×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
18 de out. de 2021
Tempo de leitura
6 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Exposição Miss Dior é inaugurada no castelo provençal de Monsieur Dior

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
18 de out. de 2021

A Parfums Christian Dior inaugurou a exposição 'Miss Dior 12 Women Artists' com interpretações do perfume no famoso castelo de la Colle Noire de Monsieur Dior, à entrada do Pays de Fayence, na fronteira dos Alpes-Marítimos com a região de Var. Esta iniciativa marca a primeira vez que a marca abre a casa provençal do designer ao público em geral.
 

Jardim do castelo de La Colle Noire - Foto: Jerome Galland para PCD 

Miss Dior continua a ser a fragrância mais icônica da maison, desde que Christian Dior pulverizou um litro inteiro do aroma pelas escadas e salões da Avenue Montaigne para dar as boas-vindas aos convidados quando chegaram para testemunhar o seu desfile de estreia, a lendária coleção New Look, em 12 de fevereiro de 1947.
 
Dior adquiriu o castelo em 2013, e após cuidadosa recuperação o abriu a jornalistas e VIPs dois anos depois. Embora La Colle Noire tenha sempre ocupado um lugar especial na iconografia Dior e na história da moda.

A abertura da exposição coincide com a publicação de 'Miss Dior, A Story of Courage and Couture', pela notável jornalista e autora Justine Picardie, ex-editora da versão britânica da revista Vogue, que se centra na vida notável da irmã mais nova de Christian, Catherine. Uma botânica, cultivadora de rosas, musa e corajosa membro da resistência francesa, que foi torturada pelas SS em Paris, antes de ser enviada para o campo de Ravensbruck, e que sobreviveu de forma notável.

Ao regressar à estação ferroviária da Gare de l'Est em Paris, em 1945, estava tão magra que o seu próprio irmão, Christian, não a reconheceu. Após ajudar a cuidar das suas costas, dois anos mais tarde, Christian batizaria a sua primeira fragrância de Miss Dior em homenagem a Catherine.
 

Imagem do cartaz da exposição - DR

Uma última declinação da fragrância Miss Dior foi lançada no início de setembro com uma campanha publicitária bastante mágica, protagonizada pela atriz de dupla nacionalidade israelita e americana, Natalie Portman, e dirigida por Manu Cossu, diretor da produtora Iconoclast em Paris.

Sublinhando a importância de Portman para a maison, toda a equipe de produção se deslocou para a Austrália, onde Portman estava gravando 'Thor: Love and Thunde', a fim de filma-la em glória na natureza. Obrigando que toda a equipe cumprisse o isolamento durante 15 dias, antes do início das filmagens.
 
É um longo caminho geográfico desde La Colle Noire. No entanto, de alguma forma, o surgimento da pandemia espelha o renascimento em França após os horrores da Segunda Guerra Mundial e os dias sombrios de colaboração sob o regime de Vichy.
 
"Precisamente porque tinha passado pelos seus próprios momentos sombrios – a rica família de Monsieur Dior faliu na década de 1930; a depressão forçou-o a fechar a sua galeria de arte; o irmão mais velho regressou da Primeira Guerra Mundial permanentemente chocado, o outro irmão acabou esquizofrênico e Catherine foi levada para os campos de concentração. Dior estava duplamente determinado a celebrar a beleza, a liberdade de expressão e a independência das mulheres. Das trevas pode por vezes provir grande beleza", comentou Justine Picardie, a autora do livro, antes de uma sessão de autógrafos no jardim do castelo de La Colle Noire.
 
Foto: Dior  
 
Foi o que os artistas desta exposição conseguiram, utilizando os códigos-chave de Dior e do flacon de Miss Dior – o xadrez; as cores rosa e cinza ou a sua fita de cetim – para expressarem as suas diferentes visões. 
 
"Decidimos criar esta exposição Miss Dior para prestar homenagem a Dior, que imaginou o aroma numa noite de verão aqui mesmo, em La Colle Noire, pensando na sua irmã Catherine. Por isso consideramos que era correto pedir a estas artistas femininas que refletissem sobre a própria origem de Miss Dior aqui mesmo, neste local especial", explicou Jerome Pulis, diretor de Comunicação Internacional da Parfums Christian Dior.
 
Love de Hua Wang é um presente concentrado no elegante arco de cetim em caixa maciça de cerâmica e resina retangular; enquanto que a artista multidisciplinar Mimosa Echard, em Andréa, utilizou todos os materiais de um atelier de alta-costura – cristais, quartzo, contas de plástico, brincos, crina de cavalo e até mesmo bonés de perfume Miss Dior – para criar um quinteto de flacons de resina transparente na cor rosa – a base do cheiro.
 
Pia Maria Naeder, uma antiga repórter de investigação televisiva, criou um flacon feito à mão e um vestido min Dior com milhares de contas numa obra intitulada Miss Stardust; enquanto que Behan Laura Wood, uma inglesa de cabelo azul com quimono, construiu uma escultura de dois metros de altura, Miss Dior Trellis Folly Sculpture, em vidro borossilicato e arcos de aço inoxidável num padrão de xadrez.
 
"Demos carta branca aos artistas. O mais interessante foi todos adotarem abordagens muito diferentes para utilizarem os códigos Dior como, por exemplo, o xadrez. Alguns artistas também recorreram à história pessoal de Catherine Dior, que foi uma grande combatente da resistência. Como a escultora francesa Ingrid Donat, que criou uma caixa de metal com pergaminho rosa no interior, como símbolo da coragem de Catherine", acrescentou Pulis.
 
Foto: Dior  

Enquanto no sul de França, a equipe Dior também maquiou uma série de estrelas de televisão em Cannes, incluindo Ana Giradot, Vera Kolesnikova, Niels Schneider e Virginie Efira; assim como Naida Ayadi e Marco Prince, membros do júri liderado por Nikolaj Coster-Waldau, da série Game of Thrones. A maison até patrocinou dois prêmios neste festival de séries de televisão: um prêmio revelação Dior que foi para Malik Gervais-Aubourg pela sua atuação em Je Voudrais Qu'On M'Efface e o grande prêmio Dior para a melhor série, que foi para a alemã The Allegation.
 
Localizado 45 minutos a noroeste de Cannes, o castelo é uma bela expressão das múltiplas influências de Monsieur – grande neoclássico e provençal da alta burguesia chique. A estrutura começou a vida como um robusto escritório de triagem postal, depois tornou-se num pequeno castelo de pedra, antes de Dior o comprar em 1950 e quase duplicar o seu tamanho, construindo uma nova entrada e avenida de pinheiros espaçados para aumentar a sensação de amplitude.  
 
É um cenário rarefeito e belo, onde todas as meditações artísticas sobre beleza e independência pareciam jogar muito em casa. Com uma vista alargada sobre as cristas dos Alpes-Marítimos, conhecidas localmente como montanhas negras, daí o nome do castelo. É possível encontrar a oliveira plantada pelo designer, numa propriedade de cinco hectares que produz até o próprio azeite. O lago simétrico de Christian 40 por 10 metros é o lar de um cardume de carpas japonesas, como era na sua época. Enquanto pombas brancas e pavões brancos – com uma nova geração de descendentes – se amontoam nos prados e antes de uma capela do século 19. No interior, encontra-se um pavimento em forma de estrela muito amado por Dior, uma descoberta que encantou o famoso designer supersticioso.
 
Devido à sua morte prematura com apenas 52 anos, Christian Dior só conseguiu passar dois anos completos no castelo, mas o seu espírito e a ideia do espírito humano, superando os males do mundo para imaginar um lugar mais fino e nobre, vive em La Colle Noire. Para os amantes da moda e da beleza e do mito de Dior, é realmente um lugar imperdível.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.