×
865
Fashion Jobs
CAEDU
Gerente de Grupo Produto - Infantil
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Supervisor de Vendas - Barueri
Efetivo - CLT · Barueri
STUDIO Z
Coordenador de Planejamento Comercial
Efetivo - CLT · FLORIANÓPOLIS
GRUPO MEIA SOLA
Gerente de Marketing
Efetivo - CLT · FORTALEZA
GRUPO BOTICARIO
Executivo de Vendas ii (São Paulo)
Efetivo - CLT · São Paulo
LULITEX COM IMP EXP LTDA
Auxiliar Comercial
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas Pleno - Treinamento e Desenvolvimento
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas - Assistente Social
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - Quem Disse, Berenice?
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
CAMICADO
Supervisor de Vendas e Operação de Loja - Brasília
Efetivo - CLT · Brasília
RENNER
Encarregado de Logistica E-Commerce
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - o Boticário
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
GRUPO BOTICARIO
Product Owner E-Comm
Efetivo - CLT · Curitiba
IBRANDS
Líder de Logística
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Analista Gestão de Riscos Csc pl
Efetivo - CLT · Curitiba
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral
RENNER
Supervisor de Vendas | Rio Verde
Efetivo - CLT · Rio Verde
RENNER
Supervisor de Vendas| Imperial Shopping - Imperatriz ma
Efetivo - CLT · Imperatriz
RENNER
Supervisor de Vendas| Shopping Golden Calhau - São Luís
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| São Luís Shopping
Efetivo - CLT · São Luís

Farfetch: apesar das perdas, José Neves congratula-se com "trimestre fantástico"

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
today 18 de nov de 2019
Tempo de leitura
access_time 4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Na quinta-feira, ao revelar os seus resultados trimestrais, a Farfetch indicou uma série de indicadores encorajadores. Mas, a informação importante é que a gigante do comércio eletrônico de luxo permanece deficitária e que as suas perdas até aumentaram durante o período de três meses que terminou no final de setembro.


Apesar das perdas trimestrais da Farfetch, o seu CEO, José Neves, continua otimista - Farfetch


Isso não impediu que os investidores se concentrassem principalmente nos aspetos positivos do relatório, o que resultou numa pequena retoma dos preços das ações fora do horário comercial. Estas ações haviam caído desde a grande entrada em bolsa, em setembro de 2018, e continuaram a cair esta semana após os analistas de Bernstein alertarem que a empresa "queima dinheiro demasiado rápido". Mas, isso parece ter sido esquecido, já que as perdas no terceiro trimestre da empresa foram menores do que o esperado e as negociações fora do horário normal de negociação levaram as ações a aumentarem cerca de 20% no momento em que este texto foi escrito.

Tratou-se realmente de um aumento impressionante. Então, o que agradou exatamente aos investidores? Falemos primeiro da "má" notícia. O prejuízo líquido aumentou 10,6%, para 85,5 milhões de dólares (77,4 milhões de euros). Esta evolução deve-se principalmente a movimentos nos lucro ajustado antes de juros, impostos, depreciação e amortização, depreciação e amortização, pagamentos de ações e outros elementos relacionados com negócios recentemente adquiridos e investimentos. A perda ajustada antes de juros, impostos, depreciação e amortização aumentou 10,3%, para 35,6 milhões de dólares (32,2 milhões de euros).

Passemos às melhores notícias. José Neves, fundador e CEO, disse que a empresa teve "um terceiro trimestre fantástico, superando todas as nossas expectativas e continuando a ganhar participação de mercado a um ritmo acelerado".

Existe, de facto, algo para celebrar. O volume de negócios aumentou de 134,54 milhões de dólares (121,75 milhões de euros) no ano passado para 255,48 milhões de dólares (231,25 milhões de euros), enquanto o Valor Bruto de Mercadorias (GMV) aumentou de 310 para 492 milhões de dólares (de 280,6 para 445 milhões de euros), graças ao crescimento orgânico da sua participação de mercado e às aquisições realizadas. O VMG da plataforma digital aumentou quase 38% para 420,3 milhões de dólares (380,5 milhões de euros) chegando até 40% excluindo o impacto do câmbio. Tudo isto foi facilitado pela compra do New Guards Group em agosto, bem como pelo aumento do número de clientes e das transações através dos seus sites, bem como pela compra da Stadium Goods, uma plataforma especializada em calçado desportivo e de streetwear.

O lucro bruto passou de 67 para 115 milhões de dólares (de 60,7 para 104,5 milhões de euros),e o número de consumidores ativos na sua plataforma digital passou de 1,24 para 1,889 milhões.

Observando mais de perto o aumento do volume de negócios, este deve-se principalmente ao crescimento de 44,5% no volume de negócios dos serviços da plataforma digital, que é de 156,5 milhões dólares (141,7 milhões de euros), e à adição das receitas das plataforma de marca da New Guards. Enquanto isso, as vendas em loja aumentaram 121,9%, para 9,1 milhões de dólares (8,2 milhões de euros), principalmente devido à adição das receitas das lojas operadas diretamente pela New Guards e ao crescimento das lojas Browns.

Mas, nem tudo foi positivo - o valor médio dos pedidos (average order value - AOV) caiu ligeiramente de 585 para 582 dólares, e a margem de lucro bruto da plataforma digital caiu de 60,3% para 53,2%.
 
PODER DAS MARCAS

Apesar dos aspetos negativos, a empresa fez progressos claros, principalmente no aprofundamento do seu relacionamento com as marcas de luxo mais populares do mundo. Algo extremamente importante, uma vez que tem trabalhado para alcançar a rentabilidade num mercado de venda online de produtos de luxo extremamente competitivo.
 
A Farfetch disse que continuou a adicionar amplitude e profundidade à oferta do marketplace através de parcerias ampliadas com marcas de luxo e retalhistas. As dez primeiras marcas da sua oferta oferecem o dobro de produtos na sua plataforma em comparação com o final do trimestre correspondente do ano anterior. A Farfetch adicionou pontos de abastecimento com o parceiro da marca Saint Laurent nos Estados Unidos, Canadá e México.
 
A empresa também "ajudou a promover a iniciativa de distribuição direta ao consumidor da Prada tonando-se sua parceira exclusiva para a sua coleção Linea Rossa para o outono-inverno de 2019".

A Farfetch estabeleceu também novas concessões digitais com a Golden Goose e a Sunglass Hut, entre outras, elevando o número total de parceiros de marca para pouco menos de 500, enquanto "manteve 100% da retenção dos 100 principais parceiros de marca direta nos últimos três anos".

Além disso, integrou a New Guards no marketplace com todas as marcas da empresa, incluindo Off-White e Marcelo Burlon County of Milan, “que agora beneficiam da força da Farfetch e vendem os seus produtos diretamente na plataforma, como parte do uma concessão". Também expandiu a sua rede de lojas para mais de 700 retalhistas, elevando o número total de marcas diretas e parceiros de retalho para mais de 1.200.

Então, o que deverá acontecer durante o trimestre atual? A Farfetch prevê um crescimento de 30% a 35% no valor GMV da plataforma digital em termos homólogos e uma perda de EBITDA ajustada entre 21 e 31 milhões de dólares (entre 19 e 28 milhões de euros).

Não houve qualquer menção sobre quando a empresa poderá ser rentável, mas, como mencionado anteriormente, os investidores não pareciam preocupados com isso na quinta-feira.

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.