×
Por
Reuters
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
1 de nov. de 2021
Tempo de leitura
5 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Facebook muda nome para Meta e se concentra na realidade virtual

Por
Reuters
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
1 de nov. de 2021

Facebook Inc chama-se agora Meta, disse a empresa na quinta-feira, 28 de outubro, em uma rebrand que se concentra na construção do "metaverso", um ambiente virtual partilhado que aposta ser o sucessor da Internet móvel.


Zuckerberg disse que o novo nome, vindo da palavra grega para "além", que simboliza que há sempre mais a ser construído - Reuters


A mudança de nome surge quando a maior empresa de comunicação social do mundo luta contra as críticas dos legisladores e reguladores sobre o seu poder de mercado, as decisões algorítmicas e o policiamento dos abusos nos seus serviços.

O CEO Mark Zuckerberg, durante uma conferência virtual ao vivo da empresa e de realidade aumentada, disse que o novo nome reflete o seu trabalho investindo no "metaverso", em vez do seu homônimo serviço de comunicação social, que continuará se chamando Facebook.

O "metaverso" é um termo cunhado no romance distópico de Neal Stephenson, "Snow Crash" (1992), de quase três décadas atrás, e que agora está gerando um buzz no Vale do Silício. Refere-se amplamente à ideia de um universo virtual partilhado que pode ser acessado por pessoas que utilizam diferentes dispositivos.

"Neste momento, a nossa marca está tão fortemente ligada a um produto que não pode representar tudo o que estamos fazendo hoje, quanto mais no futuro", disse Zuckerberg.

A empresa, que investiu fortemente na realidade aumentada (RA) e virtual (RV), disse que a mudança reunirá seus aplicativos e tecnologias sob uma nova marca, e acrescentou que não irá mudar a sua estrutura empresarial.

O gigante da tecnologia, que tem cerca de 2,9 bilhões de usuários mensais, tem enfrentado nos últimos anos um escrutínio crescente por parte de legisladores e reguladores globais.

Na última controvérsia, a denunciante e antiga funcionária do Facebook, Frances Haugen, divulgou documentos que, segundo ela, mostraram que a empresa escolheu o lucro em detrimento da segurança dos usuários. Haugen testemunhou nas últimas semanas perante uma subcomissão do Senado dos EUA e legisladores no Parlamento do Reino Unido. Zuckerberg  disse que os documentos estavam sendo utilizados para pintar um "quadro falso".

A empresa divulgou em um post de blog que pretende começar a negociar sob o novo título que reservou, MVRS, no dia 1 de dezembro. Na quinta-feira, 28 de outubro, revelou uma nova placa na sua sede em Menlo Park, Califórnia, substituindo o seu logotipo "Like" com uma forma azul infinita.

As ações do Facebook fecharam 1,5% mais altas a $316,92 (271,53 euros) na mesma quinta-feira.

Reputação manchada



O Facebook disse na semana passada que a sua divisão de hardware Facebook Reality Labs, que é responsável pelos esforços de RA e RV, se tornaria uma unidade de reportagem separada e que o seu investimento na mesma reduziria o lucro operacional total deste ano em cerca de 10 bilhões de dólares (8,57 bilhões de euros).

Este ano, a empresa criou uma equipe de produto nesta unidade centrada no "metaverso" e anunciou recentemente planos de contratar 10.000 funcionários na Europa durante os próximos cinco anos.

Em entrevista com a mídia especializada em tecnologia, Information, Zuckerberg declarou que não considerou abandonar o cargo de CEO, e que ainda não pensou "muito seriamente" sobre a rotação desta unidade.

A divisão será agora chamada Reality Labs, disse na quinta-feira o seu diretor Andrew "Boz" Bosworth. A empresa também deixará de utilizar a marca Oculus para os seus auscultadores RV, chamando-os, em vez disso, de produtos "Meta".

A mudança de nome, cujo plano foi inicialmente reportado pela Verge, é uma marca significativa para o Facebook, mas não a sua primeira. Em 2019, lançou um novo logotipo para criar uma distinção entre a empresa e seu aplicativo.

A reputação da empresa tem tido múltiplos êxitos nos últimos anos, incluindo o tratamento dos dados dos utilizadores e o policiamento de abusos como a desinformação sanitária, retórica violenta e discurso de ódio. A U.S. Federal Trade Commission (Comissão Federal de Comércio dos EUA) também apresentou uma ação judicial antitrust, alegando práticas anti concorrenciais.

"Apesar de ajudar a aliviar a confusão ao distinguir a empresa-mãe do Facebook do seu aplicativo fundador, uma mudança de nome não apaga subitamente as questões sistêmicas que assolam a empresa", lembrou Mike Proulx, diretor de Pesquisa na Forrester.

Os planos para eliminar gradualmente o nome Facebook mesmo de produtos como o dispositivo de videochamada Portal mostram que a empresa está ansiosa para evitar que o escrutínio sem precedentes prejudique seus outros aplicativos, declarou Prashant Malaviya, professor de Marketing da Universidade de Georgetown McDonough School of Business.

"Sem dúvida, (o nome Facebook) está definitivamente danificado e é tóxico", acrescentou.

Zuckerberg informou ainda que o novo nome, vindo da palavra grega para "além", simbolizava que havia sempre mais para construir. O CEO da Twitter Inc, Jack Dorsey, na quinta-feira, tuítou uma definição diferente "referindo-se a si próprio ou às convenções do seu gênero; autorreferencial".

Zuckerberg acrescentou que o novo nome também reflete que, ao longo do tempo, os usuários não precisarão utilizar o Facebook para recorrer a outros serviços da empresa.

Em 2015, o Google reorganizou-se para criar uma nova empresa holding chamada Alphabet Inc, à medida que o popular motor de busca penetrava em novos campos, tais como carros auto conduzidos, banda larga de alta velocidade e expandia o seu negócio em nuvem. Snapchat também mudou a sua marca para Snap Inc., em 2016, no mesmo ano em que lançou o seu primeiro par de óculos inteligentes.

O Facebook, que este ano lançou o seu próprio par de óculos inteligentes com a Ray-Ban, anunciou uma série de novas atualizações de produtos RA e RV durante o Connect. Estes incluíam uma forma de as pessoas que usavam os seus auscultadores Oculus VR ligarem aos amigos, usando o Facebook Messenger e de convidarem outras pessoas para uma versão social a partir da sua casa, apelidada de "Horizon Home".

Zuckerberg também mostrou demonstrações em vídeo de como o "metaverso" poderia ser, com pessoas se conectando como avatares e sendo transportadas para versões digitais de vários locais e períodos de tempo. E referiu ainda que o "metaverso" teria de ser construído, tendo em mente a segurança e a privacidade.

© Thomson Reuters 2022 Todos os direitos reservados.