimos 12 meses. A sua receita subiu 39%, para 174 milhões de dólares (155 milhões de euros), e a receita dos serviços da plataforma aumentou 43% em relação ao ano anterior, para quase 142 milhões de dólares (127 milhões de euros).
 
O aumento no GMV foi impulsionado principalmente por um aumento de 64,3% nos consumidores ativos para 1,7 milhões, além do aumento no número médio de pedidos por consumidor ativo e no número total de pedidos no marketplace da Farfetch.

A empresa também foi impulsionada por um aumento no número de clientes apoiados pela sua solução de comércio eletrónico de marca branca para as marcas, pelo crescimento das transações através desses sites geridos e pela adição da Stadium Goods à sua carteira.
 
José Neves, fundador e CEO, definiu os números como “excelentes” e declarou que estes “superaram” tanto das expectativas da empresa como, “até certo ponto, o crescimento do setor dos artigos de luxo pessoais online”, à medida que a empresa continuou “a ganhar participação de mercado”.

No entanto, a empresa continua a gerar perdas. A sua perda de EBITDA ajustada aumentou 6,6 milhões de dólares (5,9 milhões de euros), ou 27,8%, ano a ano no primeiro trimestre, para 30,2 milhões de dólares (perto de 27 milhões de euros), embora a margem EBITDA ajustada tenha melhorado de -22,9% para -20,7%. A sua perda após impostos subiu 115,4% para 109,3 milhões de dólares (97,7 milhões de euros), com o prejuízo operacional a aumentar 35,1 milhões de dólares para 85,5 milhões (de 31,4 para 76,4 milhões de euros), prejudicada pelo dólar mais forte.
 
Para o segundo trimestre, a empresa continua esperando um crescimento explosivo das vendas com a Plataforma GMV entre 40% e 42%, e, embora a margem EBITDA deva melhorar, permanecerá negativa em torno de -19% a -21%.

Período agitado

Os lucros, como acontece com a maioria das empresas baseadas em tecnologia mais ambiciosas, parecem estar um pouco longe e isso não surpreende, considerando o elevado investimento que a empresa está fazendo para fazer crescer o negócio.
 
Os desenvolvimentos recentes incluíram o lançamento de um piloto de retalho aumentado na nova flagship da Chanel em Paris, no número 19 da rue Cambon, a aquisição da Stadium Goods e da Toplife e o lançamento na plataforma da JD.com através dessas duas aquisições.
 
E trabalhou arduamente para impulsionar a oferta de marcas em geral. Jil Sander, Etro e Mulberry foram adicionadas como parceiros diretos e o fornecimento direto foi expandido com marcas como Versace, Maison Margiela, Valentino, Phillip Plein, Zegna e Pucci, entre outras.

Também adicionou 30 novas boutiques parceiras, incluindo especialistas de categoria em joias finas/relógios e roupa infantil, além da sua primeira boutique parceira em Porto Rico. Além disso, expandiu as relações com grandes armazéns, acrescentando a On Pedder e a Joyce (parte do Lane Crawford Joyce Group).
 
Novos sites locais, mais parceiros de marca branca, novas iniciativas de conteúdo e programas de fidelidade e um mergulho na venda em segunda mão refletem, efetivamente, o ritmo frenético do desenvolvimento da empresa.
 
Tudo isto significa que, apesar das perdas, a empresa acredita que está a ir na direção certa e está "muito bem posicionada para continuar a capturar uma parcela da significativa oportunidade no mercado online de bens pessoais de luxo".

O diretor financeiro Elliot Jordan disse estar "muito satisfeito com o forte começo” da empresa este ano e definiu os primeiros três meses como um "trimestre bem executado".

Jordan acrescentou que o "crescimento rápido permite o investimento contínuo tanto no envolvimento do cliente a curto prazo quanto no desenvolvimento da plataforma a longo prazo, sustentando o crescimento futuro contínuo".

Traduzido por Estela Ataíde

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

LuxoNegócios
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER